Sakura corria por um bosque denso e sombrio, um frio violento congelava-lhe os ossos, sentia os pés arderem em chamas diante dos cortes pelo terreno rochoso. Ouvia altamente as patas dos animais que a seguiam ferozmente.

Entrou em desespero ao ver um grande lobo negro alcançá-la. Tropeçou e caiu. Fechou os olhos e só teve tempo de gritar...

"SYAORAN!" Sakura acordou nos braços do amigo.

"Acorda Sakura!" Syaoran chacoalhava a jovem que tentava desvencilhar-se dele, ela estava extremamente apavorada.

"O que foi?! " ele encarou uma Sakura em lágrimas.

"De novo Syaoran, eles... querem... me matar!" Ela não conseguia conter os soluços.

"Calma, já passou." ele encarou Sakura enxugando-lhe as lágrimas " Eu estou aqui! Não vou deixar que nada te aconteça!" Syaoran abraçou a jovem que soluçava.

"Premonições"

Syaoran entrou no quarto da jovem com uma xícara de chá de erva doce.

Estava assustado, nunca vira Sakura daquela forma. Não entendeu o significado daquele sonho, mas sabia... algo ruim se aproximava.

"Como foi o sonho?" ele aproximou-se dela terno, Sakura encolheu-se mais.

"Syaoran... esses lobos... querem me... matar!" ela encolheu-se não conseguindo segurar mais um soluço.

Syaoran a afagou terno. "Relaxa... não vou deixar nada te acontecer!" ele a abraçou, mas não deixou de notar a marca vermelha no pescoço dela.

' Droga! ' Ele abraçou Sakura com mais intensidade

A manhã começou atípica na residência dos Li, Sakura acordou cedo e deparou-se com um farto café da manhã ao lado da cama. Syaoran estava no fundo do quarto, sentado em uma bela poltrona branca. Absorto em seus pensamentos ele sorriu ao vê-la encará-lo surpresa.

"O que está fazendo aqui?" ela cobriu-se quase instantaneamente, o rosto corou.

"Esperando você acordar. Precisamos conversar!" ele disse sério.

Sakura o encarou preocupada

"Há quanto tempo tem esses sonhos Sakura?" Syaoran disse pensativo.

"Começou em janeiro, quando decidi vir para Paris, antigamente era pouco nítidos e até confusos, mas agora parecem tão reais... sinto os meus pés arderem. Posso até sentir o tremor da aproximação dos animais... Syaoran, eu não estou ficando louca!" Ela murmurou melancólica.

"Eu sei, e é esse meu medo... de ser uma premonição!"

"Nunca fui sensitiva para isso, Syaoran!" ela o encarou duvidosa.

"Você nunca percebeu"... Eu já havia reparado nisso a um bom tempo.

"Para de brincadeiras!" Sakura começou a ficar assustada.

"Sakura"... Lembra daquele acidente com seu irmão? Você teve um mau pressentimento não foi?

"M-mas Touya sabia que aquela avenida era perigosa." ela começou a ficar confusa.

"Quando seu avô morreu... foi coincidência?" Syaoran a encarou seco.

Sakura já o fitava atordoada.

"Syaoran... foi só coincidência... para de falar besteira!" ela baixou o olhar, algumas lágrimas teimavam em seus olhos.

"Sabe muito bem que nesse mundo não existem coincidências... não adianta esconder Sakura. Você é igual a mim!" Syaoran murmurou fazendo Sakura encolher-se mais ainda.

"Mas eu não quero isso... eu tenho medo... não quero prever nada... Eu quero ser normal!" ela murmurou com a voz embargada.

Syaoran aproximou-se dela e a abraçou.

"Não é tão ruim assim... é até bom... vai que você ganha na loteria?" ele deu um meio sorriso acariciando as madeixas sedosas.

"Tonto... essas coisas não funcionam para isso, só para me avisar de perigos!"

"Então indica que você precisa tomar cuidado com lobos!" ele sorriu sacana. Sakura ergueu uma sobrancelha.

"Com lobos ou com um em particular?" ela o encarou irônica.

"O que quer dizer... 'mon petit'?" ele a encarou fazendo-se de inocente.

"Acho que tenho que tomar cuidado contigo..." ela desvencilhou dele levantando-se da cama.

"Ah é... por quê? Eu sou tão mal assim?" Syaoran a fitou maroto.

"Você é meio excêntrico..." Sakura não terminou, pois foi alvejada por duas mãos que a agararram e trouxeram para a cama.

"Ah é assim? Não terei piedade então!" Syaoran a prendeu sob ele limpando a marca das lágrimas. Sakura o fitou assustada, mas não se conteve com as cócegas que vieram a seguir.

"SYAORAN SEU IDIOTA... HAHAHAH... ME SOLTA! " ela gritava entre as gargalhadas histéricas.


Syaoran treinava concentrado no dojô lembrando-se da conversa que tivera com Sakura de manhã.

Estava preocupado, apesar de tentar fazê-la esquecer daquele pesadelo. Não deixou de notar a violência daquela experiência. A marca no pescoço de Sakura era evidente, e se não tivesse percebido antes? O que teria acontecido com ela?

Um golpe cortou o ar com violência, seguido de um pontapé e uma voadora. Syaoran parou e encarou o grande espelho.

' Sei que a vinda de Sakura para Paris não foi por acaso... Tem algo errado... Essa presença ruim que cresce a cada dia?' Ele encarou a janela. Continuou com os golpes agora com a espada, não surpriendeu-se com aquela presença.

"Boa tarde mãe!" ele falou sem encará-la.

"Está cada dia mais forte... sentiu a minha presença faz tempo não?" Ieran sorriu aproximando-se do filho e beijando-o no rosto.

"Sim... o que foi fazer na casa da Sra. Yukko? Ela não estava no Japão?" ele encarou a mulher de quimono lilás.

"Fomos colocar a fofoca em dia, a Feiticeira Dimensional está cada dia mais bonita"!

"A senhora Yukko sempre está aprontando né?" Syaoran colocou a espada no suporte enquanto encarava a mãe.

"O que foi meu filho... que aura estranha é essa?" Ieran disse preocupada.

"Sakura... ela está tendo premonições novamente." ele encarou a mãe triste, Ieran o encarou séria.

"O que foi dessa vez?"

"Lobos... Mãe isso está me preocupando seriamente. Sakura nunca errou em suas premonições, e..." ele silenciou.

"Xiao Lang... anime-se, sabe que depois da tempestade sempre vem a bonança. Vão acontecer coisas que você só vai suportar com a ajuda dela. Cuide de Sakura, ok?" Ieran sorriu tristemente deixando o filho atordoado no aposento.

"O quê?"


Um aroma fabuloso invadia a casa, Sakura estava agitada, a visita a Torre Eiffel tinha sido maravilhosa e Syaoran um perfeito guia, porém estava extremamente nervosa.

Colocou a bolsa sobre a mesa e subiu para o quarto rapidamente.

"Vou me refrescar um pouco... desço em 5 minutos!" ela exclamou evitando encarar o jovem de olhos ambarados.

"Teve uma bela oportunidade de beijá-la hoje, por que não o fez?" Eriol alfinetou quebrando o devaneio de Syaoran.

"O que está dizendo?" Syaoran voltou-se ao homem de olhos azuis atordoado.

"Está muito na cara, meu caro Li... você ama Sakura!" Eriol sorriu misteriosamente.

Sakura entrou no banheiro nervosa, encarou o espelho extremamente enrubescida. A lembrança do rosto de Syaoran tão próximo ao seu mexera profundamente com seus sentimentos.

O que ele estava fazendo?

Abriu a torneira e jogou água contra o rosto. O coração batia acelerado, as pernas tremiam feito bambu. E se aquele menino não os tivesse derrubado? Sorriu confusa ao lembrar-se da cena


Flashback

A vista da cidade luz era encantadora, Sakura corria excitada pela plataforma. Eriol e Syaoran vinham logo atrás.

Sakura aproximou-se da grade de proteção e sentiu algo embaçar a vista, encolheu-se levando as mãos aos olhos. Syaoran veio logo em seguida e tomou o rosto dela nas mãos.

"O que foi?"

"Caiu algo no meu olho..." ela choramingou.

"Deixa-me ver..." ele ergueu o rosto vermelho da jovem, cerrando os olhos lentamente. Sakura entrou em desespero vendo a aproximação dele contra o seu rosto.

"CUIDADO!"

Fim do Flashback

Sakura respirou fundo e encarou o espelho novamente, o sorriso desvaneceu num flash.

"Não seja boba Sakura... ele só é seu amigo." Ela suspirou melancólica e saiu.


Eriol encarava Syaoran superior, sabia o quanto o amigo odiava esse seu dom, mas divertia-se com a idéia de um romance para o sua "Grande revelação".

"Fico imaginando o que poderia ter acontecido se aquela criança não tivesse te empurrado? Um cisco no olho seria uma oportunidade perfeita, e além do mais, aqui em Paris um beijo no meio da rua não seria tão constrangedor." Eriol encarava o amigo pálido.

"Nã... não... é" ele passou a mão pelos cabelos rebeldes em sinal de desespero.

"Confesse e eu te deixo em paz... Se não confessar... Ela fica sabendo dos seus sentimentos".

"Você não contaria?" Syaoran fuzilou Eriol que sorria desdenhoso.

"Contar o quê?" Sakura irrompeu na conversa com um sorriso luminoso, Syaoran sentiu o ar sumir.

"Ah... é..." Syaoran começava a corar violentamente, Sakura sorria curiosa.

"Chegaram!" Ieran exclamou excitada. "Vamos almoçar!"

Syaoran agradecia aos céus pela aparição de sua mãe. Apesar das constantes insinuações dele com Sakura, estava feliz por saber que sempre poderia contar com ela.

Corou ao ver o olhar incisivo que Eriol lhe lançava. O que aquele panaca queria agora?

Já o suportara há muito tempo com histórias de namoradas, flertes e tudo o mais. Por que Eriol não o deixava em paz?

Seu devaneio foi quebrado com o olhar sonhador de Sakura... O que tinha com ela?

"O que achou da Torre Sakura?" Ieran sorriu.

"Um sonho tia, é mais imponente que a Torre de Tóquio. Tão atraente e linda, um lugar de contos de fadas..." Sakura suspirou sonhadora, Syaoran sentiu o olhar certeiro de Eriol.

"Quem sabe o seu príncipe encantado não está perto de você srta. Sakura." Eriol sorriu gentilmente, fazendo os dois corarem.

"Obrigada Sr. Hiragizawa... eu espero encontrá-lo logo!" Ela sorriu.

"Syaoran também tem procurado a sua princesa encantada..." Ele sorriu divertido " Apesar de achar que contos de fadas são apenas para crianças."

"Ora, ora Sr. Hiragizawa." Syaoran alfinetou.

"Só porque nunca teve sorte com seus relacionamentos não indica que as pessoas a sua volta não podem sonhar. Você é a pessoa menos apropriada para falar isso, afinal as suas histórias de sucesso são todos romances fantasiosos" Syaoran sorriu desdenhoso, vendo a expressão de Eriol fechar.

"Pense bem no que está falando , pois eu sou apenas o editor, quem fantasia as histórias melosas é o senhor. Cuidado com o que fala!" Eriol disse seco.

Um silêncio incomodo deu-se na mesa, Ieran levantou-se da mesa irritada.

"Senhores, acho que discutir sobre a vida de vocês é um tanto indelicado na presença de Sakura e eu, peçam desculpas agora!" ela ralhou fazendo os dois encararem-se e rirem.

"Desculpa Sakura... mamãe. Sabe que Eriol e eu somos assim!" Syaoran não conteve uma gostosa gargalhada.

"Perdão senhoras, mas... o pequeno lobo é muito inconveniente, às vezes merece tomar uns esporros. Desculpe srta. Sakura" Eriol sorriu.

Sakura sorriu em choque.


Uma noite maravilhosa dominava Paris, e a lua alta e brilhante reinava soberana sobre o belo jardim da residência dos Li, pouco a pouco as flores de cerejeira tornavam-se brilhantes deixando o lugar ainda mais encantador.

Sakura saboreava uma taça de vinho pensativa. Encarava a árvore mergulhada no passado. Não reparou na aproximação do belo chinês que maroto tomou a taça que ela balançava delicadamente.

"Não acho certo você ficar bebendo!" ele riu, porém ficou sério ao ver o ar triste que Sakura estava.

"O que foi?" ele sentou-se ao lado dela, Sakura encarava o vazio.

"Vai fazer duas semanas que estou aqui, e até agora você não me perguntou nada sobre porque deixei Tóquio..." ela o encarou fria.

Syaoran a fitou atordoado.

"M-mas Sakura... você já tinha dito...".

"Em parte sim, mas omiti algo importante e não fui sincera com você." Ela voltou-se para Syaoran.

"O que foi dessa vez?" ele sorriu terno vendo o desconforto da jovem.

Sabia o quanto Sakura era frágil com relação a mentiras e qualquer coisa que abalasse a amizade que possuíam entre si. Os dois eram como unha e carne, o que Sakura fazia Syaoran tinha que opinar e vice e versa.

"Tem algo que queira me contar?" ele afagou as madeixas douradas da jovem japonesa.

Sakura afastou-se dele levantando-se e aproximando-se da balaustrada.

"Uhm... Syaoran... eu vim para Paris, para... fugir do Kazehiro!" ela baixou olhar.

"O quê?" Syaoran pareceu chocado.

"Não podia ficar mais em Tóquio, eu precisava... precisava..." a voz de Sakura começou a falhar.

"... eu precisava... de você... Syaoran..." ela o encarou com o olhar marejado.

Syaoran ficou sem reação, e a única coisa que passou por sua cabeça foi protegê-la, de tudo o que pudesse machucá-la. De tudo aquilo que os haviam separado, a protegeria sempre, sempre.

Levanto-se e sem perceber já tinha a jovem entre seus braços.

Sentiu as lágrimas quentes de Sakura contra seu peito, e ele nada podia fazer. Era culpa sua vê-la sofrendo daquela forma.

Por que não podia dizer o que sentia, porque não conseguia mostrar a ela o quanto a amava?

Os soluços de Sakura eram como facas apunhalando seu próprio peito, como não notou o quanto ela estava infeliz.

Sentiu o rosto da jovem afastar-se de seu peito e encará-lo, as maçãs estavam rubras e as suas esmeraldas intensamente vermelhas.

"Meu anjo... me perdoa, eu não...não queria..." ele limpou as marcas das lágrimas do rosto adorado.

"... Syaoran..." Sakura sussurou antes de ver o jovem aproximar-se ainda mais dos lábios adorados da sua bela flor de cerejeira.

"Só dessa vez... eu quero te proteger... me deixa...te proteger..." ele sussurrou aspirando a essência doce que emanava dela. Sakura cedeu ao toque do jovem rendendo-se totalmente a ele.

Estavam a centímetros de distância, onde um podia sentir o hálito fresco do outro, as lágrimas caiam pelo rosto de Sakura e por um segundo Syaoran vacilou, vendo a jovem tombar em seus braços, inconsciente.

"SAKURA?!"

Continua...


mon petit: minha pequena


Oi gente!

Mais um capítulo de ACL, espero que tenha gostado desse capítulo, pois eu me empenhei nele!

Vou colocar apartir de agora algumas frases e palavras em francês, espero que vocês gostem, pois eu estou adorando escrevê-las.

Nesse capítulo Sakura começa a descobrir seus poderes, algo que podera mudar drasticamente sua vida e a de Syaoran, será que os dois saberão lidar com isso?

E o que Ieran esconde?

Como sempre Eriol continua sendo um observador de primeira, tadinho do Syaoran!

Capítulo dedicado a bruna c.m, Gabii Gloo XD, Isabella Chan, Yu207, Tamy Kinomoto. Obrigada pelos reviews, espero de coração que vocês estejam gostando!

Obrigada também a todos que lêem ACL, sem vocês...essa fic não existiria!

Obrigada !

kissus!