Oie, bem-vindos! Essa fanfic é fofinha, para deixar o coração quentinho e nos fazer apaixonar ainda mais pelo casal Jily! Tem muuuita música, então se preparem e um draminha também hehehe!

Se atentem as datas, são importantes!

Boa leitura!

31 de julho de 2008.

A família Evans estava terminando de empacotar as caixas, já que em alguns minutos iriam se mudar para Godric´s Hollow, uma pequena cidade perto da movimentada Londres.

Ela era calma, acolhedora, aquela típica cidade do interior em que todo mundo se conhece, e é por isso que Richard e Helena Evans resolveram deixar tudo para traz e criar suas filhas em uma cidade menor.

Por mais que Londres tivesse (quase) tudo que precisavam, o essencial ela não tinha: paz e tranquilidade. As garotas Evans, Petúnia e Lily, eram crianças e como todas as outras, queriam correr, brincar, fazer amigos. Porém, com pais que trabalhassem tanto, isso era impossível.

Em Londres não existia isso de deixar seus filhos na rua até tarde para brincar, de mandá-los a pé ou de bicicleta para escola. O perigo era constante, e os Evans sabiam que as filhas sofriam por terem que ficar trancafiadas o dia todo, já que não podiam sair sem supervisão.

Dessa forma, quando Richard se perdeu na estrada quando faziam uma viagem em família para Brighton, e eles se encontraram em uma cidade minúscula para passar o fim de semana, o encanto da família foi visível. Helena colocou uma nova meta de vida em seu planner: mudar para Godric´s Hollow.

Os planos foram começando aos poucos a sair do papel: Helena iria montar uma floricultura por lá e Richard conseguiu uma vaga para trabalhar no Saint Mungus, o maior e único hospital da cidade, em que ele atuaria como pediatra.

A despedida dos avós foi muito sofrida para Lily e Petúnia, que tinham o costume de passar todos os finais de semanas com eles, mas o consolo foi fácil: a viagem de uma cidade para outra durava apenas três horas, de modo que a visita pudesse se tornar constante.

A última caixa foi fechada e colocada no caminhão de mudanças, enquanto os Evans entravam no carro para seguir viagem.

A vida deles definitivamente mudaria a partir daquele momento, e Lily, a garotinha de sete anos que chorava no banco de trás depois da despedida de Dorcas, sua única amiga, não fazia a menor ideia do quanto as pessoas de Godric's Hollow significariam para ela, especialmente um certo garoto com um sorriso charmoso, um óculos engraçado e cabelos bagunçados.

02 de agosto de 2008.

-Lily, seu quarto ficou pronto! Vem aqui! –gritou Helena para sua filha mais nova, que subiu correndo para o cômodo.

-Mãe! Ficou lindo! –exclamou a garota, olhando ao redor do novo quarto.

Em Londres, eles viviam em um pequeno apartamento com dois quartos, um para o casal, e o outro para as duas filhas. Contudo, em Godric´s Hollow tudo era mais barato, de forma que foi possível para Helena realizar o sonho de ter uma casa grande, com quatro quartos (com suíte), um escritório, uma sala de TV e de estar, uma enorme e acolhedora cozinha e o principal: um grande jardim.

O quarto de Lily foi todo pintado de bege, exceto pela parede que ficava atrás de sua cama de casal, que tinha um papel de parede infantil florido. Ela tinha uma pequena escrivaninha para fazer seus deveres, uma estante de livros infantis, um mural de fotos com a sua família e amiga Dorcas, e um baú grande para guardar seus brinquedos.

O quarto tinha três portas: para entrar e sair do cômodo, a de seu banheiro e a de seu closet, que estava cheio de vestidos e shorts jeans.

-Mãe! –exclamou –Eu e a Petúnia estávamos olhando na janela dela e vimos que os nossos vizinhos estão em casa! Podemos ir conhecê-los, mamãe? Por favor? –a senhora Evans riu.

-Querida, temos que terminar a mudança. Estamos aqui há três dias e só terminamos seu quarto, o da sua irmã e a cozinha.

-Eu posso ajudar a arrumar! Aí vamos terminar mais rápido e podemos conhecer as pessoas!

-Tudo bem, meu amor. Que tal você ajudar o papai a arrumar o escritório? –os olhos verdes vivos da pequena brilharam.

-Sim! Você vai ver, mamãe, eu vou ajudar muito e vamos terminar rapidinho! –a mulher ruiva, de olhos castanhos riu novamente.

-Então vamos!

05 de agosto de 2008.

-E...pronto! –respirou Richard, aliviado. –Ainda falta um detalhe ou outro da decoração, mas o essencial está no lugar.

-Eu não acredito que terminamos –suspirou Helena, se jogando no sofá ao lado do marido –eu só quero deitar e dormir até ano que vem.

-Mamãe! –chamou a filha mais nova do casal –Terminamos tudo? Podemos conhecer nossos vizinhos? Por favor?

-Oh, Lils, terminamos, mas a mamãe e o papai estão cansados, e precisam descansar um pouquinho –interferiu Richard.

-Mas a mamãe prometeu! –exclamou, com as bochechas coradas de irritação –Tem uma menina que mora aqui do lado, papai, ela é linda e parece muuuuuito legal. Eu acho que vamos virar melhores amigas! Eu posso brincar com ela? Por favor?

-Amor, eu já te disse que quero conhecer a vizinhança antes. Ver se os pais dessa menina são legais, se ela é uma boa companhia...-disse Helena.

-Mas mãe! –dessa vez a revolta veio da filha mais velha, Petúnia, que tinha olhos e cabelos castanhos, diferente da irmã ruiva de olhos verdes –eu e a Lily estávamos olhando na janela e parece que a menina tem uma casinha na árvore! Não é justo que a gente fique dentro de casa e ela brincando!

Os pais se entreolharam, suspirando a batalha perdida.

-Ok, então nós vamos fazer cookies e levar para nos apresentarmos, que tal? –falou Richard, olhando para as duas meninas, que sorriram –Então vão lá para cima tomar um banho com a mamãe que eu faço a comida.

As crianças deram um gritinho de alegria e subiram correndo puxando a mão da mãe.

Logo depois, os cookies ficaram prontos e estavam todos de banho tomado indo em direção aos vizinhos da casa à esquerda.

-Eu posso tocar a campainha? –perguntou Lily, com os grandes olhos brilhando.

-Pode, amor –respondeu Richard, rindo.

-Olá! –cumprimentou Lily quando uma mulher de aproximadamente 40 anos abriu a porta.

Ela era alta, esbelta, de cabelos ondulados e pretos, que batiam na metade das costas. Tinha olhos cor de mel e era linda.

-Eu sou a Lily –continuou a pequena ruiva –tenho sete anos e sou sua nova vizinha! Esses são meus pais. –apontou para o casal, que balançou a cabeça em cumprimento –Para mim, eles são papai e mamãe, mas você pode chamá-los pelo nome –apontou para os dois, respectivamente –Richard e Helena. E aquela magricela grudada na perna da minha mãe...

-LILY! –gritou Petúnia, envergonhada.

-É Petúnia, minha irmã. –continuou como se não tivesse sido interrompida -Ela é mais velha, tem oito anos já! É quase uma mulher! –a mulher sorriu, segurando o riso.

-Olá, Lily –a mulher se abaixou, para ficar na altura da garotinha empolgada –eu sou Juliet Mckinnon, e eu moro aqui com o meu marido e a minha filha, que tem a mesma idade que você. Quer conhecê-la?

-Oh, mamãe, eu posso?

-Claro, querida –riu a senhora Evans. –Desculpe chegar assim no meio da tarde, mas a Lily estava insistindo nisso desde que chegamos, semana passada. Trouxemos cookies! –estendeu a cesta para Juliet.

-Oh, não precisava! Desculpe, iríamos dar as boas vindas para vocês, mas chegamos de viagem há poucos dias e estávamos tentando organizar tudo por aqui –sorriu sem graça, pegando a cesta –Venham, entrem! –a família Evans passou pela porta –PAUL! LENE! VENHAM AQUI!

-O que foi, meu amor? –perguntou um homem saindo de um cômodo que parecia ser o escritório. Ele era alto, tinha aproximadamente 1,90m, com o cabelo castanho e incríveis olhos azuis.

-Esses são nossos novos vizinhos, os...desculpe, qual o sobrenome de vocês?

-Desculpe, não nos apresentamos formalmente –riu Richard –eu sou Richard Evans, essa é a minha esposa Helena, e as nossas filhas, Petúnia e Lily.

-Oh, é um grande prazer conhecê-los –se adiantou o senhor Mckinnon.

-Mamãe? Você me chamou? –perguntou uma garotinha da altura de Petúnia, que tinha longos e ondulados cabelos pretos, como os da mãe, a pele morena e grandes olhos azuis, iguais aos do pai.

-Oh, querida, esses são nossos novos vizinhos, os Evans! Essa é a Lily e a Petúnia. Lily tem a sua idade.

-Oi! –disse Lily, animadamente, se adiantando –eu sou a Lily, tenho sete anos e essa é a minha irmã que é quase uma mulher, ela já tem oito anos! –os adultos seguraram a risada –eu estava te observando da janela de Túnia! Você tem uma casa na árvore muito legal!

-Obrigada! Eu sou a Marlene, mas se você virar minha amiga, pode me chamar de Lene! Eu também tenho sete anos! Você vai estudar comigo?

-Você estuda em Hogwarts? –a morena assentiu –então sim! Eu estou muito ansiosa pro segundo ano, a Túnia disse que a gente vai aprender a fazer conta!

-Sério? –perguntou, dirigindo-se a Petúnia, que saiu de perto da mãe e foi se juntar a elas –deve ser muito legal! Aí a gente vai poder comprar sorvete sozinhas!

-Em Londres, onde a gente morava, eu amava ir para a sorveteria com a minha vovó! Aqui tem sorveterias também? –perguntou Lily.

-Tem só uma –falou Lene, pensativa –mas é muito legal! Tem mais de 10 sabores de sorvete! Tem até de chiclete!

Lily arregalou os olhos.

-Chiclete? Eu nunca experimentei esse! Eu adoro chiclete Bubbaloo, o melhor é o azul, mas meu sorvete favorito é o de chocolate.

-Lene –chamou Juliet –que tal levar as duas para brincar na casa da árvore com você?

-Vamos! –disse animadamente, puxando as duas para o jardim. –Vocês já conhecem mais alguém daqui? Eu tenho um monte de amigos, mas a maioria está viajando.

-Ainda não –disse Petúnia –mas pela janela da Lily nós vimos que um garoto mora na casa do outro lado! Ele deve ter uns 10 anos, tem um monte de brinquedos e um vídeo game!

-Ah, ele tem sete! É o James, meu amigo! Ele está viajando com os pais para a Disney! Ele me prometeu que ia comprar um monte de presentes! Vocês querem algo de lá? Acho que posso ligar para ele, aí vocês podem ganhar presentes também!

-Ele está na Disney? –perguntou Petúnia, arregalando os olhos –Ele é rico?

-Petúnia –repreendeu Lily, que embora tivesse um ano a menos, era considerada mais madura –isso foi rude!

-Desculpe –murmurou acanhada.

-Eu não sei o que é rico –falou Marlene, subindo na casa e ajudando as duas a entrarem também –mas isso parece chato. Ele não é chato!

-Não, rico quer dizer que a família dele tem muito dinheiro –explicou Petúnia, com um olhar de maturidade.

-Ah –falou Lene, pensando –não sei se a família dele tem muito dinheiro –deu de ombros –querem brincar? Eu tenho Imagem e Ação aqui!

12 de agosto de 2008.

-Lene! –gritou a senhora Mckinnon para a filha que brincava com Lily na casa da árvore –nós temos que ir para a casa dos seus avós, querida!

-Já vou, mãe –respondeu, dando um abraço em Lily –eu volto na segunda!

-Eu sei –suspirou pesadamente –eu queria que você ficasse!

-Eu também, mas eu não vejo meus avós desde julho! Vou ter que passar o final de semana com eles e a minha prima chata, a Emme.

-Eu vou ficar com saudade! –Lily sorriu tristemente –principalmente agora que a Petúnia descobriu que tem umas meninas da idade dela na rua de trás e fica me tratando mal.

-Ela só quer fingir que é mais madura, brigando com você na frente delas.

-O que é madura?

-Eu não sei –Lene franziu o cenho –mas a mamãe disse que a Emmeline fica tentando ser mais madura, por isso que ela não brinca comigo –deu de ombros –deve ser coisa de meninas quase mulheres.

-É, eu não quero ter oito anos –suspirou Lily.

-Acho que nem precisa ter oito. A Emme tem sete e já está assim!

-Marlene! Vamos! –quem a chamou dessa vez foi o senhor Mckinnon.

-Tchau, Lily –elas se abraçaram novamente.

-Tchau, Lene.

Lily suspirou pesadamente ao voltar para a casa. Parou, contudo, quando um cachorrinho veio correndo em sua direção. Era um Shih Tzu filhote, branquinho com manchas em marrom.

-Oi, como você é lindo –se abaixou para acariciar o pelo do cão.

-SNUFFLES! CADÊ VOCÊ? –berrou um garoto um pouco mais baixo que Lily, de olhos castanhos esverdeados, cabelos extremamente bagunçados, e magricelo –Oh.

-Oi, eu sou Lily –se levantou para cumprimentar o menino –e esse deve ser o seu cachorro. –o menino sorriu.

-É, o nome dele é Snuffles, acabei de ganhar do meu pai. Ele é lindo, né? –pegou o cachorrinho no colo, que lambeu o rosto dele –eca, Snuffles! –Lily riu.

-Ele está dizendo que gosta de você –o menino assentiu, focado no cachorro. –Onde você mora?

-Ali –apontou para a casa à esquerda da de Lily –e eu sou o James, a propósito.

-Oi, James –riu Lily, se abaixando para acariciar o pelo do animal quando James o colocou no chão –eu sou sua nova vizinha então.

-Ah, você é a filha dos Evans –Lily anuiu, mesmo que não tenha sido uma pergunta –eu voltei de viagem agora há pouco.

-A Lene me disse que você estava na Disney.

-Oh, eu estava indo para a casa dela agora! O Sirius não voltou de viagem ainda e o Remus está meio doente esses dias. –Lily o olhou com curiosidade.

-Quem são Sirius e Remus?

-São nossos amigos de Hogwarts. Você vai estudar com a gente também? –Lily concordou com um aceno.

-A Lene está indo passar o final de semana na casa dos avós, eu estava voltando da casa dela agora mesmo –o menino suspirou.

-Que pena, eu queria mostrar Snuffles para ela. Eu tenho que dar um banho nele, você quer vir junto? –apontou para a cerca da própria casa.

-Claro! –disse animadamente –E como foi a Disney? Minha amiga de Londres, a Dorcas, foi para lá ano passado e amou! Me mostrou um monte de fotos super legais com as princesas!

-Eu não tenho foto com as princesas, mas se você quiser, eu te mostro as fotos das montanhas russas. Eu já tenho altura para ir nas perigosas –disse com orgulho.

-Eu quero! Meu sonho sempre foi ir para lá! –pulou animada, brincando com o cachorro.

-Eu te levo um dia, eu prometo –James não soube exatamente de onde aquilo tinha vindo.

Porém, assim que ela abriu um enorme e brilhante sorriso para ele, ele viu que faria de tudo para que aquele sorriso permanecesse em seu rosto.