Quando os sonhos se tornam realidade

1. Um sonho impossível

- ELYSA! – chamou a voz de uma mulher.

- JÁ VOU! – gritou a rapariga de 11 anos.

A mulher subiu as escadas e abriu de supetão a porta do quarto de Elysa. A pequena atrapalhou-se e a sua cara adquiriu um tom avermelhado.

- Não acredito que estás outra vez a ler o livro do "Harry Potter"! Será que nunca te cansas?! – exclamou a mãe, com um olhar reprovador.

- Mas mãe… Eu gosto tanto destas histórias…

- Mas não precisas de estar sempre a lê-las! As raparigas da tua idade não passam os dias fechadas no quarto a ler livros sobre feitiçaria! Porque é que tu não és mais normal?!

Elysa baixou os olhos. Detestava que a mãe lhe dissesse que não era normal. Só porque ela venerava as histórias do feiticeiro não queria dizer que fosse anormal. Tinha era gostos diferentes das outras raparigas da sua idade. Enquanto as outras raparigas de 11 anos já começavam a pensar em namorados e compras, Elysa esforçava-se por saber tudo o que havia para saber sobre feitiçaria. Todo o dinheiro que ganhava a fazer baby-sitting era gasto em livros sobre magia, feitiçaria, mitologia e fantástico. Não tinha muitas amigas, pois todas as raparigas achavam que ela era "esquisitóide". Mas ela não se importava. Teria sempre os seus amigos feiticeiros…

- Ouve bem o que te digo: ou acabas com essa mania dos livros do "Harry Potter", ou nunca mais te compro ou deixo comprar desses livros que tu tanto gostas – avisou a mãe da menina. Dito isto, saiu do quarto.

Porque é que ela implica tanto com o meu gosto pela a feitiçaria? pensava a rapariga, tristíssima. Bem que me podia deixar ler os meus livros em paz! Só gostava que Hogwarts existisse realmente…

N.A.:

Então, gostaram? Acham que devo continuar? Se não receber reviews não continuo, portanto mandem. POR FAVOR! É tão fácil: basta clicar no "Go" e escrever um pequeno comentário. Não sejam preguiçosos! xP

Este capítulo foi pequeno, mas, se continuar a fic, os próximos serão maiores. É que este é uma espécie de prólogo, portanto, não deve ser muito longo.

bjO,

LyRa