Capitulo 2:

Discussões e Pedidos

James Potter encarou o cortinado em volta de sua cama, ponderando sobre o sonho que acabara de ter. Uma garota com quem nunca falara na vida ("Lily Evans, não era esse o nome dela?") vinha falar com ele e implorar por um autógrafo. Ele não a conhecia muito bem, só sabia que era monitora, mas pela impressão que tinha, ela nunca pediria um autógrafo a alguém. Coisa estranha...

"Bom, foi só um sonho...", ele pensou abrindo o cortinado e se sentando.

O relógio ao lado da cama sinalizava que eram apenas 5:30, muito cedo para pensar em acordar e sair dali. Entretanto, ele não sentia nem um pouco de sono ou qualquer vontade de voltar para cama... Sendo assim, o jeito era levantar-se. Às seis horas, ele já tinha tomado seu banho e se arrumado, descendo para a sala comunal.

Como estavam em meados de dezembro, o sol ainda não tinha nascido e as janelas estavam cobertas pela neve. A lareira ainda estava acesa e, ele pode notar, tinha alguém de cabelos ruivos com um livro próximo a ela. Qual não foi o choque de James ao encontrar Lily Evans tão cedo por ali! Mais chocado ainda ficou quando ela, sem se quer levantar os olhos, falou com ele.

- Potter, eu sei que você está aí. – ela disse num sussurro.

Ele tomou a frase dela como um convite para se sentar, mas ao olhar a ruiva, pode notar pela expressão que não fora um convite. Agora, já estava sentado, não tinha como voltar atrás, na verdade, nem mesmo pensara em voltar atrás, o que ela poderia fazer?

- Lily Evans? – ele perguntou apenas para ter certeza.

Ela apenas o encarou séria, fazendo uma meia careta com a boca (sabe um meio bico, quando se fica sério ou irritado?) que lembrou muito a cara da professora McGonagall. Lembrava tanto a professora, que James riu descaradamente.

- Posso saber qual é a graça? – ela perguntou, o fuzilando com o olhar, mas produzindo um efeito contrário ao esperado: ele riu ainda mais.

- Hum... A chance de te encontrar tão cedo por aqui – ele disse com um sorriso, parando de rir – E o que é isso que você ta lendo?

Lily não parou de encará-lo por um minuto se quer. Ainda o encarando feio, ela falou de modo displicente, como se dissesse o óbvio.

- Romeo e Julieta – completou levantando uma sobrancelha, como se ali residisse a pergunta "por que está querendo saber?"

- Affe! Por que diabos você está lendo isso? – exclamou o rapaz.

- Simplesmente porque eu admiro Shakespeare e o modo como ele pensa – ela falo como se fosse uma pergunta completamente absurda a ser respondida, mas continuou ignorando a cara que James fizera – Ele prova que quando uma coisa tem de acontecer, não há como impedi-la, e que algumas lições só são aprendidas por meio de medidas drásticas, assim como uma terrível tragédia. Além disso, Romeu e Julieta é um dos meus romances favoritos... Duas pessoas tão diferentes e parecidas ao mesmo tempo, mas que não chegam a realmente se conhecer, não se dão esse tempo. Eles se relacionam tão rápido e sem pensar, que acaba em lágrimas... É algo gritante, mas apenas poucas pessoas se dão conta: uma paixão precisa de amizade como base, se não acaba, algumas vezes de forma bem trágica. Você consegue entender isso? – ela disse com um suspiro.

James balançou a cabeça positivamente, embora tivesse se perdido na linha de pensamento dela logo no início. Era incrível como ela conseguia falar tanto em tão pouco tempo...

- Qualquer coisa desde que fique quieta... – ele pensou alto.

Obviamente, ele não queria ter dito aquilo alto, mas as palavras simplesmente saltaram da sua boca sem que ele percebesse. Lily ficou apática, o encarando por alguns segundos, num misto de raiva e indignação. Sentiu uma incrível vontade de gritar umas verdades na cara dele, mas a engoliu e tentando manter a calma, o encarou com um olhar de desprezo.

- Sabe, eu achei que você fosse ao menos decente. – disse num tom claro de decepção.

Com essas palavras, ela fechou o livro, levantou-se e deu as costas para ele, saindo da sala comunal, deixando um James confuso atrás de si. Ele chegou a levantar-se, mas o choque foi tão grande que apenas a viu saindo e sentou-se encarando a lareira, enquanto o sol finalmente nascia. Soltou um palavrão qualquer para esvaziar a mente, aquilo devia ter feito a sensação de culpa ir embora. Irritado, voltou ao dormitório. Afinal, por que Remus, Sirius e Peter poderiam dormir enquanto ele, James, não podia?


Lily sabia que tinha exagerado dessa vez, mas ela realmente odiava como Potter se achava que o máximo com qualquer coisinha, se achava "o popular, o irresistível"... Como ele achava que qualquer um ficaria encantado ao ter uma, ahm... presença, conversa? É, uma conversa com ele, se se podia chamar aquilo de conversa. Ah! Ela não se tornaria mais uma na listinha de conquistas dele, não mesmo, não seria mais uma das fãs malucas do idiota-metido-mor-Potter.

Ela se deu conta, tarde de mais, que estava do lado de fora do castelo em um dia de neve, sem um casaco ou sapatos próprios, ou um cachecol, luvas... Ao menos era sábado e ninguém a veria... "SábadoComo fui esquecer que hoje é sábado…" pensou se dando conta de acordara cedo para nada. E ainda por cima estava agora do lado de fora do castelo em um dia bem frio, mas ela podia agüentar, ela não era fraca. Afinal, era um dia frio após uma tempestade de neve.


- Ela está lá fora sem um casaco se quer, James – disse Remus, balançando a cabeça em desaprovação ao amigo.

James olhou pela janela e constatou que, como sempre, Remus estava certo. O que será que ele tinha feito de tão grave para deixá-la assim? Por que estava se importando tanto com essa situação toda? Ele suspirou fundo.

- E o que eu deveria fazer sobre isso? – perguntou sentindo-se derrotado e sentando-se na cama.

- PEDIR DESCULPAS? – gritaram os três Marotos, até mesmo o bom e velho Sirius.

James ficou em silêncio, sua mente ainda estava presa àqueles magníficos olhos verdes. Ele não conseguia esquecer aquele olhar penetrante, o analisando, parecia que Lily era capaz de ouvir cada pensamento seu. Não se lembrava de ter se sentindo assim antes na vida, ela tinha uma coisa... Uma coisa que ele não sabia explicar.

- Pontas? – chamou Sirius, sacudindo uma mão freneticamente em frente ao rosto do amigo – Você ta legal?

- Ahm? Ah! Sim… Eu só tava pensando… Pensando em umas besteiras aí, nada de mais. – disse meio desconcertado. "Se bem que pensar em Lily, definitivamente, não é uma besteira..."

James não se deu ao trabalho de explicar aos amigos que seus pensamentos eram sobre uma garota em quem ele nunca reparara, até aquela manhã, mas que agora não conseguia parar de pensar. Também não se deu ao trabalho de explicar onde ele estava indo quando, do nada, se levantou da cama e saiu do quarto. Na verdade, nem ele mesmo sabia para onde iria, apenas confiou em seus pés e deixou que eles o guiassem até onde seu subconsciente quisesse.

Entretanto, ele perdeu a confiança quando se deu conta que estava em pé diante de Lily, como um floco de neve que caiu do céu. Havia algo nela... Ele não sabia o que era. Ela respirou fundo e o encarou.

- O quê você quer? – disse ríspida.

- Primeiro, te dar isso – ele respondeu, conjurando um cobertor, que ela aceitou, embora meio contrariada.

- Segundo, eu queria que me desculpasse... – ele disse desarrumando mais os cabelos rebeldes.

- Eu só aceito desculpas sinceras e pedidas com o coração – ela respondeu rapidamente.

- Evans! Qual é... POR FAVOR, me desculpa? Isso é raro, sabia? Eu nunca implorei por perdão! – reclamou o maroto.

Lily o olhou com um sorriso cínico. Era assim que ele queria ser desculpado?

- Cada vez eu gosto cada vez menos de você, Potter – ela disse em tom sarcástico, jogando o cobertor de volta para ele e andando na direção do castelo.

Já distante dele, ela se permitiu refletir enquanto caminhava pela neve. Ele era uma boa pessoa, boa o suficiente para dar o cobertor a ela e sair naquele frio somente para pedir que o desculpasse... Até que James não era tão ruim assim, teve de admitir, e ela nem dissera que o desculpava... Ela balançou a cabeça encarando a porta diante de si.

"Acho que isso não importa mais de qualquer forma", pensou a ruiva.

O que ela não sabia era que importava sim, e muito. Sirius assistira a toda a cena da janela do dormitório e não se surpreendeu nem um pouco quando viu um James furioso entrar batendo a porta do quarto.

- EU JURO QUE NÃO ACREDITO NISSO, Almofadinhas! – ele bufou – Eu falei com ela direito! E ela simplesmente... AAAAAAAAAAAAAAHRG!

James gritou, tentando espairecer. Não obtendo o resultado desejado, somente o olhar assustado de seus companheiros de quarto, ele chutou os sapatos para o lado e voltou para a cama, fechando o cortinado em volta de si. Ao menos tinha algo de bom: era sábado.


N.A.: Eu não recebi ainda uma review se quer... Mas tava lendo a fic da Fezinha Evans e me inspirei para postar logo o segundo capítulo o terceiro já está a caminho! Não sei exatamente quando vem...

Espero que gostem do capitulo, é a primeira fic que escrevo... Então me dêem um desconto xD rs...

Quer fazer uma autora feliz? Aperte aquele botãozinho lindo ali embaixo e me deixa uma review rs