Olá Pessoal

Olá Pessoal! Essa é a minha primeira fic, então, espero que gostem :D.

O Garoto da Casa ao lado

Resumo: Sakura Haruno é uma garota do interior que escreve para a coluna de fofocas do New Work Journal, uma publicação de segunda categoria. Um dia, ela socorre Tsunade, sua vizinha de oitenta anos que entra em coma após levar um golpe na cabeça. Além de tomar conta dos dois gatos e do cão dinamarquês da Tsunade, Sakura fica de olho no misterioso sobrinho dela, que se mudou para a casa da tia para também cuidar dos bichinhos.

(Essa fic vai ser baseada em e-mails)

Para: Sakura Haruno

De: Recursos Humanos

Assunto: Atrasos

Prezada Sakura Haruno

Está é uma mensagem automatizada da Divisão de Recursos Humanos do New York Journal, o principal periódico especializado em foto jornalismo de Nova York. Queira tomar conhecimento de que segundo seu supervisor, o editor-chefe Shikamaru Nara, seu expediente aqui no Journal começa ás 9 da manhã, o que significa que se atrasou 68 minutos hoje. Esse é o seu 37º atraso acima de 20 minutos até agora este ano, Sakura Haruno.

Nós da Divisão de Recursos Humanos, não estamos "perseguindo" os empregados que se atrasam com freqüência, como mencionou de forma tão injusta em um artigo do boletim dos funcionários. Os atrasos são uns assuntos serio que causam grandes prejuízos aos empregadores de todo o país. Os empregados costumando fazer pouco dos atrasos, mas aqueles que costumam se atrasar podem ter problemas sérios, como:

-» alcoolismo

-» dependência de drogas

-» vicio em jogos de azar

-» violência conjugal

-» insônia

-» depressão patológica.

Além de inúmeros outros distúrbios, Se você sofre de qualquer dos problemas acima, queria entrar imediatamente em contato com sua Representante da Divisão de Recursos Humanos, Ino Yamanaka. Sua representante terá grande satisfação em inscrevê-la no Programa de Assistência aos Funcionários do New York Journal, onde receberá ajuda de um profissional de saúde mental competente, que procura auxilia-la a desenvolver todo o seu potencial.

Sakura Haruno nós, aqui do New York Journal, trabalhamos em equipe. Vencemos em equipe, e perdemos em equipes, também.

Sakura Haruno, não deseja participar de uma equipe vencedora?

Então, por favor, esforce-se para chegar ao trabalho pontualmente de agora em diante!

Atenciosamente,

Divisão de Recursos Humanos

New York Journal

Favor observa que qualquer outro atraso no futuro poderá acarretar sua suspensão ou demissão desta empresa.

Para: Sakura Haruno

De: Hinata Hyuuga

Assunto: Você está ferrada

Sakura, onde você se meteu? Vi que a Ino Yamanaka do RH andou rondando disfarçadamente sua baia. Acho que você está para receber outro daqueles puxões de orelha por falta de pontualidade. Qual vai ser, o qüinquagésimo?

É melhor ter uma boa desculpa dessa vez, porque o Shikamaru estava dizendo alguns minutos atrás que os colunistas sociais são como mato e que ele podia contratar Liz Smith em um piscar de olhos para te substituir se quisesse. Acho que estava brincando, Era difícil saber por que a maquina de refrigerantes quebrou, e ele ainda não tomou o energético Mountain Dew está manhã.

Por falar nisso, aconteceu alguma coisa entre você e o Lee ontem ás noite? Ele andou tocando Wagner na baia dele outra vez. Sabe como isso incomoda o Shikamaru. Brigaram outra vez?

E aí, como é que fica, vamos almoçar juntar mais tarde?

Hinata

Para: Sakura Haruno

De: Rock Lee

Assunto: Noite passada

Por onde você anda Sakura? Vai bancar a infantil por causa do que aconteceu e não vir trabalhar até ter certeza de que fui embora? É isso?

Não dá para a gente sentar e conversar sobre o assunto como adultos?

Para: Sakura Haruno

De: TenTen

Assunto: Rock Lee

Sakura,

Não se deixe enganar, EU NÃO ANDEI te espionando, mais precisaria ser CEGA para não notar que você sentou a bolsa na cabeça do Rock Lee na noite passada no Pastis, Provavelmente nem mesmo me viu; eu estava no bar, e olhei em torno porque pensei ter ouvido seu nome, veja só, logo quem – não devia estar cobrindo o desfile da Prada? -, e aí BUM! Altoids e Maybelline para todo lado.

Queria, foi uma gloria.

Você realmente tem muito boa pontaria. Mas duvido muito que Dejiko tenha idealizado aquela linda bolsinha de mão para servir de arma. Tenho certeza de que faria o fecho mais forte se soubesse que as mulheres iam arremessar a coisa feito uma bola de tênis assim.

Sério, querida, eu simplesmente preciso saber: terminou tudo entre você e o Lee? Porque jamais pensei que combinassem. Quero dizer, o cara estava concorrendo a um Pulitzer, santo Deus! Embora, se quiser mesmo saber, qualquer um poderia ter escrito aquela matéria sobre o garotinho etíope. Achei-a de um sentimentalismo enjoativo. Aquela parte onde a irmã vende o corpo dela para comprar arroz para o menino... Por favor. Parece até historia do Dickens.

Então, como é, não vai bancar a durona, vai? Porque tenho um convite para a casa do Neji em Hamptons, e estava pensando em convidar o Lee para preparar uns cosmos, aqueles drinques de maça com vodca, para mim. Mas não convido, se você for bancar a Joan Collins para o meu lado.

P.S.: Devia ter ligado se não pretendia vir hoje, meu bem. Acho que está encrencada. Vi aquela pessoinha semelhante a um pequeno troll (Ino qualquer coisa?) do RH farejando em volta da sua escrivaninha no inicio do expediente.

TenTen

Para: Sakura Haruno

De: Shikamaru Nara

Assunto: Onde é que você se meteu droga?

Onde e que se meteu hein? Parece estar com a impressão errada de que os dias de folga não precisam ser combinados com seu chefe.

Não estou convencido ainda de que possa ser uma colunista.

Parece que está mais para revisora, Haruno.

Shikamaru

Para: Sakura Haruno

De: Rock Lee

Assunto: Noite passada

Foi um comportamento que não condiz com você, Sakura. Quero dizer, pelo amor de Deus, a Karin e eu estivemos em um campo de guerra juntos. Tinha fogo de artilharia antiaérea explodindo para todo lado em torno de nós. Achávamos que podíamos ser capturados pelas forças rebeldes a qualquer momento. Na dá para entender isso?

Não significou nada para mim, Sakura. Eu juro.

Meu Deus, jamais devia ter lhe contado. Pensei que fosse mais madura. Mas se comportar assim, sumindo de circulação, francamente...

Ora, eu jamais teria esperado isso de uma mulher como você, só tenho isso a dizer

Lee

Para: Sakura Haruno

De: Hinata Hyuuga

Assunto: Isso não é engraçado

Garota, onde você se enfiou? Estou começando a me preocupar mesmo. Por que não me ligou pelo menos? Espero que não tenha sido atropelada por um ônibus ou coisa assim. Mas acho que se tivesse sido, nos telefonaria. Presumindo-se que estivesse com suas credenciais de imprensa, digo.

Ta legal, não estou achando que tenha morrido. Estou preocupada mesmo é que seja demitida, e que eu vá precisar almoçar com TenTen outra vez. Fui obrigada a rachar o almoço com ela porque você está sumida, e isso me deixa louca. A mulher comeu uma sala sem molho. Está entendo o que eu disse? SEM MOLHO!

E aí ela se sentiu obrigada a tecer comentários sobre as mínimas coisas que eu punha na boca. "Sabe quantos gramas de gordura tem nessa fritura?" "Não sei se sabe, Hinata, mas um bom substituto para a maionese é o iorgute light".

Eu adoraria dizer a ela o que ela pode fazer com o iorgute light.

Aliás, acho que devia saber que o Lee andou espalhando que você está agindo assim por causa do problema entre vocês na noite passada.

Se isso não trouxe você aqui, e rápido, não sei o que dará resultado.

Hinata

Para: Shikamaru Nara

De: Sakura Haruno

Assunto: Onde eu estava

Como é indispensável para você e Ino Yamanaka que seus empregados descrevam todos os momentos que passam longe da redação, eu vou fazer um resumo detalhado de meu paradeiro enquanto estiver inevitavelmente impedida de comparecer ao serviço.

Esta pronto? Já tomou seu Mountain Dew? Eu ouvi dizer que a maquina do departamento de arte está funcionando perfeitamente bem.

A manhã da Sakura:

07h15min – Soa o alarme. Aperto o botão de soneca

07h20min – Soa o alarme. Aperto o botão de soneca.

07h25min – Soa o alarme. Aperto o botão de soneca

07h26min – Acordo ao som dos latidos do cão da vizinha. Desligo o alarme.

07h27min – Trôpega, dirijo-me ao banheiro? Tomo banho.

07h55min – Trôpega, dirijo-me á cozinha. Ingiro alimento sob a forma de barra de cereais, e o kung pão da noite de terça-feira, que pedi para viagem.

07h56min – O cachorro da vizinha continua latindo

07h57min – Seco os cabelos com o secador

08h10min – Vejo a previsão do tempo do Canal Um

08h11min – O cachorro da vizinha continua latindo.

08h12min – Tento encontrar algo para vestir entre as roupas amontoadas no armário tamanho geladeira do meu quitinete.

08h30min – Desisto. Visto saia de raiom preta, blusa de raiom preta, sapatilha preta aberta.

08h35min – Pego a bolsa preta. Procuro as chaves.

08h40min – Encontro as chaves na bolsa. Saio do apartamento.

08h41min – Noto que o exemplar do New York Chronicle da Tsunade (sim, Shikamaru, minha vizinha do lado assina) que eu só devia ter pensado em ligar para o meu chefe para explicar pó que ia me atrasar?

Bom, sinto muito, Shikamaru, mas essa idéia nem me passou pela cabeça. A Dona Tsunade é minha amiga, droga! Eu queria ir com ela na ambulância, mais havia o probleminha do que fazer com o Paco.

Ou será que eu devia dizer o problemão do que fazer com Paco?

Paco é o dinamarquês da Dona Tsunade, Shikamaru. Pesa uns 60 quilos, mais do que eu.

E precisava sair. Estava desesperado para ir á rua.

Então, eu o levei para passear, lhe dei comida e água e fiz o mesmo com o Chico Bum e o Sr. Botucas, os gatos siameses dela, (Chico Bam, infelizmente, morreu no ano passado). Enquanto estava fazendo isso, os tirar examinavam a porta dela para saber se alguém a havia arrombado. Mas não tinha sinal de arrombamento, Shikamaru.

Sabe o que significa isso? Significa que provavelmente ela conhecia o agressor, e o deixou entrar por sua própria iniciativa!

Ainda mais estranho foi o fato de que os 276 dólares que estavam na bolsa dela não foram tocados. As jóias também continuavam lá, Shikamaru. Não foi um assalto.

Shikamaru, por que não acredita que isso é noticia? Tem alguma coisa errada. Muito errada.

Quando finalmente cheguei ao hospital, me informaram que a Dona Tsunade estava sendo submetida a uma cirurgia. Os médicos estavam tentando aliviar a pressão no cérebro dela resultante de um gigantesco coagulo que havia se formado sob o crânio! O que eu devia fazer Shikamaru? Ir embora? Os tirar não conseguiam entrar em contato com ninguém da família. Ela só podia contar comigo.

Doze horas. Doze horas, eles gastaram. Eu precisei ir ao apartamento dela levar o Paco mais duas vezes á rua antes de a cirurgia terminar. E, quando terminou, os médicos saíram e me disseram que tinha ido apenas parcialmente bem. A Dona Tsunade está com coma, Shikamaru! Talvez nunca mais saia desse estado.

E até ela sair, quem é que vi ter que ficar tomando conto do Paco, Chico Bum e do Sr. Botucas?

Vai, responde Shikamaru.

Não estou tentando convencê-lo a se solidarizar comigo, eu sei.

Devia ter ligado. Mas o trabalho não era tão primordial na minha cabeça naquele momento, Shikamaru.

Escute, agora que eu finalmente voltei o que acharia de me deixar redigir uma matéria sobre o que ocorreu? Sabe, podemos direcionar para "cuidado com quem deixa entrar no seu apartamento". Os tiras ainda estão procurando o parente mais próximo da Dona Tsunade, o sobrinho dela, acho, mas, quando o encontrarem, eu podia entrevista-lo. Sabe, a mulher é mesmo um fenômeno. Aos 80 abis ela ainda vai a academia três vezes por semana, e no mês passado foi a Helsinque de avião para uma apresentação do Anel dos nibelungos. Juro por Deus. O marido se chamava Henry, aquele que deixou a herança dos fechos de arame para embalagem. Sabe aqueles araminhos com que se fecham os sacos de lixo? Ela vale no mínimo seis ou sete milhões de dólares.

Vamos, Shikamaru, me deixe tentar. Não pode me obrigar a ficar redigindo fuxicos sobre famosos para a Pagina Dez eternamente.

Continua...

Oii Gente!

Espero que gostem do primeiro capitulo!

Como eu disse minha primeira fic .

Por favor, deixem review, apostarei o segundo capitulo o mais rápido possível.

Muito Obrigada!

Beijos!