Capítulo 2

Shinsuke estava tentando falar alguma coisa, mas não estava entendendo nada. Nada. Tudo estava muito lento, meio embaçado... Não tem quando você fica rodando por vários minutos e quando pára a sala fica girando? Era a mesma sensação. Um apito continuou soando nos seus ouvidos enquanto sentava com os joelhos com as suas pernas fracas no granado que não estava tão verde quanto antes.

A fumaça estava densa e cobrando a maior parte, podia sentir a sujeira e pedaços de pedras em todo lugar. Estava tão escuro. Sombras embaçadas ganhando contornos definidos, esclarecia o pânico na mente do atacante. As assistentes comoviam em volta, enquanto Shindou gritava alguma coisa e Kirino gritava no telefone. Não estava vendo Tsurugi... Cadê Tsurugi?! Ouch! Minha cabeça estava explodindo. O que esta acontecendo...? Cof, cof! A fumaça estava quase estabilizada quando as coisas voltam a ficarem claras. Sua visão, ouvido e equilíbrio restaurou completamente, soltando um suspiro estupefação, seus olhos ficaram com a cor de um profundo cinza quando a retina espantou com o impacto da paisagem na sua frente.

Vigas. Do tamanho de ônibus e ate maiores que caminhões, estavam em pedaços e outras inteiras. Espalhadas no campo, arquibancadas destruídas e camarotes, saídas de incêndio e outras portas para fora foram todas bloqueadas. Tenma começou a respirar mais depressa. O resultado da soma da equação toda é uma destruição completa... Quem pode ter nos deixado isso acontecer? Não. Tentaram nos matar... Kageyama... Palpitações no coração. Os treinadores falaram-nos dele como uma caracterização de um homem perverso e da corporação do próprio mal, isso já aconteceu há vinte anos e veio tornar-se novamente... Assassinato ao invés de exploração... Talvez tenha finalmente alcançado seu objetivo... Calor e suorEndo-treinador, Kido-treinador, Haruna-san, Goenj -san... Todos seus amigos... O cheiro da morte dos ferros... Está amaldiçoado se for passar isso novamente... O gramado começou a ficar borrado nos olhos de Tenma.

Você é patético, você ainda vai continuar matando seus amigos com revolução de velhos caducos que não dão a mínima pra você. A voz de um louco passou a tomar conta da mente de Tenma com sutileza e tranqüilidade. Posso ter roubado a infância, explorado seus sofrimentos, destruído seus corpos, seus sonhos e esperanças. Mas nada vai chegar perto da sujeira das suas mãos com as minhas. Você esconde seu passado com amargura, desesperado que nenhum de seus amigos o descubra. Você imita pessoas normais trabalhando e sendo fiel aos seus companheiros, sendo uma pessoa que você não é... Você é uma pessoa solitária. E vai continuar matando seus amiguinhos porque lá no fundo prefere morrer com eles.

Não matei ninguém ao contrário de você... Tirou as pessoas que eram mais caras para mim.

Você escolhe entre vantagens invés amizade. Desconfiança invés incerteza. Fugir invés amar. Mais cedo ou mais tarde vai se tornar o que me tornei.

Assassino

"...Não sou...como você..." Kageyama sorriu escárnio.

Ainda continua fugindo dos sentimentos que o trouxeram pra cá, seu lugar é perto de mim.

"...morreram..." Como se não consegue ter força pra devolver de volta um outra sensação pesado interrompeu.

Uma mão fria e áspera pousou no meu ombro, segundo um braço torcido, cheio de fuligem e olhos exaustos construíram uma imagem, Tsurugi.

"Não se preocupe, ninguém morreu." Sua voz era muito severa, baixa e clara, estava cheia de cansaço mas nada abalava sua voz firme e confiante. Talvez tenha sido o susto ou a sensação automática pra não vê-lo debilmente fraco, ergueu-se rapidamente. Claro que era péssima idéia quando tudo fica borrado, não pode ficar em pé, não pode conversar com Kageyama na cabeça, não pode ser sintomas de suicídio...

Seu corpo vacilou como a dormência começou a arrastá-lo depois das grandes ondas de alívio. Seu tronco veio pra frente, ameaça seu corpo ferozmente pra não puxá-lo pra inconsciência.

Braço quente o segurou fortemente. Agradeceu Tsurugi mentalmente, pra não chamar ninguém ou dizer que ninguém está morto e impedir de ficar na beirada de uma crise nervosa...

"...E - Estou bem..."

"Respire devagar. 1,2,3..." E Tsurugi começou a inspirar e expirar enfrente de Tenma, forçando-o a ficar sentando. Além de constrangedor, era irritante. Não estava em pânico! Tsurugi levantou o rosto do Tenma cuidadosamente com o mesmo olhar critico que deixava moreno enjoado, continuava fazer o exercício de respiração, enquanto seu olhar firme e preocupado deixou nada mais que a sensação de culpa embrulhasse seu estomago de pedra. Kageyama tinha razão, ele era solitário... Não seria nada sem eles.

"Está tudo bem?"

"Tudo bem."

"Consegue ficar de pé?"

"Acho que sim." Levantou. Mas com olhos amarelo atentos e preparados pra segura-lo se cair novamente.

"Para de ficar me olhando assim já disse que vou ficar bem..."

"Você tem sangue saindo na sua cabeça, Idiota."

Andamos ao redor pra sermos tratados contra a nossa vontade, depois distribuir esparadrapo e água quem não conseguia se levantar. Depois que todos estavam hidratados. Reunimos ao redor do Hikaru, Kirino e Shindou que conversavam bem afastados dos outros.

"Desgraçados! Chamaram-nos aqui foi uma isca. Era uma execução do quinto setor."

"Não... Eles só têm controle de 60% dos jogos ate agora, não podem ter feito isso sozinho. Tiveram ajuda de dentro pra liberar o campo há essa hora e os treinadores não está aqui, ainda ta dando interferência."

"Bloquearam o acesso de comunicação do estádio."

"Shindou, os ferros bloquearam todas as saídas de emergência. Não pode ser coincidência.

"Então ninguém sabe que estamos aqui?!"

"Precisamos manter todo mundo calmo ate a ajuda vir."

Depois que Kirino deu a declaração final não conseguiu conter a incerteza pra poupar a ansiedade dos outros.

Você e um capitão de merda que não serve pra nada.

"Nada."

"Tenma?"

"Huh?" Depois dos olhares confusos, a teoria vem: será que a pancada foi forte demais?

"Hum-hum, q-quero dizer, o Tsurugi tem razão. Mas poderíamos verificar as janelas do banheiro... Ou..."

"Tentar jogar uma bola pela janela com um bilhete! - exclamou Hikaru. Parece que a lista de ideias-que-voce-tem-quando-esta-desesperado esta completa.

Depois do silencio entre a gente, estava-me sentindo cada vez mais idiota.

"...brilhante! As meninas falaram que temos água e salgados suficiente pra ate seis horas. Enquanto isso vamos dividir em equipes pra procurar saídas e jogar quantas bolas fossem o suficientes pra fora do estádio.

Pareceu sem noção no início, mas bola que não faltava e distraiu muita gente pra não pensar que poderiam estar vigiados ou serem mortos num piscar de olhos, pelas mesmas pessoas misteriosas que os mantém presos como ratos.

Enquanto os assistentes e Shindou, Sangoku, Kirino reunidos planejavam o abastecimento, os mais fortes como Amagi e Kurumada, tentavam remover os destroços que bloqueavam as saídas, os resto dos jogadores habilidosos arremessavam bola e dividia em dupla pra procurar ferramentas ou suprimentos espalhados por ai.

No banheiro feminino As janelas também estava lacradas, mas Midori e Tenma se concentraram em procurar objetos suspeitos.

O que o Shinsuke havia fofocado no meu ouvido no inverno passado, não para de me fazer sentir como um pateta. "Até ela sabe que você não presta." Não que o seu ouvido seja pinico, mas ela e a equipe merecem o mesmo garoto. Shindou inegavelmente era melhor do que ele, mas achava que tinha sido nomeado capitão por alguma razão.

Habilidade(X),Lideranca(X),Confianca(X),Coragem(X)

Era só a ponta do icebergue, alem de estar numa sinuca de bico todo mundo me odeia uns tempo pra cá. Você é uma bosta como capitão! Nós perdemos por sua burrice... Dá licença pode ser contagiosa. Se não fosse pelo Shindou te daria um sopapo bem no meio da cara. Eu só sou preguiçoso demais pra ser covarde, pessoal, entendem por favor.

Queria só procurar um lugar bem íngreme pra me jogar mais tarde, mas sou preguiçoso.

Se alguém morrer seria a minha culpa, precisava encontrar qualquer coisa que os tire dali, uma porta, uma pedra, ferramenta, faca... Tropecei aos lados dos vasos absurdamente limpos, mas os lixos felizmente não eram.

"Matsukaze? O que você esta fazendo?" com pouco azedo na boca, nem eu sabia direito.

"Procurando alguma coisa, vidro, alfinetes, faca, garrafas, qualquer coisa... Cadê..." Em cada lata de lixo verificava cada vez mais desesperado. Não poderia falhar quando todo mundo esta contando com você. Tsurugi disse alguma coisa, mas nem de ouvi. Estava com vergonha demais pra olhar, deve esta sentindo repugnância, nojo, você e sujo. Já olhei em tanto lixo pra tirar a fome que realmente não me importava, mas fazer isso na frente dele (...). Olha só gente! Nosso capitão enfiando a mão no lixo de papel de bunda! Ele é taaaão corajoso.

Depois de seis latas, a única coisa que tinha achado foi um foto de uma grota com biquíni.

Ela estava bronzeada na praia numa posição atraente olhando provocativamente na foto. Fiquei com tanta raiva que queria rasgar aquela foto em pedacinhos e fazer aqueles malditos que nos trancaram aqui engolir, depois defecar e engolir de novo cada pedaço. E gritar o quanto sou inútil e admitir que estivesse flertado por aquela foto.

Senti sendo balançado por um rosto preocupado olhando pra mim.

"Quie?"

"O que está acontecendo com você?"

"Nada."

"Desde que isso tudo começou você está estranho. Não fala mais, esta afastando todo mundo e não anda comendo."

"O que fiz pra você ficar me vigiando assim? Se ta caçando homem, esse peixe já têm um anzol."

Ela riu. "Sério? Até Shinsuke não é idiota pra perceber que você tem problemas... Ah, não, você tem problema. Já vi você treinando até desmaiar, desafiar poderosos, agüentar pressão enfrente de uma platéia num estádio e aprender a direcionar uma equipe pra vencer."

Surpresa estampou o rosto do atacando, dando ao lugar de duvida e levantou sugestivamente a sobrancelha.

"Nossa, estou tocado! Nunca fui tão admirado por ágüem desse jeito... E-Eu não sei o que dizer..."

"Seja sarcástico e debochado, mas isso só está distanciando a diferença entre Aoi e você."

"E agora você está fazendo isso por ela." Comentou indiferente, quando a ruiva ignorou e continuou a aproximar-se de Tenma.

"Ela é egoísta, Tenma, só se importa com a aparência, vive humilhando você, gosta de demonstrar que ela tem um dedo no jogador mais forte da Raimon." O moreno Já podia sentir o cheiro intoxicante da ruiva, misturado com roupas limpas e terra." Tenho que suportar todos os dias ela enlaçando sobre você como uma cobra, odeio isso." A ruiva respirou mais depressa, olhando sonhadora para o peito de Tenma.

"Consigo sentir que você tem uma certa obsessão de mim."

Ela sorriu. "Ficaria surpreso que virei assistente de time só pra vigiar você de perto?"

"Também consigo sentir que quero virar um canalha perto de você." Ele atacou diretamente a boca da ruiva enlaçando seus lábios quentes aos dela, depois arrancando seus suspiros quando explorava seu pescoço deixando sua marca registrada. Levantou-a bruscamente sobre a pia queixando-se da maldita saia que a ruiva usava. Até Aoi facilitava essa parte.