Era uma noite fria na era feudal a lua cheia mantinha o seu reinado no céu cercada por suas súditas as estrelas e brilhavam tão intensamente que iluminavam toda a densa floresta.

Há dias eles caminhavam por àquela região não querendo se afastar muito para não se perderem de seu mestre. Eles param em um ponto e decidem acampar ali mesmo na floresta, abrigados por grandes e frondosas árvores seculares.

Jaken – Vamos acampar aqui Rin, parece um local tranqüilo.

Rin – Certo Senhor Jaken.

Ar-hu parou em um local próximo para pastar a grama verdinha, Jaken mantinha o hábito das constantes reclamações enquanto retirava alguns objetos das costas de Ar-hu.

- Vou procurar algo para comermos. Informou Rin.

- Naaaão. Disparou o Yokai lagarto.- Eu mesmo vou procurar menina, você fica aqui com Ar-hu, ele irá protegê-la se alguma coisa acontecer a você o Ssssenhor Ssseessssshomaru me mata.

E o Yokai lagarto sai rapidamente se embrenhando na mata. As palavras dele fizeram Rin ficar pensativa, ela se sentou em uma pedra e ficou observando Ar-hu que pastava alheio a tudo."Faz quase três semanas que ele partiu... onde será que está o Senhor Sesshomaru,o que estará fazendo?"

Aproximadamente meia hora depois Jaken retorna com uma caça e algumas frutas, Rin ia acender uma fogueira mas Jaken a impediu.

- Aqui não menina! Vamos mais para dentro da floresta este local é muito descampado, é melhor que não nos vejam. Além disso há um lago mais adiante e é melhor ficarmos perto dele mas não muito para não chamar a atenção de algum Yokai ou animal que venha beber água.

Rin balançou a cabeça em concordância, puxou Ar-hu pelas rédeas e conduziu-o ao local indicado por Janken. Ao chegarem lá fizeram uma fogueira onde assaram a caça e se aqueceram do frio que aumentava gradativamente.

Após a refeição Rin levanta-se e avisa.

- Senhor Jaken, eu vou até o lago.

- O lago? Então eu irei com você.

Ele disse já se pondo de pé e ficando nervoso.

- Não Senhor Jaken! Eu irei sozinha, não sou mais uma criança. Disse Rin convicta.

- Mas o Ssssenhor Sssssesssshomaru disse para eu cuidar de você menina.

- Eu não preciso de cuidados e nem de ajuda para o que eu vou fazer, eu só quero tomar um banho Senhor Jaken. A menina disse com uma carinha cativante.

Diante dessa declaração Jaken não teve escolha a não ser deixá-la ir sozinha, até porque Rin era extremamente teimosa quando decidia algo. Jaken não poderia vigiá-la durante esta atividade Rin realmente não era mais uma criança estava crescendo, tinha então 15 anos e tornara-se uma linda moça. Seus cabelos castanhos cresceram até a cintura, suas feições mudaram de forma que seus traços tornaram-se mais finos, possuía uma boca pequena e bem desenhada, os olhos cor de mel adquiriam uma luz diferente com a maturidade. Sua estatura mediana combinava com seu corpo bonito e bem distribuído.

Antes que Jaken pudesse protestar mais uma vez, Rin pôs-se a caminhar em direção ao lago. O caminho não estava escuro pois a majestosa lua iluminava tudo, ao chegar à margem do lago Rin observou por alguns instantes a maravilhosa paisagem, o reflexo da lua e das estrelas naquele espelho d'água era uma visão e tanto. Ela sorriu ao ter tal visão, aproximou-se da água e experimentou a temperatura com o pé, estava fria como esperado.

Rin deu um pequeno salto para uma pedra que estava parcialmente coberta pela água e começou a despir-se . Desatou o nó da faixa que prendia o quimono azul ao corpo e sem pensar muito mergulhou na água. Sentiu frio a princípio, mas logo o corpo se acostumou à temperatura da água que embora não fosse agradável também não era insuportável.

Procurou lavar os cabelos e o corpo dando-lhes um cheiro bom de flores silvestres, Rin aprendeu com a vovó Kaede a fazer um preparado de ervas para o banho.

Ela ficou ali por alguns minutos e estava distraída quando ouviu uma voz grave e serena atrás de si.

- Imprudente! Ele disse.

O coração de Rin acelerou e rapidamente ela imergiu na água para que pudesse impedir a visão de seu corpo nu e virou-se para encará-lo. Estava envergonhada e extremamente nervosa.

- Sss Senhor S Sesshomaru?!

- Saia daí! Ele ordenou jogando-lhe o que parecia ser uma toalha.

Rin estava muito encabulada, Sesshomaru saltou da pedra em que estava próximo a ela para a margem do lago e continuou a fitá-la impassível como sempre, não demonstrava qualquer perturbação quanto àquela situação extremamente embaraçosa para a garota.

Rin saiu da água lentamente cobrindo com a toalha apenas a parte da frente de seu corpo, e como esta estava molhada ainda era possível ver suas curvas perfeitas. Ela aproximou-se de Sesshomaru com os olhos e a cabeça baixa e o ouviu dizer com a costumeira frieza mas com um tom de repreensão.

- Não devia estar se banhando sozinha aqui, você poderia ser surpreendida por um Yokai frio e impiedoso.

Um leve sorriso apareceu na face da menina, ela compreendia a ironia daquilo que Sesshomaru acabara de dizer e pensou:

"Um Yokai frio e impiedoso."

Ela ergueu os olhos fitando-o ainda constrangida e aproximou-se mais retirando seus pés que ainda estavam na água fria.

Um golpe de vento cortou a noite esvoaçando os belos cabelos cor de prata dele e fazendo com que o corpo da garota se arrepiasse por inteiro. Sesshomaru a olhou dentro dos olhos ela podia se ver refletida naquela íris cor de âmbar.

- Menina tola, veste-se ou ficará doente.

Ele disse friamente antes de virar as costas e caminhar placidamente de volta ao acampamento.

Rin sentiu seus olhos encherem de lágrimas, mas se esforçou para segurar o choro não era mais uma menina como seu senhor a chamava, não tinha que chorar por qualquer coisa. Ficou ali por mais algum tempo tentando controlar suas emoções depois caminhou de encontro a seus companheiros.

O vento tornara-se mais gélido, Rin veio pelo caminho ainda enxugando os cabelos, ao chegar ao acampamento avistou Ar-hu e Jaken dormindo lado a lado tentando aquecer um ao estava deitado em uma espécie de esteira recostado a uma árvore. Rin se aproximou lentamente dele que estava olhando para a lua, sentou-se sobre os joelhos de frente para ele e disse com a voz baixa assim como seu olhar:

- D Desculpe S Senhor Sesshomaru.

Ele voltou seu olhar para ela e a encarou seriamente sem nada dizer. Os olhos da garota voltaram a ficarem úmidos.

- Por favor não fique bravo comigo. A voz saiu trêmula e chorosa.

- Não estou bravo Rin. Ele deu uma resposta direta como de costume, ainda a encarava.

Rin tremia não podia saber se era pelo frio ou pelo nervosismo.

- Não? Ela ergueu os olhos para fitar aquela face sem expressão.

Após alguns segundos de um silêncio quase mortal para a garota que estava a ponto de desabar em lágrimas embora tentasse se controlar, Sesshomaru estendeu a mão para ela que rapidamente atendeu ao chamado deitando-se com a cabeça em seu peito e aninhando-se em seus braços como fazia quando ainda era uma menininha.

Por alguma razão que ela não entendia esse tipo de proximidade foi ficando cada vez menos freqüente à medida que ela crescia, Sesshomaru mantinha uma certa distância dela.

- Eu não vou mais ser tão descuidada, eu prometo. Ela disse erguendo a cabeça e falando ao ouvido dele com a voz ainda trêmula.

Ele não disse nada.

Sesshomaru tinha agora os olhos fechados, mas não estava dormindo apenas pensava. Rin se sentia no céu aconchegada ao corpo dele como a muito não acontecia, podia ouvir as batidas do coração dele e o som da respiração. Sentia o seu cheiro e o calor do corpo que aquecia o seu. O frio aumentaria com a madrugada, mas ela estaria bem protegia envolta pela pele macia e felpuda dele e por seus braços fortes.

Janken emite alguns ruídos enquanto dorme e pronuncia inúmeras vezes o nome de seu amo, o que chama a atenção dos dois.

- Pobre Senhor Jaken, está preocupado com o Senhor.

- Idiota imprestável! Vê como dorme? Se algo tivesse acontecido a você eu o teria matado.

Rin apertou a gola do kimono dele ao ouvir isso, Sesshomaru percebeu sua apreensão e a trouxe mais para junto de si dizendo:

- Durma Rin, amanhã cedo nós vamos embora daqui.

A menina não tardou a adormecer, o Senhor das terras do Oeste parecia relaxado mas estava atento a tudo à sua volta, era simplesmente impossível pegá-lo desprevenido. Enquanto a noite passava o frio aumentava e Rin aconchegava-se ainda mais ao corpo dele. A primeira vez que isso aconteceu foi meio que por acidente, sem querer. Anos atrás Rin ainda era uma garotinha e durante uma daquelas conversas entre os dois em que só ela falava a menina acabou dormindo e como estava ao lado de Sesshomaru acabou reclinando e recostando-se nele, que em uma atitude inimaginável até então a envolveu com o braço deixando-a protegida. Depois dessa ocasião como não houve reclamações por parte dele, Rin sempre que podia ficava bem próxima de seu senhor.

No decorrer da madrugada Sesshomaru tem a impressão de estar sonhando quando recorda a visão que teve aquela noite ao se aproximar do lago. Quando chegou ao local do acampamento avistou Ar-hu e Jaken dormindo e ficou intrigado quando não viu Rin. Teve vontade de chutar o servo imprestável mas não o fez, partiu floresta adentro em busca da menina, podia sentir seu cheiro doce vindo de um local próximo e continuou caminhando.

Ao chegar mais perto do lago ele a viu e seus olhos foram surpreendidos pela maravilhosa visão da doce menina se banhando. Seu corpo e sua beleza que já eram evidentes ficaram acentuados pela luz do luar, os cabelos castanhos brilhavam intensamente enquanto as mechas escorriam-lhe pelas costas e cobriam em parte seus seios.

Sesshomaru sentiu seu sangue de Yokai pulsar mais forte e as batidas de seu coração ficarem estranhamente alteradas. O que estaria acontecendo àquele ser frio e inabalável?

O perfume de Rin o estava inebriando fazendo-o desejar o que não devia. Quando se deu conta do que estava havendo ele rapidamente tentou livrar-se de tais pensamentos e daquilo que parecia um feitiço querendo prendê-lo. Caminhou em direção a Rin surpreendendo-a...

Sesshomaru desperta de seu devaneio e olha para a menina deitada em seu peito, ele acaricia seus cabelos ficando assim até que o dia amanhecesse.

Ao despertar pela manhã, Jaken fica exultante ao ver que seu mestre estava de volta.

- Ssssenhor Sssssesssshomaru ! O ssssenhor voltou...

O grande Yokai abre os olhos e encara o servo com severidade. Jaken ao perceber apressa-se em pedir perdão de joelhos ao seu mestre.

- Perdão Ssssenhor Ssssseesshomaru, por favor me perdoe.

É interrompido.

- Jaken!

- Sim Ssssenhor Ssssseshomaru.

- Cale-se.

Rin despertou com a agitação provocada por Jaken, mas ficou quietinha, não abriu os olhos de imediato queria aproveitar um pouco mais aquele momento.

Jaken ficou surpreso ao perceber que Rin estava tão junto de seu mestre.

"O que essa menina está fazendo abraçada ao Sssenhor Sssseshomaru?" Ele pensou mas achou melhor não dizer nada, sabia o quanto ser questionado desagradava seu mestre.

Rin finalmente abriu os olhos e sem erguer a cabeça ou se mexer fitou a face perfeita de Sesshomaru, pensava em como ele podia ser tão belo, seus olhos a hipnotizavam ao olhar para ele tinha sensações que jamais havia experimentado.

Sesshomaru percebeu imediatamente a alteração nos batimentos da garota e a olhou, ela se surpreendeu e corou levemente abrindo seu doce sorriso.

- Bom dia! Ela disse timidamente.

- Levante-se Rin, nós vamos embora daqui.

A mesma frieza de sempre...

Ela levantou-se calmamente e sentiu o vento frio da manhã balançar seus cabelos, pediu que a aguardassem por um instante e correu até o lago para lavar o rosto, retornando alguns minutos depois e eles voltaram a sua jornada.