Capítulo 5: Eu Te Amo, Sango

Seguimos para um lugar tranqüilo, que possuía uma bela vista. O Sol, a muito, se pusera, e a lua brilhava no céu, resplandecente, na escuridão da noite estrelada, que estava muito bela, assim como a jovem que eu sempre amei, que se sentava ao meu lado, com a serenidade de uma fada. Seus castanhos e belos olhos encontraram os meus, dando-me, a cada momento, mais esperança. Ela parecia retribuir o sentimento que eu tinha com relação a ela, amor, carinho, saudade...

- Miroku, eu peço desculpas por ter dito tudo aquilo... – Ela me disse, baixando os negros olhos – Eu estava desesperada e acabei falando demais...

- Não, você está certa... Eu fui um idiota... – Eu respondi, triste – Sou um canalha, um tonto, eu nunca devia ter feito isso com você... Eu senti o que sente, todo o tempo, quando me vê com outras garotas, quando a vi perto daquele homem... Peço perdão sinceramente, por fazer aquilo com você. Eu vi o quanto é terrível, eu senti sua dor, e me arrependi de ter cometido tantos erros... Descobri que não posso viver longe de você... Porque eu te amo muito, Sango... Meus sentimentos por você sempre foram verdadeiros, apesar de eu não demonstrá-los corretamente. – Eu parei, olhando nos olhos dela - Eu nunca havia sentido ciúme na minha vida, e vi o quanto é doloroso... Sofri muito, e espero, sinceramente, que já tenha acabado minha dolorosa penitência pelos milhões de erros que cometi.. Mas se não acabou, compreendo o seu ponto de vista, e concordo plenamente...

- Não, Miroku, eu... – Minha amada começou, parecendo sem graça – Também... Não sei viver sem você... Decidi te perdoar porque... Eu te amo demais pra te deixar sozinho... Pra ficar longe de você... Mas, eu quero que prometa que não vai mais agir assim, com relação a mim, que não vai mais beijar qualquer garota, e nem ignorar nosso compromisso, desse jeito.

- Claro, Sango-Chan... Nunca mais vou fazer isso com você... Eu prometo... - Eu lhe disse, sentido-me mais alegre do que me sentia em muito tempo - Ainda quer viver comigo, depois de tudo o que eu fiz pra você... Isto é, quando terminarmos a luta com o Naraku, ainda quer ser minha esposa?

- Quero muito, Miroku.. Muito... - Ela me disse, olhando-me nos olhos, com amor - Eu sempre te amei, Miroku... Sempre vou te amar, não importa o que aconteça... - Me abraçou, e eu a estreitei junto a mim, com carinho.

Apoiei seu queixo com minha mão, delicadamente levantando seu rosto e encarando seus belos olhos. Aproximei meu rosto do dela, devagar, sem qualquer receio.

- Estou livre da penitência, Sango-chan? - Murmurei, com carinho.

- Sim, com certeza, Miroku... - Ela me respondeu, com ternura, aproximando seus lábios dos meus, devagar.

Aproximei mais os meus, e quando, enfim, meus lábios encontraram os dela, senti que minha paixão aumentava, cada vez mais. O elo que nos unia havia fortalecido, minha admiração por ela aumentava, a cada segundo. Ela correspondeu o beijo, ardentemente, aproximando seu corpo ainda mais do meu.

O casal de espiões, que, eu já havia percebido, há muito nos observavam saiu de trás das matas. Kagome sorria, aplaudindo a cena. InuYasha estava com os braços cruzados, fingindo ignorar a cena, mas a observava, de rabo-de-olho. Eu me separei de Sango e sorri, e ela ruborizou-se, envergonhada, apesar de sorrir, também.

Olhei para a bela lua, que testemunhara essa linda reconciliação. A noite estava bonita e estrelada, fazendo-me ainda mais feliz. Nosso compromisso reatado era a melhor coisa que podia acontecer-me, depois de ter sentido tantos ciúmes, tanto receio e medo.

A partir de agora, eu tentaria me corrigir, não beijando outras garotas... Pelo menos, não onde Sango pudesse me encontrar. Mas eu sabia, era impossível me manter longe desse mau-hábito. Aconteceria várias vezes, por causa da minha atração pelos atributos de moças bonitas... Mas, pensei, Sango não dissera nada sobre passar a mão nelas...

Sorri para mim mesmo, pensando na alegria de tê-la novamente, em meus braços, próxima de meu corpo. Ver seu sorriso, que retribuía ao meu, com mesma intensidade e alegria, foi a maior retribuição que eu poderia receber. Agora, observando a luz da lua, senti renovada vontade de destruir logo Naraku, me ver livre daquela maldição, e ter vários filhos com minha amada Sango... Mas eu sabia que isso ainda demoraria muito tempo...

Fim

Término da Fic: 1/10/05

Olá pra todos(as). Essa é minha primeira Fanfic (sem contar com songfics e poesias). Espero que todos tenham gostado Agradeço a todos os leitores e espero pelos coments, viu? Obrigada pela confiança!

Grata a todos os leitores.

Sayonara! ; )

Rosetta