E então tudo se tornou demais para suportar e Ressler com o rosto lavado em lagrimas se levantou desajeitadamente do sofá e foi em direção á cozinha, chegando lá ele abriu o armário esquerdo superior e tirou uma caixinha de primeiros socorros, abrindo-a ele retirou todos os frascos de comprimidos de dentro e esvaziou uma a uma em cima da ilha da cozinha, quando terminou ele arrastou os pés descalços na madeira fria do apartamento até o armário do lado oposto e pegou um longo copo com água e o encheu com água da torneira, não se importando em fechar a torneira por completo e então ele encheu a mão esquerda com o máximo de comprimidos que ele conseguiu pegar com uma mão e o copo de água com a mão direita. Ressler engoliu os diferentes comprimidos e bebeu água, não se importando com a água que escorreu ao redor de sua boca e molhou a camiseta preta, depois de beber o suficiente ele colocou o copo meio vazio em cima da ilha ao lado dos comprimidos que ainda sobrou espalhados, ele então se redirecionou para a sala com o corpo instável e sentou-se novamente no sofá ao lado de seu telefone. Donald então começou a se sentir tonto e sonolento, mas antes de fechar os olhos ele se assustou com o telefone vibrando no sofá e imediatamente a imagem de Liz estava na tela, e ela era a ultima pessoa em quem ele queria pensar enquanto vivo então ele pegou o telefone com os dedos desajeitados e sem querer atendeu a chamada porem o celular caiu no chão, ao lado da mesa de centro, mas Ressler já estava muito próximo da escuridão e simplesmente se enrolou em uma bola no sofá. Momentos depois ele começou a engasgar com a própria saliva e choro, foi quando ele caiu do sofá e ficou entre o mesmo e a mesa de centro, agora se asfixiando com a saliva em excesso que estava na sua boca.

Liz chegou em casa cansada da viajem ao hotel para se encontrar com Red, mas de certo modo feliz, independente se Red é ou não um criminoso, ele continuaria sendo seu sangue e isso significava que ela não seria mais sozinha na vida, sem mãe, sem pai, sem historia (Mesmo com Red sendo um filho da puta como só ele consegue ser) e por um momento ela sentiu alivio. Depois de liberar a babá ela pegou Agnes no colo á beijou e á alimentou, a babá só estava encarregada de banha-la antes de sair, então Liz seguiu para o seu quarto e se jogou na cama. E então ela sentiu um sentimento de perda, de falta, em todo esse filme ela quase não falou com Ressler ou sequer o viu e então ela decidiu ligar para ele e ver como ele estava e no que ele estava trabalhando nesse tempo de 'Férias'.

O telefone tocou quatro vezes antes de ser atendido e então Liz iniciou a conversa.

"Hey Ress.." mas a ligação estava muda e ela pensou por um segundo que poderia ser a operadora ou Ressler já estivesse dormindo, afinal já passava das 11:00PM, mas Liz não o imaginava dormindo á essa hora pois eles estavam de férias e mesmo em dias rotineiros Ressler só dormia depois de 12:00PM. Então ela continuou.

"Ressler você está ai?" foi então que ela ouviu os engasgos vindos de longe e em seguida um alto banque, isso a desesperou, algo não estava certo com Ressler, então ela tentou de novo.

"Ressler... Ai meu Deus, Ressler." Ainda não conseguindo resposta, ela se levantou e correu para a sala para buscar a sua bolsa e ao mesmo tempo avisar a babá que precisava correr, mas antes disso ela pediu o telefone da babá para ligar para a emergência já que o dela estava ainda em chamada com o telefone do Ressler.

"JANE...JANE..." Liz correu para o quarto de Agnes e Jane a olhou alarmada.

"O que aconteceu?"

"Eu preciso do seu celular. Rápido." Jane a entregou sem entender nada e então Liz discou o numero e Jane caiu na real.

"Eu preciso de uma ambulância no Delaware Avenue bloco 8 4B, eu não sei o que está acontecendo mas ele parece estar asfixiando."

"Okay senhora, uma ambulância estará no seu endereço d minutos."

"Okay."

"Se você estiver com ele agora deite-o de lado e o faça expelir toda a saliva acumulada."

"Eu estou á caminho da casa dele." E com isso Liz devolveu o celular de Jane e correu para a casa de Donald, levaria cerca de 7 minutos se ela pegasse transito então ela resolveu cortar caminho entre as ruas e chegar lá em 3 minutos com risco de ser parada pela policia, mas seria por uma causa justa.

Liz estacionou o carro em frente ao bloco de Ressler e subiu pelas escadas para não esperar pelo elevador, com a chave mestra que ela ganhou de Sam quando jovem na mão ela abriu a porta do apartamento de Ressler em velocidade recorde e encontrou o apartamento completamente escuro, iluminado apenas pelas luzes da cidade, visíveis pela cortina aberta e o cabelo do Ressler mexendo conforme o corpo batia no chão. Liz ligou as luzes e imediatamente afastou a mesa de centro para longe e viu uma trilha de saliva e espuma saindo da boca de seu parceiro, ela imediatamente virou o corpo dele de lado para tentar retirar o fluxo de espuma e em seguida seguiu para avaliar os batimentos cardíacos, ela chamou por ele, mas logo parou e então quando não sentiu nenhum pulso ela o virou novamente de costas e começou a fazer a RCP enquanto a ambulância não chegava. "Vamos Ressler. Por favor... Acorda."

2 minutos depois dois paramédicos surgiram na porta e simplesmente entraram Liz já em meio as lagrimas de desespero se levantou enquanto os paramédicos o engajavam em um monitor cardíaco. Marcava 46bpm ele quase não estava vivo, mas pelo menos tinha pulso então eles começaram a trabalhar para liberar as vias aéreas, Liz não conseguia mais ver essa tortura então ela se tocou do barulho ao redor e viu a torneira aberta, ela correu para ir fecha-la e encontrou os medicamentos no balcão. Ela simplesmente não queria acreditar e correu de volta para a sala onde os paramédicos estavam sugando a espuma da boca de seu parceiro, momentos depois ele engasgou varias vezes e os paramédicos correram para coloca-lo em uma maca e voar para o hospital. Liz desceu o elevador junto com eles e se juntou ao banco de trás da ambulância, segurando a mão de Ressler que agora tinha uma intravenosa em sua mão e uma mascara de oxigênio presa ao rosto para lhe fornecer oxigênio.