Palavras


Disclaimer

Os personagens da fic não me pertencem, por mais que eu queira, são de autoria da Rumiko Takahashi, todos os direitos reservados, e coisa e tal, e tal e coisa... u.u


Capítulo 1: Meras Palavras

Diante de meus olhos,

Você se aproxima,

Viva, real,

Mas tão distante.

E meu coração,

Descompassado, despedaçado,

Apenas paralisa,

Ao encontrar teu olhar,

Gelado, traído, irado,

Revoltado, por fim.

A tristeza me consome,

E a culpa guia meus passos.

Seria culpa minha?

Havia olhado-me daquela forma,

Por algo que te fiz?

Algumas palavras cruéis,

Rápidas, ressentidas,

Não menos frias que teu olhar,

Que derrete meu coração...

Eu não resisto,

E a puxo para meus braços.

Posso ver a confusão em teus olhos,

E o amor não consumado,

Que antes havia entre nós.

Você se afasta,

Deixa-me lá,

Só, triste, destruído.

Desiludido, magoado.

Dói,

Mas eu sou obrigado a prosseguir,

Por todos, por tudo,

Pelos meus objetivos,

Ainda não cumpridos.

Não é a mesma coisa sem teu olhar,

Sem tua voz, carinhosa,

Que acalenta meus sonhos, meras ilusões,

Sem teu calor,

Sem teu olhar, doce,

Feliz, apaixonado,

Que antes se fazia presente,

Diante de meus olhos.

Sem teus lábios, a me fazer confissões,

Pedir conselhos,

Fazer-me juras de amor, que nunca se cumpriram.

A consumar meus mais belos sonhos,

Tão dolorosos, nesse momento,

E que tristes, sentem falta de ti,

De tua imagem, serena

Que ainda vive em meu coração.

Pensei que meu futuro estivesse lá,

Nas tuas juras de amor eterno,

Nos teus lábios, encostados aos meus,

Naquele terno beijo,

No qual provamos nosso amor, um pelo outro,

Num selo de compromisso eterno,

Aonde unimos nossos corações, num só.

Agora, procuro aconchego,

No simples fato de estar vivo, e você morta.

Tento tirar a culpa de meus ombros,

Tento me livrar das acusações, veementes,

De minha consciência e de meus amigos.

Não é a mesma coisa,

Só Kagome não me satisfaz.

Ela tem sua alma, ela me ama,

Ela é bonita, gentil, e muito boa,

Mas não é você.

Não sinto nela teu cheiro,

Não sinto nela teu calor,

Nos braços dela, não tenho teu aconchego,

Nos lábios dela não encontro os teus,

No olhar dela, não encontro o teu,

Na imagem dela, não vejo a tua.

Sempre procuro nela tuas qualidades,

Procuro nela, a sacerdotisa pela qual me apaixonei,

Desesperadamente, naquela noite, em que a vi,

Ferida, vulnerável, a me desafiar, corajosamente.

Mas ela não é você,

Não tem tua essência,

Não é de meu tempo,

Nunca foi, nem será você...

Não posso amá-la,

Porque não foi por ela que me apaixonei,

Não foi por ela que decidi mudar o rumo de minha vida,

Não foi por ela que lutei, arduamente,

Contra meu próprio coração,

Fechado pro mundo,

Lacrado pro amor.

Foi por ti que fiz tudo,

Foi por ti que sacrifiquei meu futuro,

Que decidi me tornar vulnerável,

Que decidi esquecer todos os problemas,

Pelo simples fato de estar feliz, estando a teu lado.

Mas agora, quando não te encontro,

Sinto como nossos mundos se distanciaram,

Como o brilho em teus olhos se apagou,

Como o brilho de meus olhos, também se apagou,

Em fração de segundo,

Quando você me deixou.

E corro, desesperado, cego,

Pra o colo daquela que quer me apoiar,

Aconchego-me em teus braços,

E me sinto feliz,

Sinto-me perto da alma

Da minha verdadeira amada,

Que é você.

Sinto-me indeciso,

Não posso deixá-la,

Ela me ama,

E eu sei o que é amar.

O desespero me acomete,

As palavras me fazem falta,

Ela me pergunta o que eu sinto por ela.

Seria amor?

O que seria então?

Nunca soube nem saberei explicar,

Estou preso à tua memória,

Que já tem cinqüenta anos,

Atravessados em segundos por minha mente,

Presa àquela árvore,

Aonde você selou meu coração,

Eternamente teu.

Nunca poderei amar,

Não me apaixonarei,

Pertenço a ti, e a mais ninguém,

E meu coração, lacrado ao teu,

Nunca estará em paz sem tê-la perto de si.

E nessa encruzilhada,

Apenas digo que não sei,

Fujo e me refugio

Nas palavras grosseiras, na fala rude,

Onde estou seguro de perguntas.

Angustiado, termino,

Apenas deixando essas palavras,

Meras palavras,

Como símbolo do que senti,

Pra aqueles que não me compreenderam,

Durante todo esse tempo

Darei-lhes a oportunidade de entender meu coração,

Despedaçado, sangrando,

Que morrerá, junto a meu corpo,

Quando o fim, inevitável, me levar

Para o mais perto de ti que poderei estar...

Ass: InuYasha


Olá Pessoal

Como vocês devem ter podido perceber, essa não é bem uma fanfic. Na verdade é uma coletânea de poemas que eu escrevi como se fosse os próprios personagens. Infelizmente, só escrevi dois, então vou dar a fanfic como completa, mas se tiver alguma outra idéia pretendo adicioná-la aqui também

Essa foi a do InuYasha, no capítulo 2 teremos a da Kikyou \o/

Obrigada a todos e espero que tenham paciência para ler o próximo capítulo, porque são poesias bem grandinhas, hehe

Mil beijos

Rosetta