Dedico este fic ao meu grande amigo Silverglade.

"…" – Fala.

'…' – Pensamentos.

*§*§ – Flashback.

Corações Partidos

Capítulo I

Hong Kong…

"Eu sinto muito!" – ela terminou de falar de cabeça baixa. E ele continuava a olhar para o nada, estava assim desde o momento em que ela pronunciou aquelas palavras e agora se sentia arrependida. Amava-o como a um irmão, agora entendia. Na realidade há alguns anos descobriu quais seus reais sentimentos, mas o carinho que o primo sente por ela a impedia de conversar sobre isso. No entanto, tudo mudou no dia anterior, quando seu verdadeiro amor admitiu amá-la também.

Teria que desmanchar o compromisso que tinha com o primo; teria que dizer-lhe – 'Não posso me casar com você!'.

Ergueu os olhos rubis, observando o jovem com o olhar perdido à sua frente. Os olhos geralmente brilhantes se encontravam agora sem vida. Daria qualquer coisa para saber o que se passava na mente do primo. Voltou a abaixar a cabeça. Na verdade, não daria, não!

Ele respirou com certa dificuldade e finalmente saiu de seus devaneios, olhou a figura cabisbaixa que estava a sua frente. Mei Ling era linda, cheia de energia, sempre trouxe alegria para sua vida. Os longos cabelos negros soltos cobriam-lhe os olhos cor de rubi que ele tanto adorava. Sabia que o carinho que sente pela prima é mais do que amizade, maior do que sentimento que tinha por suas irmãs também. É o mais precioso de seus sentimentos, mas Mei Ling não queria aceitá-lo. Levanta-se ficando de costas para ela.

"Por quê?" – pergunta se voltando nervosamente para fitá-la, com um aperto no peito – "Eu fiz algo de errado?… Te desrespeitei?… Fiz algo que te magoou?" – ela balança negativamente a cabeça.

"Não,… não Xiao Lang…" – ela senta olhando-o firmemente – "a culpa não é sua!… Eu apenas percebi que não poderei lhe fazer realmente feliz,… o que eu sinto por você não é o que eu pensei que fosse,… não é o que eu devo sentir por meu marido!" – respirou fundo e viu o primo se ajoelhar à sua frente com um terno sorriso.

"E quem é o homem de sorte que tem seu amor?" – ela se espanta, durante toda a conversa escolhera bem as palavras para que Xiao Lang não descobrisse que havia um 'outro'. Diante da hesitação em que Mei Ling se encontrava, sentou ao seu lado e segurou uma de suas mãos – "Pode falar… eu só quero saber o nome dele,… não vou fazer nada contra ele, não se preocupe!…" – sorriu gentilmente passando a mão no cabelo da prima que estava sobre o ombro – "Sabe que o que mais quero é sua felicidade e me sentiria muito triste se apenas descobrisse tarde demais que não posso fazê-la realmente feliz!".

Ela sorriu diante a sentença que ele acabara de falar.

"Ele se chama Chun Hui,… nos conhecemos há alguns meses,… ele é médico e escreve lindas poesias nas horas vagas…" – ficou vermelha ao se flagrar falando entusiasmada. Xiao Lang sorriu e deu um beijo no rosto dela antes de se levantar, olhou para a prima e a advertiu em tom de brincadeira.

"Diga ao Sr. Hui que se não a fizer feliz darei uma surra nele!" – a garota concordou com a cabeça e ele se voltou para sair, olhou para a prima por cima do ombro – "Irei falar com os anciões hoje,… avise-o que assim que eu voltar de férias ele será apresentado a nossa família!".

"Você vai sair de férias?" – pergunta estranhando. Há três anos que a tia vinha tentando convencê-lo a descansar, mas nunca teve êxito.

"Acho que vou seguir o conselho de minha mãe,… estamos com alta produtividade e temos projetos para mais de três meses…" – olhou para a prima virando o corpo – "acho que meus cunhados não conseguirão levar a empresa à falência se me ausentar por um mês ou pouco mais,… não é?" – virou-se de costas e se colocou a caminhar enquanto uma única e solitária lágrima escorria por seu rosto.

Hong Kong… (duas semanas mais tarde).

As malas de Xiao Lang estavam sendo colocadas no carro. Sua mãe e sua prima estavam na porta para despedir-se dele.

Doía no peito do jovem ver que a ex-noiva estava mais feliz agora que seu compromisso estava desfeito. Deu um beijo no rosto da mãe e na prima, entrou no carro e partiu.

As duas mulheres na porta conversavam apreensivamente vendo o carro se afastar.

"Será que ele ficará bem, Tia?" – perguntou preocupada.

"Não se preocupe tanto,… Xiao Lang é forte… vai superar…" – sorriu entrando na mansão seguida pela sobrinha – "e tenho certeza que essa viagem fará muito bem a ele!".

"Ele me disse que iria para o Japão,… mas não disse em que lugar…" – a mulher de cabelos e olhos negros olhou a sobrinha um pouco constrangida.

"Eu sugeri a ele que fosse para as montanhas esquiar,… ou a um Hotel Fazenda,… mas conhece meu filho não é?… Ele foi para onde ninguém vai no inverno!" – balançou a cabeça – "Foi à praia!".

Enquanto isso em Tomoeda…

Uma bela garota de olhos verdes e cabelos caramelo, presos em uma grossa trança, esperava aflita por alguém em uma mesa para duas pessoas. Olhava esperançosa para a porta sempre que esta se abria, mas 'ele' não aparecia. Olhou no relógio. Quase uma hora de atraso.

'Ele não se esqueceria, não é mesmo?' – sentiu um aperto no peito, chamou o garçom e pediu a conta. Não esperaria nem mais um minuto. Pagou e levantou, indo embora.

Nevava na cidade, há três dias que a neve caía sem parar. Em outras épocas estaria sorrindo por simplesmente ver a casas da vizinhança cobertas de branco, mas não agora.

Abriu a porta da casa amarela tirando o pesado casaco azul-celeste que vestia.

"Já cheguei…" – anunciou sem nenhum ânimo. Adentrou o corredor e viu seu irmão encostado à parede com os braços cruzados.

"Ele não apareceu de novo, não é?" – perguntou bufando. Ela respondeu negativamente com a cabeça – "Eu sabia!… Você está bem?" – ela ia responder algo, mas a campainha tocou.

"Já vai!" – Sakura abriu a porta e deu um sorriso ao ver quem estava ali – "Hatsumi!" – ia abraçá-lo, mas o rapaz se afastou.

"Sakura,… nós precisamos conversar…" – olhou para o irmão mais velho da garota – "Podemos dar uma volta?".

Ela ficou preocupada com a expressão que o namorado mantinha no rosto. Olhou indecisa para o irmão, voltando a fitar o namorado. Ele estava com os cabelos negros molhados pela neve, os olhos azuis estavam inquietos e ele não a encarava e os lábios finos estavam levemente contraídos. Concordou com a cabeça em acompanhá-lo, pegou o casaco e saiu sem se importar com o irmão que ralhava da porta.

Continua…

N/A – Olá!… Eu estou muito feliz por estar trazendo mais esse fic. O primeiro capítulo ficou bem curtinho, eu sei disso, mas não se preocupem, eles vão, inevitavelmente, aumentar conforme forem se passando.

Eu gostaria de agradecer, primeiramente, a Kath Klein (até parece que ela vai ler isso), mas é que a idéia para o começo dessa história veio da nota final de 'Apenas com irmãos', onde ela disse que: Mei Ling levou um pé na bunda do Shaoran. Eu concordo e decidi mudar um pouco a situação. Infelizmente a chinesinha vai ter uma participação mínima na trama, mas eu gostei de fazer o Li levar 'um fora'.

Eu também quero agradecer minha amiga Miaka Hiiragizawa (valeu pelo apoio!), Felipe S. Kai (você sabe!) e a pessoa que teve paciência de revisar os capítulos de 'Corações Partidos': Rosana (valeu mesmo! Estou esperando pela segunda parte de SB, certo?).

Eu acho que é só isso… Beijos e até o próximo capítulo…

Yoruki.

Disclaimer – Eu não tenho direitos autorais sobre os personagens de CCS, para meu grande infortúnio.

Propaganda: Leiam 'Angels of Paradise', um fanfiction em parceria entre a Miaka e eu!…