Achei uma fanfic antiga socada no Word, era uma idéia que era muito interessante em escrever na época, então repensei e aqui está! Dividi em três capítulo (no mínimo de 1.000 palavras cada), fiz um revisãozinha e está pronta com palavras coerentes. Até que eu arrume alguma idéia boa pra explorar, esse vai ser o meu foco; Inazuma Eleven GO. Mas são vocês que precisam decidir, quando ver que essa fic merece uma continuação vou terminá-la ainda esse ano.

Pense que essa história se passa depois de Galaxy, mas com os personagens do GO. Ignore que o Quinto Setor tá aí e o Kageyama, sinceramente eu acho um tédio uma fanfic sem um objetivo real, então todos os jogadores vão está com as mesmas habilidades, só que parecendo mais velhos e amadurecidos, vai explorar mais a vida íntima do personagem. Vai fazer mais sentidos nos seguintes capítulo. Se houver.

Até a próxima atualização.

Não possuo Inazuma Eleven Go. Nem Galaxy, Chrome Stone ou os Onze Supremos

Capítulo 1

Amanhã nasceu com os pássaros berrando nas janelas dos jogadores, mas num principalmente não estava entusiasmado para o dia. Tenma Matsukaze. Ele escondia dentro dos cobertores, resmungando pra essa maldita natureza perturbar outra pessoa. A cabeça do pré- adolescente explodiu quando o seu aparelho apitou altamente no quarto silencioso. Agora era oficial; As máquinas e os animais querem fazer o seu dia um inferno. Chutou com raiva o aparelho pra longe da cabeceira, ignorando se estava inteiro ou não, só se importava o silêncio maravilhoso que reinava no seu quarto.

Os passos subindo pelas escadas não poderiam ser ouvidos com a cabeça enfiada nos cobertores nem o seu nome gritado lá em baixo. O sono estava tão maravilhoso que nem Aki irrompendo seu Templo tirava no seu sonho.

"Tenma, acorda, tem alguém no telefone."

"Ah, Aki... Por favor. Hoje é sábado."

"É, eu sei, são dá escola. Querem saber se você vai ao jogo hoje de manhã."

Jogo?

Apanhou rapidamente o telefone da mão de Aki e levantou-se saltitante pela cama.

"Alô, Alô?"

"Ah, Senhor Matsukaze?"

"Sou eu! Sou eu!"

"Sim, sim. Recebemos uma carta de uma escola adversária que os desafia para um jogo ás dez horas no Estádio Paraíso, precisamos da confirmação do capitão do time e do treinador para a convoca-"

"Eu quero! Aceito! Sou o capitão da Raimon! Matsukaze Tenma aceita.

"Excelente, ligaremos para o treinador da Raimon."

E o telefone chegou no final da linha. Tenma estava tão animado e energético que todos os seus problemas evaporaram como nuvens. Não sabia como iria avisar para seus companheiros ou chamar o ônibus, mas quem assumia isso era o endo-treinador, não é? Com os cabelos bagunçados confusamente, tratou de tirar seu short, blusa e meia. Daqui alguns minutos já estava tomando café com o uniforme para o jgo o mais depressa possível. Aki dormia na mesa enquanto seu garoto limpava a mesa rapidamente.

"Tchau aki até logo!"

Tratou-se de corer até o ônibus bem cedinho naquela manhã, mas era tarde de qualquer maneira, era um jogo imprevisível e empolgante, mal esperaa pra ver seus amigos novamente.

Mas quem não compartilhava da mesma empolgação era Endo treinador.

"Convocação? Sem treinamento? Como puderam marcar sem avisar pra gente?" gritou com raiva pro telefone enquanto mordia o pão na mesa do café.

Natsume encarou com preocupação para seu marido, de manhã tão cedo já estressada não fazia bem pra saúde de ninguém, só pensava com pena que não iria acordar tarde com Endo.

"Eu não to nem ai se ele aceitou, como podem fazer isso?"

...

"Ah, deixa pra lá, vou levar os meninos pra lá, mas espero uma explicação de vocês quando chegarmos lá!"

Bateu com raiva o telefone no gancho enquanto lançava faíscas, e essas faíscas entrarem no telefone e passarem no fio indo para os cabos de telefone até chegassem pra ele dando choques de dor... Sorriu divertidamente.

"Endo?"

Seu rosto caiu.

"Nosso compromisso vai ter que ser mais tarde."

"Num sábado?" Arqueou a sobrancelha.

"Num sábado."

Quando a caravana finalmente passou no ponto de ônibus que Tenma já estava esperando cansado, ele esticou um sorriso forçado antecipadamente. Enquanto escalava, o motorista estava nervoso, opa! Já era uma coisa estranha. E depois virou pra equipe. Seu rosto ficou pálido e começou a suar frio quando todos os membros da Assistência o olharam com olhar mortal, surpresa era eufemismo, era a última coisa que veria numa amanhã de sábado.

Depois vieram seus senpais, seus habituais bom-dia, agora com olheiras infelizmente e olhar azedo, depois Tsurugi... Ele não vai me deixar sentar com ele hoje. Depois seus amigos do primeiro ano que compartilhavam sua alegria por futebol, eles não estavam tão empolgados mas já poderia ver um brilho de curiosidade do time misteriosos os convocar tão de repente e acima da hora. Sentou no último lugar bem atrás de seus colegas, felizmente hoje não estava a fim de conversar com ninguém.

Quando o estádio Paraiso entrou em sua vista, ele era calorosamente clássico. Não eram tão grandes quanto estava acostumado, mas já era o que esperado de um jogo acima da hora. Ouviu risadas e conversa empolgada na frente, Endo-treinador riu junto com outros adultos. Talvez relembrando de uma memória de velho.

A caravana passou pelos portões e não faltou muito pra sermos os primieros a chegar, talvez nos dar a chance de nos preparar ironizou treinador quando se dirigia até sua divisão de time. Lá estava tudo providenciado, água, toalhas, material de treinamento, material médico, tudo que era necessário ou até exagerado pra um jogo com segurança. Os jogadores se trararam de trocar rapidamente, enquanto os assistentes prepararam as garrafas de agua e os treinadores em geral planejavam o que se poderia fazer.

Os jogadores saíram e reuniram na frente para o treinador endo, ele disse que não teríamos tempo pra prepararmos adequadamente para um jogo, mas que agora estaríamos fazendo um quadro de exercícios extremos.

A equipe disse Ouhhh desanimados quando tomavam suas posições. E foi de tudo. Treinaram todos os membros do corpo possível até ficarem doloridos, e o treinador não foi bonzinho, ele tratou que ninguém descansasse nessa hora, e ameaçava com chicotadas pra quem fizesse corpo mole correria o dobro que todo mundo na corrida.

Dez garotos corriam envolta da do campo com um jovem treinador berrando "força!força!" acrescentando, se não se esforçarem pro futebol, o futebol não vai se esforçar pra vocês!

"Isso não faz sentido!" vários rostos confusos expressavam, olhando um ao outro que não agüentavam mais, ou de ouvirem provérbios de futebol ou correndo envolta desse campo já há dez minutos! O garoto de cabelo acinzentado da dianteira disse sem fôlego "gente, só mais dois minutos".

"Só mais dois minutos, só mais dois minutos, já ta falando isso a cinco minutos atrás! Ouch!" fez uma careta quando um olhar assassino, controle sua língua de rosado desacelerou, ocupando o lugar por sol que já tava com dificuldade de respirar.

"Você ta bem Taiyo?"

Ele levantou com um sorriso de entusiasmo, mas esforçado quando tentava disfarçar o cansaço, lutava pra pegar eu lugar de domínio da pouca dignidade que restava.

"Claro Kirino! o medico disse que correr faria aumentar a minha resistência."

"Serio? Alguns minutos atrás você tava se arrastando pra alcançar a gente." Esbravejou o garoto pródigo.

Taiyo levantou a sobrancelha direita pro pálido encharcado de suor; 'e serio?'. Tsurugi não contém sem sucesso um sorriso nervoso que esticava no canto do rosto 'tenta e observa', só pra enfatizar decolou pra linha de frente com um zangado ruivo atrás.

Kurama assobiou.

"Não sei aonde tiram essas turbinas."

"Tenta crescer no quinto setor e nunca mais vai ouvir falar de limites." riu goleiro

"Que coisa horrível senpai!

"Mas e verdade, tem campo de concentração matando os corpos humanos pra formar o corpo perfeito! Buháháháhaá" Shinsuke gritou e Kirino repreendeu com olho assassino só pra Kariya ficar mais atrás ainda.

"Mas tem gente que parece já prodígio quando nasce... E inacreditável." Kurumada exclamou.

"Você realmente acredita nisso? Laboratórios ficando cada vez maiores, menos cientistas trabalhando pro governo e avanços na genética. Daqui a dez anos vamos ter ate nossos próprios clones espalhados por ai pra depois precisarmos de transplante de medula e pulmão-"

"Para de ver H2! Estão mexendo com a sua cabeça...

"Não tem essa coisa de nascer com dom ou não, essas coisas são só possíveis trabalhando muito duro!"

"Amagi tem razão! Temos que ficarmos mais fortes se quise-"

"HEY! MENOS CONVERSA E MAIS PES GRITANDO!"

'Hoje deve ser dia de tirar o couro... só pode' lamentou todos jogadores esgotados silenciosamente.

Os cinco metros que separa entre o Tsurugi e o Taiyo, o resto da equipe ficava cada vez sem assunto pra conversa.

3

2

1

Shindou e Kirino trocaram um olhar e conterem a risada quando a carranca de Tsurugi ficava cada vez mais evidente.

"O que vocês estão olhando?!"

Os outros e incluindo do primeiro ao último da fileira explodiram em risadas.

"Camarada, você devia ver a sua cara!"

"Cala a boca..."

"E ai?"

"Nada."

"Que isso bonito, conta outra, a gente viu!" Esmagou a dignidade de Tsurugi e não vai sentir pro resto do dia.

"Só porque venceu dessa vez não quer dizer nada!

"Conforma-se!

"Opa! Parem agora, não vão brigar na frente dos outros, resolvem isso num passe de bola, não aqui." Shindou lançou aquele olhar que diz; lutem conforme ás regras ou vão provar a minha ira!

"Quanto tempo já passou desde que capitão disse só mais dois minutos?" reclamou Minaho enquanto Kirino olhou pro Kariya que desenhou as palavras; não te disse nos lábios, revirou os olhos, realmente não se importa mais.

"Eu não sou mais o capitão, quem disse que ainda sou o capitão?" resmungou cansado enquanto recuperava o lugar ao lado de Kirino que ficava mais longe e menos perto.

"Nao... Liga nao shindo... O sol esta cozinhando os miolos do Minaho.

"Hey!"

"E meio estranho que a voz do treinador Endo esteja diminuindo a cada distância da gente, vocês não acham?

"Hikaru tem razão, não ta mais irritante sem a aberração do futebol recitando no megafone.

"Cadê o Tenma?"

Junto com Shindou, a equipe olhou pra trás pra ver o seu pequeno capitão lutando correndo cada vez mais lento tentando diminuir a diferença de dez, não, quinze metros, insignificante. Surpreso seria eufemismo, estarrecidos ou chocados observando a bola de energia ambulante ficar murcha pela primeira vez. Tudo tem uma primeira vez, mas e a mesma que ver a terra explodindo sozinha, porcos criarem asas, macacos dominarem a civilização humana. Fiel a frase de eu sei que nada sei. Shindou observava Tenma parando pra respirar enquanto Endo corria atrás dele com uma garrafa d'água, dizendo coisas, deve ser futebol, enquanto colocava uma mãos amiga no ombro dele.

"O que será que aconteceu?"

"Sei lá, e a primeira vez que vejo capitão dessa forma antes.

"Será que ele... Comeu direito? E impossível. Sempre e o primeiro a correr na frente.

"Ainda deve ta cansado do ultimo jogo, gente. Da um credito pra ele.

"Olha, ele sentou de novo, Endo ta conversando com ele."

Shindou olhou divertido com a carranca do garoto pálido que ficava cada vez mai pálido enquanto encarava o treinador.

"E ai?"

"Não diz nada."

Depois de alguns minutes eles se despediram e Tenma teve que voltar pra recuperar as trinta voltas de diferença com o mesmo desanimo de sempre. Até que os corredores, prestaram de volta atenção aos seus papo sem sentido, não notaram o silêncio á sua volta, nem adulto nenhum e além deles faziam barulho na quadra, quando todos estava felizes por um miléssimos de segundos. Vigas do tamanhos de vaões de trem caíram do céu sem misericórdia do Estádio de Paraíso, esmagando os jogadores aterrorizados.