Capítulo I

"Depois Da Batalha"

A fumaça e a poeira da batalha ainda se erguia no ar. Feridos recebiam o tratamento necessário, enquanto a maioria dos sobreviventes estava reúnida em torno de pelo menos cinqüenta corpos que jaziam no chão. Homens, mulheres, adolescentes... Amigos, familiares, amores... Os combatentes tinham perdido muitas pessoas amadas naquela batalha.

No outro lado do saguão, também jaziam alguns corpos, mas estes não tinham que os chorasse. Eram de bruxos maus, impiedosos, que nada fizeram em sua vida além de causar dor e sofrimento nas pessoas. Junto com eles, o corpo do pior de todos. Aquele em que chamavam de Lorde Das Trevas, mas que agora não passava de mais um inimigo derrotado, o sinal de que tempos melhores viriam.

De volta ao saguão, as pessoas, apesar de aliviadas com a derrota do maior de seus temores, derramavam grossas lágrimas pela perda de seus amigos ou familiares. Mais ao canto, estava um grupo reunido. Tinha cerca de doze pessoas, entre elas, oito ruivos. Estavam em torno de três corpos : Remo Lupin, Nifadora Tonks e Fred Weasley. Todos estavam muito abatidos e Jorge era o que mais sofria pela perda do irmão, chorando compulsivamente ao lado de sua cabeça.

Com licença. _ uma voz feminia disse, timidamente. Todos ergueram os olhos. Era Angelina. Também trazia traços da batalha. Tinha um ar cansado e um corte em sua boca.

Desculpe, querida, mas... Quem é você? _ pergunta Molly.

Eu sou Angelina. Angelina Johnson. Eu era... Namo... Amiga do Fred. E do Jorge também. Queria dizer que lamento muito a perda dele e saber se posso fazer algo para ajudar.

É muita gentileza, mas... _ Molly começou, mas foi interrompida por Jorge que levantou e abraçou fortemente a colega, chorando em seu ombro.

Essa atitude fez alguém do grupo se sentir estranhamente solitário e se afastar discretamente do local.

Algumas horas se passaram. Os corpos estávam sendo removidos para enterro e as pessoas começavam a se mover do local. Foi então que um par de olhos castanhos muito aflitos começou a percorrer o salão.

Harry... _ perguntou Hermione _ Viu se Rony foi para algum lugar?

Pra dizer a verdade, não Hermione. Estava ocupado tentando acalmar Gina. Ele estava com a gente até a hora que Angelina se reuniu ao grupo, mas agora que você falou, não o vejo desde então.

Estou preocupada. Rony é tão fechado. Não é de demonstrar muito seus sentimentos. Temo que faça alguma bobagem.

Não acho que faça nada demais. Mas quanto ao fato de não demonstrar seus sentimentos, você tem razão. Aliás... Sabe disso por experiência própria, não é?

Hermione cora levemente. Molly chega.

Harry, Hermione. Q-Que bom que estão aqui. Nós já estamos com os (segura choro) co-corpos preparados. Vamos embora em pouco tempo. M-Mas não acho Rony em lugar nenhum para chamá-lo.

Também não o vemos a algum tempo, Sra. Weasley. _ comentou Harry.

Que coisa. Onde se meteu?

Se a senhora quiser, eu... _ começou Hermione, timidamente.

Harry, querido, poderia ir procurá-lo pra mim? É seu melhor amigo. Conheço meu filho. Ele é fechado e com certeza está sofrendo, mas não quer demonstrar. Tenho certeza que você o convenceria a vir se juntar a nós.

Hermione baixou os olhos. Harry olhou para a amiga.

Sra Weasley, acho que Hermione deveria ir. _ Hermione ergueu os olhos para eles e esboçou um sorriso.

O... O que?

Ela também é amiga dele. E tenho um palpite (olhou de forma marota para Hermione, que fez suas bochechas ficarem rosadas) de que ela tem um poder maior de persuasão sobre Rony que eu.

Eu volto já. _ Hermione disse, saindo sem olhar para a expressão confusa que a sra Weasley esboçou.