Pela manhã, a primeira coisa que eu fiz, antes mesmo de levantar, foi testar uma rima para trazer uma roupa para perto de mim.

Quando consegui, senti o baque que foi essa realização.

Eram sete horas da manhã, eu havia acabado de acordar, e feito um feitiço com sucesso!

Testei trazer agora, minha calça jeans para mais perto.

Depois, foi a vez do sapato, a garrafa d'água, do morango...

Eu realmente, realmente era uma bruxa. Eu realmente, realmente não havia ficado louca. Eu realmente, realmente tinha irmãs e amiga, sereias. Eu realmente, realmente, tinha uma fada guardiã.

Eu estava oficialmente mudando de vida a partir daquele instante, e não pude ficar mais feliz com essa constatação.

Fui para a escola com um sorriso quase rasgando meu rosto, sem conseguir me conter de animação.

Eu era uma bruxa! Tinha poderes mágicos, mas não podia conversar com Sophia sobre isso, infelizmente. Torci para que ela não notasse minha mudança súbita de comportamento, porque sabia que entre proteger o Mundo Mágico e contar a ela meu segredo, eu teria que escolher o outro mundo.

Era minha responsabilidade como parte dele.

Distraidamente, saí do banheiro da escola, esbarrando em alguém no corredor, e nos fazendo cair no chão.

Era um garoto, bem bonito por sinal, que parecia envergonhado. Nunca tinha o visto, então imaginei que pudesse ser novato. Não sabia o nome de todos do colégio, claro, mas já havia visto seus rostos pelo menos uma vez, então seria fácil de reconhecer.

Seus cabelos eram loiros, cheios de cachos, que eu admitia ter tido vontade de passar a mão e tinha olhos castanhos escuros, que me olhava fixamente ao dizer:

-Desculpe, não era minha intenção, foi um acidente.

-N...não tem problema. –droga, por que eu tinha que gaguejar?

Eu fico nervosa na frente de garotos bonitos com muita facilidade, infelizmente.

-Tem sim, me desculpe. –fez questão de repetir, enquanto se levantava e estendia a mão para me ajudar.

Garoto educado.

-Me desculpe também, saí apressada do banheiro e nem te vi –falei, enquanto aceitava a mão estendida.

Ele me lançou um sorrisinho amarelo e continuei:

-Você é novato, certo?

Ele sorriu, enquanto confirmava com um aceno na cabeça.

-Sou, meu nome é Jonathan Colin, prazer.

Ele estendeu a mão novamente, desta vez para um cumprimento oficial, e eu a apertei, dizendo logo em seguida:

-Meu nome é Skylar Cameron, e o prazer é todo meu. De que turma você é?

"O prazer é todo meu". Sério, Skylar, tem como você ser mais oferecida?

Pensa antes de falar, menina!

-Segundo ano, e você? –respondeu, me jogando uma outra pergunta em seguida.

-Nossa, que coincidência, também sou.

"Que coincidência"? Que tipo de coincidência é um garoto novato, mais ou menos da minha idade, estar na minha turma?

Nenhuma, Sky, nenhuma!

Era óbvio que ele ficaria ou no segundo, ou no terceiro ano!

Respirei fundo, depois de me repreender mentalmente e trocamos sorrisos.

Jonathan me pediu para eu o acompanhar até a sala, pois não sabia exatamente onde era, e eu o fiz. Fomos conversando pelo caminho, e notei que ele era bem simpático.

Chegando lá, novamente alguém que eu não reconheci inicialmente, me abraçou de surpresa.

Mas dessa vez não era Sophia, e sim um garoto, já que tinha os ombros bem mais largos, os braços bem mais fortes e muito mais altura que eu e Sophia, juntas.

Percebi pelo cabelo escuro e encaracolado que era Nick, Nicolas Swan.

Rapidamente, como reflexo, o empurrei para longe de mim, que se afastou sem resistência. Logo após, ele riu, achando graça da minha atitude.

Babaca.

-Do que está rindo, Swan?

-Nada não, loirinha. –respondeu, tentando controlar as risadinhas.

-Não me chame assim! –briguei, começando a me irritar.

Ele era a única pessoa do mundo que conseguia me tirar do sério com apenas uma palavra.

"Loirinha", puff. Quem ele pensava que era?

-Tudo bem, meu amor. –piscou para mim, charmosamente.

Revirei os olhos, sem me conter:

-Você me irrita! –falei simplesmente, cruzando os braços em frente ao peito, na defensiva.

-E você me ama. –afirmou, sorrindo largamente para mim.

Só nos meus maiores pesadelos, ele quis dizer.

Entendem quando eu digo que ele é insuportável?!

-Amo, ao contrário. –girei os olhos. –Agora, me deixe em paz.

-Um dia você vai me amar, Sky, um dia. Guarde minhas palavras –ele deu uma piscadinha.

-Você diz isso desde o oitavo ano, e isso nunca aconteceu, e não é agora que isso vai mudar.

Ele fez uma careta, enquanto enfiava os dedos naquele cabelo perfeitamente cacheado.

-Quem é ele? –perguntou, olhando agora para o Jonathan.

Ok, eu havia esquecido que tínhamos companhia.

O quanto Nicolas Swan consegue me tirar de órbita, não está escrito. E não é no bom sentido.

-Jonathan Colin, esse é o IDIOTA do Swan. Swan esse é o Colin. –fiz as devidas apresentações.

-Oi, tudo bem? Sou novato e a Cameron está me ajudando na adaptação –Jonathan disse, sorrindo.

Vi pelo canto do olho, Swan fazer uma careta desgostosa, antes de dizer:

-Huum. –resmungou –Bom, minha loira, nos vemos por aí. Tchau Colin.

Ele me lançou um último sorrisinho e saiu da sala.

-É seu namorado? –perguntou Jonathan, logo depois que Nick se afastou.

Ele não ouviu a parte que eu o chamei de idiota, não? Como poderia ser meu namorado?!

-Não. É um idiota, imbecil e babaca. –ressaltei –Que infelizmente estuda conosco. Nem liga pra ele, não. Vem, vamos arrumar um lugar para você.

A aula passou rapidamente, e de longe pude ver que Colin e Soph não tiravam os olhos de mim.

A Sophia ô já esperava, mas o Jonathan?

Quando fomos para o primeiro intervalo, Sophia me chamou e disse que precisava conversar urgentemente comigo:

-Como assim, você arrumou um namoradinho e não me contou? –ela perguntou raivosa.

Já estão fazendo fofoca? É o segundo dia de aula!

-O quê?

-Não se faça de desentendida, sei muito bem o que andou fazendo antes da aula, mocinha! Ajudando o novato, né? –sorriu maliciosamente para mim.

Tivemos uma conversa e já estão especulando sobre um futuro namoro?

Era só o que me faltava!

Pelo menos, distraiu a Sophia de enxergar qualquer segredo que eu estivesse escondendo dela.

-Ah, isso! Saí rápido do banheiro e esbarrei nele, ficamos...

Os olhos dela se esbugalharam, me fazendo ficar assustada. O que eu disse de errado?

-Ficaram? Skylar Cameron, me conte tudo. –pediu, boquiaberta.

Ai gente, a menina nem me deixou terminar de falar e já saiu tirando conclusões precipitadas.

-Não! –falei rapidamente e a vi tentando disfarçar o alívio.

Ela queria ou não que eu ficasse com ele?!

-Sua doida! Ficamos CONVERSANDO, só –ela assentiu, compreendendo –Ele é legal, sabe puxar assunto... –dei de ombros –Poderíamos ter conversado mais, só que o Swan interrompeu tudo. –bufei.

-Ah, qual é? –ela revirou os olhos –Vai me dizer que não gosta do Nick?

-Nenhum pouco. –falei de cara fechada.

Como eles eram melhores amigas, ela tinha uma vontade enorme de nos juntar. Tentou mais de uma vez, e sem ser nada sutil, por sinal.

Quando notou minha carranca, acrescentou rapidamente:

-Deixa para lá, então. Olha, eu tinha combinado de conversar com o Rob, então daqui a pouco a gente conversa mais –deu um beijo na minha bochecha e foi atrás do namorado.

Avistei meu melhor amigo, Theodore, de longe. Estávamos há alguns dias sem conversar, e eu sentia falta de sua companhia.

Me aproximei nervosa da mesa que ele estava sentado, pois ele não estava sozinho.

O quarteto bagunça, seus melhores amigos, estavam todos na mesa junto a Aline, minha amiga e irmã do Lorcan, um dos garotos do grupo. Ela conversava com um Swan nada interessado, que tentava disfarçar sua cara de tédio com o falatório dela.

Infelizmente, eu o conhecia bem o suficiente para conhecer suas impressões faciais.

Anos de convivência diária, ai ai.

Theo estava de costas pra mim, então, fui sem fazer barulho e coloquei minhas mãos em seus olhos. Percebi pelo canto do olho que Swan enrijeceu, Lin soltou uma risadinha (ela vive me dizendo que eu e o Theo um dia vamos ficar juntos) e Brook riu da cara do melhor amigo (Swan).

-Como assim meu melhor amigo não vem me cumprimentar depois de ficar três semanas sem me ver? –questionei.

Ficamos três semanas sem nos ver, porque fomos ao parque de diversões todos juntos (Nicolas Swan, Logan Brook, os gêmeos Meadows, Sophia, Rob e Gabriella Pucket, que é a garota que Theo gosta há mais de um ano) e logo após, ele viajou, tendo voltado há menos de sete dias.

Ele riu, e aí tirei minhas mãos de seus olhos.

Levantou e me deu um abraço de urso, aquele bem apertado mesmo.

-Ham-ham –Swan limpou a garganta –desculpe interromper o casal aí, só que tem como vocês se agarrarem em outro lugar? –o ciúme em sua voz era nítido e isso me fez revirar os olhos.

O garoto fingia gostar de mim há tanto tempo que seu ciúme vinha de maneira natural já.

-Nick, já te falei mil vezes que eu e a Sky somos só amigos, ok? –Theo disse calmamente –Ela é toda sua. –completou.

-Poxa, Theo. Até você vai ficar contra mim? –perguntei chocada.

O soltei rapidamente, o fuzilando com o olhar.

-Não estou contra você, estou a favor. –ele afirmou, com convicção.

-Me jogando para o lado dessa aí? –vi pelo canto do olho, Swan revirar os olhos –Não vejo como.

-Nossa, loira, assim você me magoa. –disse em um tom falsamente ofendido, colocando a mão no peito dramaticamente.

-Como se você já não estivesse acostumado. –debati.

-Verdade, Skylar –Logan entrou no meio da conversa–Você é bem esquentadinha, será que tem TPM todos os dias?

Logan Brook é o amigo mais próximo de Nicolas, e faz parte do quarteto com Lorcan, irmão gêmeo de Aline, Nicolas e Theo, meu melhor amigo.

Logan também era o mais atrevido, que gostava de me ver irritada, mas não dava em cima de mim como o Swan.

-Claro que não –disse Swan, indignado –Ela tem que me dar um tratamento especial, já que sou o futuro-marido-e-futuro-pai-dos-filhos-dela. –Lin bufou.

-Você não é nada disso! –eu e Aline exclamamos em uníssono.

-Não é o que meus instintos dizem –disse Theo, risonho.

Ele estava engraçadinho demais hoje, hein?

-Como assim? –eu perguntei, sem conseguir segurar a língua.

O que os instintos dele tem a ver com qualquer coisa?

-Está na cara que você vai virar a senhora Swan, Sky –Theo disse –e você Meadows, você não, Lorc –ele revirou os olhos para o amigo, que tinha franzido a sobrancelha –Sua irmã. A Meadows vai tentar se vingar da traição da amiga, e depois de um tempo vai se conformar e ir atrás de um cara rico e popular novamente.

Todos nós o olhamos, em choque, por um tempo.

Theo era o mais fofo de todos eles, extremamente sensível e nada grosso como foi agora.

O que tinha acontecido com ele nessas férias?!

-Em primeiro lugar, Thodore Russo –Lin falou, nervosa, apontando o dedo para a cara dele.

Não era para menos, afinal, ele tinha a ofendido diretamente, dizendo que ela era infantil, só se importava com aparência e dinheiro e ainda por cima, que eu roubaria o "grande amor da vida dela".

-Eu não ligo só pra dinheiro e popularidade –o quarteto revirou os olhos e eu tive de segurar a risada, porque estava bem claro que era mentira.

Aline era uma pessoa doce, sensível, carinhosa...mas em relação aos garotos, ela realmente só se importava com isso. E foi algo que ficou claro em todos os últimos relacionamentos dela, que acabavam porque o cara havia mentido sobre o carro dele, a casa de praia ou alguma besteira assim.

Porém, isso não dava a Theo o direito de ofendê-la daquela forma.

Olhei de esguela para Lorcan, e vi que ele olhava para baixo, provavelmente tentando se decidir se ficaria no lado do amigo ou da irmã.

Eu gostava dele, mas a falta de personalidade me incomodava.

Eu não teria pensado duas vezes antes de defender minhas irmãs, independentemente da razão.

-Em segundo lugar: quem te disse que eu gosto do Nicolas? Conversar com um garoto não significa necessariamente que eu estou loucamente apaixonada, então deixa de ser babaca. Em terceiro lugar: a Sky nunca poderia ficar com o Nick, já que gosta de outro –eu arregalei os olhos e Theo e Nick engasgaram-se com a própria saliva –e em quarto lugar: fui –e saiu atropelando todos que estavam na frente.

De repente quatro pares de olhos viraram-se pra mim, o Theo foi o primeiro a se manifestar:

-Como assim gosta de outro? Skylar Cameron, você está a fim de alguém e não me contou?

-Não nos contou –Swan corrigiu-o.

Desde quando eu tinha que dar satisfação para aquele garoto ridículo?!

-Eu não estou a fim de ninguém, tá? Ela só falou isso porque deve ter escutado aqueles boatos idiotas. –revirei os olhos.

-Quais boatos, Cameron? –perguntou Brook, entediado.

-Uma bobagem aí. –eles ainda me olhavam com olhos pidões –aff! Eu estava levando o novato pra sala porque ele não sabia o caminho. Só isso. Deixem de drama, por Deus! –completei.

-Ah, é isso! Que susto que você me deu, hein loirinha linda do meu coração. –disse Swan, aparentemente aliviado.

-Eu não sou sua loira linda, Swan. –briguei, corada de raiva.

-E cara –Logan chamou o amigo –não fala essas coisas, não. "Loirinha linda do meu coração?", que breguice é essa? Você está pedindo de joelhos para ser zoado, você sabe.

Nicolas teve a decência de ficar sem graça.

-Desculpe interromper...er, Cameron, será que você pode me mostrar onde é a biblioteca? –virei-me depressa e me deparei com um Jonathan Colin sem graça.

-Por que não pede pra um garoto te levar, cara? –perguntou Swan, incomodado.

Me virei apenas para fuzilá-lo rapidamente com os olhos, e depois me voltei para Jonathan:

-Ah, tudo bem, eu só...-ele falou, começando a corar.

Percebendo que Swan deixou o menino embaraçado, interrompi sua fala:

-Não tem problema algum te levar lá, Colin. Tchau, garotos. –dei um beijo na bochecha de Theo –Olha só, independentemente de ser verdade ou não, você foi rude com a Aline e ela não mereceu isso. Vá falar com ela, e pedir perdão, ok?

-Mas Skylar...

-Você foi grosseiro, Theodore –cortei –E a magoou. Seja uma pessoa decente e peça desculpas.

-Eu fui babaca mesmo, né? –ele suspirou, batendo a mão na testa –Cara, eu preciso falar com ela.

-Precisa mesmo –concordei –Agora, vamos, Jonathan.

Sorri e saí conversando com o novato.

Assim que o sinal bateu, voltamos para sala. Fiquei bem próxima do Jonny, somos quase amigos agora e ele me pediu pra chamá-lo assim.

Entrou uma outra garota na minha sala hoje, chamada Eva. Tentei conversar com ela, mas me pareceu bem reservada e não tivemos muito assunto. Entretanto, com o Swan foi outra história.

Ela pareceu meio encantadinha e tentou puxar papo mais de uma vez.

O que as garotas veem nele? Ok, já sei, ele é bem bonito e como joga no time da escola (é o capitão) e é bem forte também.

Mas ainda assim...esse pacote não compensa a babaquice.

Quando cheguei em casa, logo fui abrir o Magix Anne, o livro encantado que os Conselheiros me entregaram e eu não havia aberto até então.

Era um livro bem grosso, mas extremamente útil, que explicava detalhadamente cada feitiço, a forma correta do movimento das mãos e a pronúncia complicada.

Lily veio me visitar no final da tarde, pedindo que eu a encontrasse com as meninas na biblioteca novamente.

Mamãe, com certeza mais do que absoluta, estava desconfiando da minha relação com minhas irmãs, afinal, brigávamos com muita frequência. Eu usei a desculpa do amadurecimento e blá blá blá, que a deixou estranhamente animada.

-Agora começando, vocês precisam treinar muito. –discursou a fadinha –Desculpem a sinceridade, mas vocês todas precisam dominar os poderes de vocês o mais rápido possível, para que não sejam pegas de surpresa por algum ser das Trevas. Vocês estão muito atrasadas em relação as demais sereias, meninas e não conseguiremos esconder para sempre a idade verdadeira da Escolhida, Sky. Você precisa estar pronta para o que der e vier. Todas vocês precisam.

Acenamos, concordando com a sua fala.

Precisávamos mesmo dominar qualquer poder que houvesse dentro de nós.

O medo, a excitação com essa nova vida e a emoção ao perceber que eu estava conseguindo, me fizeram treinar utilizando todas as minhas energias.

Eu nunca tinha feito tanto esforço físico e mental na vida!

Depois de alguns minutos ou horas de treinamento, eu não sabia dizer ao certo, ouvi alguns passos, logo atrás de mim.

Olhei desconfiada naquela direção, porém, aparentemente não havia ninguém.

Balancei a cabeça, em negação e continuei a treinar o feitiço de dominação ao lobisomem transformado na lua cheia, que demandava muita energia.

Até que ouvi novamente esses passos.

Seguindo meus instintos, disse às meninas que precisava ir ao banheiro.

Encontrei então, as nossas espiãs:

-Espionar é muito feio, sabiam? –ergui a sobrancelha para elas.

Eram Anna, Julie, Isabel e Daniella: nossas vizinhas do condomínio também. Elas eram um pouco mais novas que o trio de sereias que estava dentro da biblioteca, e assim como aquelas três haviam formado o próprio grupinho, essas quatro formaram o delas.

Claro, não havia nenhuma briga entre os dois grupos, era só questão de afinidade mesmo.

Anna, envergonhada com o flagra, começou a se desculpar:

-Desculpe Sky, vimos vocês saindo pra cá e queríamos saber o que estão aprontando.

-Aprontando? Quem, eu? Lógico que não, eu não aprontaria nada, ok? –disse tentando disfarçar o nervosismo.

Por que eu tinha tanto problema em mentir?!

-Tudo bem, talvez não estejam aprontando, mas o que estão fazendo? –perguntou Isa, levantando a cabeça para ver melhor.

-Não estamos fazendo nada demais. Só uma pesquisa, ora. O que faríamos na biblioteca? –falei, encarando-as de forma debochada.

Deboche.

Boa maneira de esconder a mentira, Sky. Está começando a pegar o jeito da coisa.

-Exato. Ninguém vem a biblioteca, por isso é suspeito. Emma e Megan odeiam ler e estudar, esqueceu? –lembrou-me Dani.

Girei os olhos, sem me conter.

-Não, não esqueci! Por isso, está na hora disso mudar o hábito. Elas precisam tirar boas notas nas provas, senão ficarão sem celular por dois meses –inventei.

-Dois meses? –Anna me olhou chocada –Mas elas passaram direto ano passado!

-Passaram, mas algumas notas ficaram meio raspando, lembra? –Julie disse, entrando na mentira e me tirando daquela furada.

Boa, garota. Me ajudou sem nem saber.

-Ah, é mesmo –Isabel acenou –Bom, faz sentido. Bons estudos!

As quatro viraram de costas, prontas para sair, mas pararam quando:

-SKYLAR! SKY! TUDO BEM AÍ? –ouvi Lily gritar, dentro do biblioteca.

Droga, péssimo timing, fadinha! Péssimo!

-Já estou voltando, Alice –avisei, antes que ela viesse conferir –Está tudo bem.

-Tudo bem –ela respondeu, em tom de voz normal agora.

-Quem era? Com certeza não é a voz das meninas –disse Isa, ficando na ponta dos pés para observar.
-Minha amiga, da escola...é...ela veio...Hum...estudar comigo.

-Está com dificuldade nos estudos também, Sky? Logo você? –perguntou Dani, surpresa –Você sempre tira notas ótimas.

-Não estou –girei os olhos –mas ela não está entendendo uma matéria super complicada de química. Estequiometria, querem aprender? –sorri alegremente para elas.

Elas engoliram em seco, se entreolhando.

-Não, acho que vai ficar para a próxima –Anna sorriu amarelo –Meus pais falaram que eu tinha que voltar cedo para casa hoje.

-Os meus também –disseram as outras três, em uníssono.

-Que pena –lamentei dramaticamente –Bom, se precisarem, o convite permanece, viu?

-Obrigada, mas acho que não será necessário –riu Julie –Vamos?

As quatro saíram rapidamente, me deixando aliviada.

Era só dizer "química" que elas saíam correndo. Eu poderia ter dito isso antes!

-O que aconteceu? Por que demorou tanto? –perguntou Megan, quando voltei para o lugar do treino.

-Eu ouvi um barulho estranho e fui conferir o que era –dei de ombros.

-Você ouviu um barulho estranho, não avisou a ninguém, e saiu sozinha para investigar? –Lily questionou, me olhando com raiva –Skylar, qual parte do "você é a Bruxa Escolhida" que você ainda não entendeu? Seres das Trevas estão e caçando de todos os lugares do mundo!

Estremeci, sabendo que ela tinha razão.

-Desculpa, eu não pensei nisso –fiz uma careta –De qualquer forma, eram só as meninas do condomínio. Foi só as chamar para estudar que elas saíram com o rabo entre as pernas –zombei.

-É a cara de Anna fazer isso mesmo –riu Bella.

-Não importa, Sky. –Lily falou, agora com mais suavidade –Sua vida está constantemente em risco, ok? Não precisamos que você piore sendo irresponsável desse modo. Quando ouvir algo assim, avise que iremos juntas tentar resolver. É para isso que eu trabalho.

Assenti, arrependida.

-Você tem razão –corei, me envergonhando da minha própria estupidez –Pode deixar que não vai acontecer novamente. Preciso lembrar que a minha realidade agora é outra.

-Obrigada –ela respirou aliviada.

Assenti, engolindo em seco.

Acho que ser a Bruxa Escolhida não é tão perfeito assim, afinal. Abriria mão, de certa forma, da minha liberdade para viver com medo e desconfiança.

Precisava fazer isso valer a pena.