DESPERTAR PARA A REALIDADE

CAPÍTULO 11

Na manhã seguinte, Tiago acordou sentindo pequenos beijos em seu pescoço. Sentindo um arrepio, ele abriu os olhos e encarou aquelas duas esmeraldas brilhantes, que o fitavam com tanto amor em meio a revoltos cabelos ruivos.

- Bom dia.

- Bom dia, Lily. Quem dera eu pudesse acordar assim todos os dias...

Ela riu e lhe beijou, levantando-se e se vestindo. Ele ficou admirando-a até que ouviram uma batida à porta. O moreno rapidamente vestiu um short e, ao vê-la pronta, disse:

- Pode entrar.

Mal ele disse isso, Sirius e Remo entraram causando estardalhaço e fechando a porta logo em seguida.

- Bom dia, pessoas felizes!

- Bom dia, Almofadinhas. Que milagre você de pé tão cedo.

- Na verdade faz algumas horas que nós estamos acordados, sabe?

- Imagino...

Sirius começou a rir enquanto Remo se sentava na poltrona completamente vermelho. O outro, ao contrário, esparramou-se na cama, enquanto Lily sentava-se na beira, dizendo maliciosa:

- Então imagino que essas horas foram bem aproveitadas, não?

- Não, Lily querida, você não teria como imaginar – Sirius respondeu, arrancando gargalhadas de todos e olhares cúmplices entre Lily e Tiago, fazendo o outro completar: - Ou teria?

Os outros dois riram ainda mais alto e Tiago se levantou, indo escovar os dentes.

- Ah, teria sim! – disse Sirius fitando as costas do moreno e começando a gargalhar. Lily ficou completamente vermelha e Remo também começou a rir quando entendeu o que o outro queria dizer. Tiago, intrigado, fez um esforço para mirar as próprias costas no espelho e percebeu do que tanto eles estavam rindo: era possível notar pequenos arranhões bastante avermelhados, causados claramente por unhas. Resmungando alto contra o indiscreto amigo, ele se fechou no banheiro. Remo, ao perceber a irritação do moreno, comentou:

- Olha, Si, você já deve ter se cansado de me ouvir falar isso, mas eu sinceramente acho que você deveria começar a aprender a ser mais discreto...

- Eu exagerei, né? – ele perguntou fitando apreensivo o outro, que apenas confirmou com um balançar de cabeça. Ele engoliu em seco e olhou dessa vez para Lily, que o olhava constrangida. Respirando fundo, ele foi até o banheiro e começou a bater na porta. – Pontas, abre aí que quero conversar contigo... – Eles apenas escutaram o destrancar da porta. Sirius encarou os amigos e entrou. Remo suspirou e, olhando para a amiga, perguntou casualmente:

- E então, Lily, dormiu bem?

Ela respondeu e eles começaram a conversar normalmente, até que se assustaram ao verem Tiago voltando ao quarto correndo assustado e gritando:

- Sai pra lá, Sirius! Qualé? Se afasta, coisa ruim!

- Pô, Pontas, volta aqui! - Sirius voltou ao quarto com um sorriso maroto no rosto. – Você não gostaria nem de vestir uma cueca antes de sair correndo feito um louco?

Percebendo que estava nu, o moreno corou e rapidamente se enrolou em um lençol, extremamente constrangido. Lily, tentando disfarçar, perguntou:

- Será que dá para alguém explicar o porquê do Tiago ter saído correndo? O que você fez, Sirius?

- Eu? – ele perguntou apontando para si, teatralmente. – Eu não fiz nada, sou um anjo, a candura em pessoa!

- Mentira! Esse louco chegou pedindo desculpas pelo que falou – Tiago começou a explicar ainda se mantendo afastado do outro que apenas se acabava de rir, esparramado na cama. – Eu disse que tudo bem, que como sempre eu deixava pra lá, que já estava acostumado e coisa e tal. Aí eu fui tomar banho, pensando que ele já tinha saído. Quando eu o vi me olhando daquele jeito... eu só o via olhando assim pro Aluado... fiquei com medo e saí correndo... me protege, Lily – ele terminou se escondendo atrás da ruiva, que ria abertamente. Sirius, entretanto, tentou se defender:

- Você queria o quê? Não fui eu quem te despiu... Remo, você sabe que eu te amo, mas poxa... o Pontas faz quadribol... tem esse corpo todo definido... eu não resisti...

Tiago, ainda um pouco assustado, se enrolou ainda mais no lençol, deixando apenas o rosto para o lado de fora e murmurando:

- Você não era tão pervertido assim a um tempo atrás, Almofadinhas...

- Sirius, acho bom você se controlar – Lily se intrometeu, depois que conseguiu parar de rir. – Não se esqueça que agora esse maroto aqui tem dona. Ele é todinho meu – ela concluiu passando a mão de leve pelo moreno, que apenas sorriu com satisfação.

- Tá, eu nem queria mesmo... – Sirius ainda falou, fingindo-se ofendido, antes de se sentar no colo de Remo, dizendo sensualmente no ouvido dele, mas de um modo que os outros também ouviram: - Sabe, nunca percebi como essa poltrona é confortável...

Remo sorriu maliciosamente e o puxou para um beijo. Lily sussurrou no ouvido de Tiago:

- Sabe, nunca imaginei o Remo agindo assim... quem diria... – ela ficou pensativa durante alguns instantes e completou: - Tá, eu também nunca me imaginei assim, mas deixa pra lá...

- Assim como? – o moreno perguntou intrigado.

- Assim.

Ela se abaixou e o beijou, passeando as mãos por seu corpo. O moreno suspirou com as carícias, murmurando entre os beijos:

- Hum...se você for assim apenas comigo, por mim tá tudo muito bem...

Ela riu e ia voltar a beijá-lo quando foram interrompidos por um pigarreio. Era Remo quem se pronunciava.

- Crianças, isso são modos? Vocês não devem se agarrar desse jeito tão despudorado.

Enquanto Tiago voltava para o banheiro rindo, Lílian se sentou cruzando as pernas sensualmente e dizendo de forma sugestiva e maliciosa:

- Nós não somos crianças e você não tem moral nenhuma para falar sobre agarramentos despudorados, sr. Aluado.

Sirius arregalou os olhos e correu para trás da poltrona, berrando:

- Por Merlim, o Tiago criou um monstro! – os outros dois apenas riram e continuaram a conversar.

EPÍLOGO

Eles passaram o resto das férias juntos, entre conversas, passeios e brincadeiras, até que chegou o dia do embarque para Hogwarts. Sirius e Remo haviam voltado para a casa deste poucos dias antes, para poderem juntar todos os seus pertences. No dia primeiro de setembro, o casal Potter deixou os dois jovens na estação King's Cross, despedindo-se em seguida. Eles se encaminharam à barreira entre as plataformas nove e dez, preparando-se para atravessá-la. Foi quando Tiago começou a rir.

- Tiago? Você está bem?

- Estou, meu amor, é só que apenas agora me ocorreu um pensamento... estava aqui tentando imaginar a cara de toda a escola quando descobrirem que estamos namorando... – a garota começou a rir também. – Afinal, depois de tantos foras, tantas brigas e tantos xingamentos, ninguém imaginaria que um dia eu fosse conseguir nem que fosse um bom dia seu.

- Você me desculpa por essa época? – ela perguntou com uma expressão culpada.

- Não se preocupe, minha ruivinha, isso é passado. Na verdade, acho que você sempre gostou de mim, só faltava despertar para a realidade. Agora vamos logo, antes que o trem saia sem a gente.

Ela sorriu e segurou sua mão e juntos eles atravessaram o portal que separa os trouxas dos bruxos.

N.A.: Bom, é isso... Ces't finit (é assim que escreve? :S) Acabada está. Eu sei, o fim não ficou lah aquelas coisas que vc lê e diz "Oh, meu Deus, que fim perfeeeito!", mas enfim... Não, não vou cair na tentação de dizer que é uma deixa para uma possível continuação, porque não é. Não tenho idéias para uma continuação, nem planos, sinto muito... Se um dia surgirem idéias para uma outra fic, quem sabe...

Agradeço imensamente a você, que chegou até aqui, lendo, acompanhando, esperando a postagem... E a você, que só encontrou a fic depois de concluída mas que ainda assim leu até o fim (inclusive minhas notas estúpidas rsrs). Se você não comentou ainda, comente! Sua opinião é muito importante para mim, de verdade! Se já comentou, não se acanhe, comente de novo! Como não tem novos capítulos para eu poder responder aos reviews na nota de autora, responderei pessoalmente cada um dos comentários, se a pessoa tiver cadastro aqui no .

Fiquei muito feliz em postar essa fic, nunca imaginei que ela fosse fazer tanto sucesso (juro, jamais cheguei a cogitar a possibilidade de receber mais e 40 reviews!). Acreditem, isso realmente motiva a pessoa a procurar ter novas idéias, desenvolvê-las, pois assim a gente sabe que alguém realmente está lendo. ^^

È com relutância que escrevo pela última vez nessa fic:

Beijinhos a quem estiver lendo isso,

Evans.