Quando Jean voltou ao Lab Med na manhã seguinte, Gambit estava saindo do quarto de Vampira.

"Bon Jour" ele diz cobrindo um bocejo com as mãos "Como vous está cherie?

"Bem. Só precisava dormir" ela diz, lhe entregando um copo de café. "Acho que você precisa fazer o mesmo. Por que você não sobe, toma um banho, come alguma coisa?"

Ele olha para a porta do quarto e suspira.

"A mente dela está mais limpa agora Remy. Confie em mim."

"Você viu alguma melhora?"

"Ela não esta mais lutando com Carol. O Professor conseguiu isola-lá. Isso já é um grande avanço."

Jean caminha para sala de Hank. "Remy, eu falei sério. Suba, você precisa de um banho..."

Ele acena pra ela "Oui, oui, d'accord!"

Uma batida leve na porta "Vampira" Kitty passa através da porta com uma bandeja nas mãos. Vampira fica surpresa ao olhar sua ex-companheira de quarto. Algumas coisas definitivamente mudaram em cinco anos. Kitty já não era tão franzina, apesar de ainda se mignon. Tinha um corte de cabelo mais moderno com uma franja e não estava vestindo rosa. Ela esperava que ela também tivesse perdido seu jeito irritante de falar.

"Como você esta?" Kitty diz muito animada para o gosto dela "Eu tipo trouxe sua comida." Vampira revirou os olhos... "Você cozinhou?"

"Bem, pelo menos não perdemos nosso senso de humor, não é mesmo? E não, não fui eu que cozinhei."

Ambas riem, embora o sorriso de Vampira seja mais curto.

"Não importa Kitty, não estou com fome."

"Você precisa comer. Quer ficar aqui por mais tempo que o necessário? Além disso, não tenho tempo de encontrar outra dama de honra que caiba naquele vestido."

Kitty coloca a bandeja em seu colo.

"Eu não ligo de ficar aqui. Lá fora há uma vida da qual eu não lembro, só de pensar o que mais eu posso ter feito... Dama de honra? Você vai se casar?"

Kitty olha pra ela fingindo estar chocada "Simmm, eu totalmente esqueci que você tinha esquecido isso."

"Kitty" Jean segura a porta entreaberta "Você prometeu não perturbar Vampira."

"Não seja tão mandona, Jean. Além disso, não estou perturbando."

"Posso entrar?" Vampira assentiu. Jean usava um jaleco branco, segurava uma prancheta. Só agora ela notou a aliança na mão esquerda. "Kitty está enlouquecendo todo mundo com o casamento tão próximo."

"Como se vocês não tivessem feito a mesma coisa quando estavam noivas!" Jean ri da careta que ela faz.

"Você já disse a ela quem é o cara de sorte?" Jean pisca para kitty

"Quem poderia ser? Peter." Kitty responde

"Peter? Eu acho que não conheço" Vampira se anima em comer ao menos a gelatina

"Colossos." Kitty responde.

Vampira engasga. "O gigante russo?"

"O homem mais gentil e amável da face da terra." Ela diz sonhadora.

"Kitty, mais baixo!" Jean a repreendeu novamente.

"Nós perdemos algum tipo de aposta? E acabamos casadas com os ex-acólitos de Magneto?" Vampira pergunta sarcasticamente

"Bem, Jean se casou com Scott." "Novidade" ela pensa.

"Você pegou o meu buque quando casei. Aquilo foi hilário" Jean diz

"Hilário? Hilário agora, cada mutante solteira da mansão queria matá-la por trapacear"

"O que eu fiz tão engraçado?"

"Você voou pra pegar o buquê. Isso foi totalmente injusto!" Kitty parecia ainda guardar rancor pelo fato "Isso encorajou o Cajun a usar os poderes também!"

Jean riu "ele jogou uma carta explosiva para manter os rapazes longe e pegar minha liga e dançar com você. Scott ficou tão furioso..."

Kitty e Jean controlam os risos quando percebem a melancolia de Vampira.

"Quando você e Gambit casaram Kitty pegou seu buquê..." Jean completou

"É tão estranho não ser capaz de lembrar coisas sobre minha vida... não sei como Logan consegue conviver com isso" Vampira diz

"Bem, olha à hora, eu tenho que ir, mas volto mais tarde. Temos muito pra falar."

Vampira faz um ruído muito parecido com o que Wolverine teria feito.

Kitty sai do quarto, e ela se sente desconfortável em estar sozinha com Jean. "suas roupas estão aqui. Você precisa de ajuda com o banho?"

"Não, eu posso cuidar disso." Ela levanta da cama.

"Remy pediu para lhe entregar isso." Jean lhe entrega um par de luvas.

"Obrigada!"

"Você não pode fingir que está dormindo para sempre, sabia? Precisa conversar com ele. O quanto antes melhor." Vampira concentrar-se na análise das roupas.

"Você não lembra agora Vampira, mas nós ficamos muito próximas depois de um tempo. Eu nunca iria sugerir nada se não soubesse que seria bom pra você" Vampira olha pra Jean e retribui o sorriso

"Eu vou esperar aqui. Pode me chamar se precisar de alguma coisa."

Pela primeira vez desde seu retorno a mansão Vampira cria coragem de olhar-se no espelho. Ela toca seu rosto estranhamente limpo sem a habitual maquiagem gótica. Apesar de estar pálida, com olheiras e alguns arranhões, notou mais cor em sua pele. Passou as mãos pelos cabelos de duas cores, que estavam mais longos, isso ela já tinha notado. Era como rever uma amiga de infância que viajou por um tempo. Você a reconhece, mas não pode deixar de notar as mudanças, avaliar se o tempo realmente lhe fez bem. Se ela aparenta estar feliz, triste, mais ou menos peso. Ela se despe lentamente, não há muito para tirar além de o vestido hospitalar. Sentindo-se estranhamente envergonhada em olhar seu corpo nu. Seus seios parecem ligeiramente maiores. Uma marca de biquíni. Uma marca arroxeada debaixo do seio. Ela toca e solta um gemido. Seu corpo parecia mais definido, mais massa muscular "que tipo de depilação é essa?" Ao virar para olhar seu bumbum vê outra mancha roxa, e... Uma tatuagem. A dama e o rei de copas na mesma carta um completando o outro. "Deus, eu vou matar esse rato do pântano." "Foi idéia sua cherie..." ela quase podia ver seu sorriso presunçoso. "saia da minha cabeça, preciso de privacidade aqui." Então ela se deu conta que estava "falando" com uma psique. De Gambit. Seu marido. Ele provavelmente já tinha visto e feito muito mais. "Não! não com meus poderes... Oh Deus."

"Tudo bem aí Vampira?"

"Sim, eu estou bem!"

Sentir a água quente a fragrância do sabonete, era o mais perto que ela poderia fazer para relaxar. Ela encostou a cabeça contra o azulejo frio ainda tentando dar sentido às memórias de Gambit. Ela tinha visto beijos, alguns toques, toques mais íntimos. Ela esfregou o rosto debaixo d'água. Seria a mente pervertida dele projetando seus desejos de tocá-la daquela forma, ou seriam de fato suas memórias? Ela, eles pareciam tão... Felizes...

"Não vou mais chorar. Eu preciso de respostas, Jean tem razão. Eu preciso falar com Gambit."

Alguns minutos depois, ela está no corredor quando Hank a encontra "Vampira, minha querida! Você não pode deixar o quarto ainda!"

"Eu preciso -." Como se na sugestão Gambit aparece atrás de Hank.

"Eu estava mesmo indo procurar você." Gambit não se anima, o tom de voz dela é tão inseguro e distante...

"Você precisa se preparar para os exames Vampira."

"Não, não eu preciso falar com ele. Agora!" Ela respira ainda reunindo coragem. "Poderia nos dar um tempo a sós? Por favor?"

"Você tem 10 minutos 15 no máximo. E precisa voltar para cama. Repouso é fundamental, precisa ser seguido à risca" Hank diz com firmeza

Quando Vampira deita Hank sai. Gambit senta na beira da cama, ela pensa em se afastar, mas não há mais espaço.

Vampira pega o pote de gelatina, comer parecia uma ótima distração. Suspira morde o lábio "Gambit..."

"Rémy" ele a interrompe "Vous me chama de Rémy, Marie. Ou rato do pântano. Cajun. Só usamos nosso nome código em missão." Ou quando vous quem me provocar, ele acrescentou mentalmente.

"Eu prefiro que você não me chame assim. Marie."

"Como quer que eu lhe chame? Rata de rio? Mon coeur?

"Que tal Vampira?" ela responde sarcasticamente

"D' accord, cherie."

"Vampira" ela repetiu olhando pra ele rapidamente.

"Eu preciso entender algumas coisas e queria fazer algumas perguntas, se você não se importar."

"Claro que não cherie"

"Há quanto tempo somos casados?"

"Vamos fazer dois anos."

"Casamos aqui na mansão?"

"Oui. Tempestade nos garantiu uma tarde agradável."

Mais alguns segundos de silêncio."Por que nós nos casamos?"

"Quoi?" a pergunta realmente o pega de surpresa. Ele ri uma risada sem graça. "Porque as pessoas se casam Cherie?"

"Por vários motivos." Ele lhe da um olhar interrogativo "Para obter um visto de permanência?"

"Eu non preciso de visto para morar em Nova York cherie. Eu non sou francês, vous sabe muito bem disso. Eu sou de lá bele Nova Orleans. Nascido e criado. Bem, nascido eu não tenho certeza. Mas, criado oui."

"Algum plano de Magneto... você pode ter precisado dos meus poderes novamente.."

"Cherie, olhe pra mim." Ela o atende e o olha nos olhos"Nós nos casamos por amor Marie."

"Sim claro." Ela zomba " Como se isso fosse possível!"

Pela primeira vez ele desvia o olhar "É tão difícil acreditar que me ama? Eu sei que fui um acólito..."

"E eu fui da Irmandade. A questão não é essa."

"Qual é a questão?"

"Promete que não vai rir?" Ele já imaginou o que seria só pelo rubor em suas bochechas. "Você está dizendo que nós somos casados? Há quase dois anos?"

"Nosso casamento foi consumado?

Ele queria gritar "oui", e tentou, mas foi o primeiro momento que ele conseguiu rir de algo desde que chegou aqui.

Vampira cruzou os braços e fez uma careta pra ele. "Você prometeu. Idiota!"

"Desole." Ele se recompõe. "Nosso casamento é tão normal quanto o de qualquer pessoa, mutante ou não. Basta ser creatif. Isso não é um problema pra Rémy Lebeau." Ele deu um sorriso tão presunçoso que ela queria socá-lo.

Eles ouvem uma batida na porta, antes delas se abrirem. "Doutor Mccoy esta esperando Vampira!" Jean diz com um sorriso.

Antes de sair, Gambit segura suas mãos enluvadas e as beija "Eu estou aqui cherie, vous non está sozinha! Nós vamos passar por isso, Eu prometo!"

"estou aqui olhando por você." A psique ou as memórias ecoam em sua mente.