DISCLAIMER: continuo não sendo dona da fic ou dos personagens nela utilizados. ((Patrixa))

- Prólogo da 2º parte

Todos os x-men estão velando a memória de uma amiga num local do jardim da mansão que foi reservado para o descanso eterno da mutante Elisabeth Bedrock, mais conhecida como Psylock.

Narrador: E uma semana já se passou, mas os x-men não conseguem entender como sua amiga pôde ter tido a vida arrancada tão cedo e daquele jeito tão sem sentido...

Bishop: Alguém sabe onde tá o coitado do anjo?

Gambit: Da última vez que eu o vi, ele tinha acabado com a vódka do professor. Agora então que ele não aparece aqui há uns dias..., quem sabe?

Subtamente, talvez levada pela emoção do momento ou simplesmente por uma simples indisposição, Vampira vê o chão sumir de seus pés e sua vista escurecer. Cai no chão ao lado da cruz.

Tempestade: SOCORRO! A Vampira desmaiou!

O que está acontecendo neste momento com a telepata Jean Grey Summers também não é nada bom. Seus poderes e previsões a enganam... Erram de avaliação, a deixam confusa...

Narrador: Não, Jean, não se engane. Não pode ser... você sabe que isso é impossível... Talvez se fosse outra pessoa, mas não com a Vampira...

Jean: Meu Deus!

Scott: O que foi, querida?

Jean: Nada. Não foi nada, Scott... Com certeza é a emoção do momento que está me causando... "idéias absurdas"?

Narrador: Não é "absurdo". Um telepata nunca se engana, ele sabe quando existe uma vida dentro de outra vida. Ele sente como se estivesse vendo...

2º parte

3 meses depois...

Narrador: Será que mesmo depois de 3 meses os x-men não percebem o que é óbvio?

Vampira está lanchando na beira da piscina ao lado de Gambit e Jubileu.

Gambit: Mon amour, pára de comer isso! Você já está com uma barriguinha não muito sexy.

Vampira: Eu devo estar com algum problema na tireóide, engordando um pouquinho sem motivo... Quem dera que fosse...

Gambit: Mon cuer, se não fosse você, eu até dira que está grávida...

Vampira: Ha, ha! Que idéia! Ha,ha,ha

Jubileu: Ha, ha, ha! Cara, Gambit! Essa eu queria até ver um dia!

Vampira: ...

Jubileu: Desculpa, sem maldade que eu disse isso, Vampira. Numa boa.

Agora Vampira está na parte de trás do jardim, perto da cruz de Psylock. Jean também está lá.

Vampira: O que foi, Jean? O Joe disse que cê tava me procurando...

Jean: É sobre essa sua "barriguinha não muito sexy" que eu quero falar. Esse seu "problema na tireóide" tem alguma coisa a ver com os poderes magnéticos de alguém que você chama de "Joe"?

Vampira: ...

Jean: Vampira, pára de olhar pro chão. Não é assim que você vai me esconder que está chorando.

Vampira: ...

Jean: Vampira, você vai ter que contar para os dois agora!

Vampira: O quê que o Remy vai dizer?

Jean: Vampira! E o Joseph?! O que ele vai dizer se você esconder isso por mais tempo? Sem contar que isso não se esconde mais tempo do que já se escondeu...

Vampira: ... Conta pra ele por mim. Eu.. eu não tenho coragem.

Jean: Pra ele, quem, Vampira?

Vampira: Pro Gambit, é claro...

Vampira está no seu quarto esperando que a porta se abra com um chute violento de um homem alto, musculoso de olhos vermelhos. Espera nervosa pra ouvir as piores coisas da sua vida. ... E a porta se abre. Esse mesmo homem apenas a abre rodando a maçaneta.

Gambit: Chere, aquilo tudo que a Jean acabou de me contar é mentira, não é?

Vampira: Gambit, infelizmente... não.

Gambit: Ah! ... Eu imagino o quanto "infelizmente" deve ter sido pra você.

Vampira: Seu insensível! Com que direito você fala assim comigo? Eu não sou sua mulher pra você me cobrar alguma coisa!

Gambit: Eu, insensível? Você deve ter pensado muito nos meus sentimentos quando transou com aquele desgraçado!

Vampira: Você pode me dizer com quantas mulheres já transou na vida? Com certeza os números são finitos pra contar esse seu récorde.

Gambit: Não inverta a situação! Você sabe que há muito tempo eu não faço isso, justamente por você. Nosso relacionamento era muito mais do que esses prazeres banais. Era amor, Vampira. Eu nunca peguei na tua mão, mas mesmo assim, sou fiel a você.

Vampira: Pra você é muito fácil, né? Já teve todas, mas e eu? Me entenda, Remy. Eu não pude me deter quando ele me tocou...

Gambit: Isso... Narre com detalhes pra que eu me sinta ainda pior.

Vampira: Remy, nunca nada parecido tinha acontecido comigo antes, eu agi por impulso. Você sabe que eu te amo... E que eu não quero que termine assim.

Gambit: Será que eu sei? Será que eu sei mais alguma coisa de você? ... Ele com certeza ele deve ter sido muito bom pra você, está até mudando sua personalidade, mentirosa. Sua mentirosa! Você não me ama mesmo.

Vampira: Remy, volta aqui!

Gambit: Como é que você tem coragem de dizer que me ama?

Vampira: Remy? Volta!

Gambit: Mentirosa!

((FIM DO CAPITULO))

Nossa desculpa se no primeiro capitilo ficou confuso, é que a tirou os tils que eu tinha colocado para separar a minha nota do resto da fic, mas e aí?O que acharam do capitulo?

Tô com preguiça de escrever alguma coisa maior aqui, mas só pra lembrar se enviarem qualquer review vou encaminhar para a autora e o site da Eneida tá no meu perfil (pois é, o link foi escluido quando eu passei pro site.)

Beijos

Patrixa