Epílogo

O jardim belamente decorado com flores tropicais, mesas de linho branco com rosas vermelhas adornando, estava tomado por diversas pessoas da elite mundial do ramo empresarial. O riso e o tintilar das taças enchia o ar de alegria e a bela tarde primaveril elevava a leveza do ambiente.

Um dos organizadores do evento se levantou e foi até o pequeno palco onde a banda de jazz tocava animadamente. A banda parou quando ele pediu e a atenção do público foi voltada diretamente à ele.

- Bom inicio de noite Senhores e Senhoras, sou Stuart Mallone e fico extremamente feliz em vê-lo os aqui por mais um ano e que nossas amadas empresas não quebrem como a de alguns coleguinhas. – Ele arrancou alguns risos com sua fala. – Bem, peço agora que a Senhora Sabaku no Ino se levante.

Ino estava distraída ou melhor, ainda não havia se acostumado ao fato de que agora era uma "Sabaku no" e não mais uma "Yamanaka". Ela sorriu embaraçada e se levantou.

- Desculpe. – Ela disse sorrindo e alguns riram

Gaara permaneceu sentado impecável escondendo seu riso atrás de um sorriso simpático, Ino o olhou rapidamente e quis mata-lo. Ele iria rir mais tarde, ela sabia. O Sr. Mallone apenas assentiu.

- Milady, não se desculpe. Peço um brinde à mulher genial que transformou a empresa de muitos de nós em conglomerados sustentáveis sem perder a rentabilidade. Veio do pó e com seus projetos geniais ao pó não voltará. Criadora de SAND, asfaltos que captam energia solar, modos de comunicação mais baratos e confiáveis, entre outros projetos que saíram da Yamanaka's Inc. e Sakabu's Enteprise.

Houve uma salva de palmas que deixou Ino um pouco corada.

- E um brinde ao Senhor Sabaku no Gaara por ter conquistado esta bela mulher e ter investido em seu brilhantismo.

Passado o brinde ela acenou para todos e mandou beijos para o Sr. Mallone e sentou-se novamente. Gaara segurou a sua mão. Ele estava belíssimo em seu terno cinza com detalhes azul marinho.

- Pensei que fosse mata-lo com a força do pensamento.

Ino sorriu maliciosa mirando os orbes esmeralda do ruivo ao seu lado.

- Aguentarei as idiotices dele em todas a festas, preço pequeno a se pagar.

Gaara riu baixinho, sabia que ela sempre odiaria aquele tipo de evento, mesmo que agora o nível social dela exija isso.

Já havia anoitecido e o jardim estava belamente iluminado por luminárias e tochas. Gaara e Ino dançavam no salão. Gaara notou que a esposa estava errando os passos em sinal claro de distração.

- O que há? – Ele disse

- Acho melhor irmos para casa. Devemos acordar cedo. – Ino disse preocupada.

- Podemos não dormir também...Sabe disso. – Gaara sussurrou no ouvido dela que sorriu.

Ino abriu a boca para responder, mas viu um velho amigo ser aproximar e não disse nada. Parou de dançar e Gaara acompanhou visualizando o jovem Uchiha junto deles.

- Senhora Sabaku. – O tom de voz íntimo do moreno deixou Gaara irritado.

- Quanto tempo não o vejo Itachi. – Ino sorriu lhe dando a mão, a qual o moreno beijou a costa.

- Desde os tempos remotos que ainda era Senhorita Yamanaka. Fico feliz que tenha crescido com seu potencial e casado com Gaara que é um gênio também. – Itachi falava contente com o reencontro.

- Soube do que aconteceu com o seu irmão. Sinto muito. – Gaara disse enquanto abraçava a loira de maneira possessiva.

- Não sinta, meu irmãozinho sempre foi um idiota, mereceu e agora trabalha para mim...Um dia pode subir novamente, quem sabe. – Itachi riu. – Já vou jovens. Felicidades aos dois, espero que nos vejamos logo.

Itachi se despediu e seguiu para o outro lado do salão. Ino se desvencilhou devagar de Gaara e o mirou.

- O que? Não confio em homens Uchiha! – Gaara disse levemente irritado.

Ino não pode questionar, pois mais amigos seus apareceram. Hinata balançando seus cabelos negros a abraçou forte e Ino soltou um leve guincho de dor.

- Minha amiga é uma gênia da tecnologia sustentável! Sinto falta de vocês no Japão...Konoha nunca mais foi a mesma desde que vocês saíram de lá.

Ino respirou um pouco e respondeu.

- Vamos daqui há duas semanas ao Japão, para o casamento de Temari e Shikamaru.

Naruto vinha um pouco mais atrás e cumprimentou Gaara.

- Quem diria que ela se casaria com seu guia turístico. – Naruto riu.

- Só Shikamaru para aguentar o gênio forte da minha irmã. – Gaara riu com eles.

Hinata contou a eles sobre o fato de agora Sasuke trabalhar para o irmão Itachi na Akatsuki's enterprise e era fato consumado que o moreno das orbes cor de ônix raramente era visto com Sakura e a pequena Asane que agora já tinha dois anos.

- Nunca me ouviu... Agora deve ser uma daquelas donas de casa infelizes. – Ino disse pensativa.

- Poderia ter sido você. – Naruto disse sem pensar, arrependendo-se.

Gaara tencionou se afastar deles, mas Ino o segurou forte pela mão.

- Sorte que fui presa ao Gaara. – Ino sorriu docemente.

A loira sabia que independente dos anos que passassem Gaara ainda teria problemas com o passado de Ino com Sasuke que outrora fora um dos seus grandes amigos. Aos poucos ele relaxou.

- Você está belíssima para quem acabou de ter um bebê! – Hinata exclamou tentando amenizar as coisas.

Ino estava escultural, Gaara sorriu olhando para a esposa em seu vestido preto com um decote nada puritano que mostrava seu busto duas vezes maior devido à lactação. Ino agradeceu e a conversa desenrolou com leveza.

- Hina, devemos ir agora. – Ino anunciou por fim

Hinata ficou visivelmente triste com isso.

- Viajaremos pouco antes do amanhecer à trabalho para a Suíça, precisamos descansar um pouco. – Gaara explicou.

Eles se despediram longamente e o casal Sabaku voltou ao seu apartamento próximo ao central park. Entrando no apartamento e Ino foi como um cometa para o quarto onde se lia na porta "Sabaku no Inoichi".

- Senhora Ino, estava quase ligando! Ele acordou há meia hora e não quer tomar o leite. – A doce senhora disse um pouco desesperada, ninando o menino de cabelos ruivos.

- Mê dê ele, isso é saudade. – Ino pegou o pequenino em seus braços e o ninou.

Gaara dispensou a babá pela noite e deixou a esposa lá em seu momento especial.

O bebê de pouco mais de 2 meses sorriu e tocou no rosto de Ino com suas mãos gordinhas. Ino mirou as orbes azuis dele.

- Senti sua falta também.

O bebê veio pouco depois do casamento. Era o presente mais precioso que Ino havia recebido dos deuses. Pouco após de dar de mamar ao bebê e pô-lo para dormir ela foi para o quarto. Gaara estava deitado lendo um livro quando ela se jogou na cama ao lado dele.

- Sou a idiota mais feliz do mundo. – Ino sorriu.

Gaara marcou a página que estava e pôs o livro na mesa de cabeceira. Ino se jogou sobre o peito nu dele.

- Por que você é a minha idiota. – Gaara beijou a testa dela.

Ino lhe deu um tapa fraco enquanto ria.

- Riquinho imbecil.

- SEU riquinho imbecil.

Gaara a beijou de forma lenta e apaixonada. Eles sempre brigariam por coisas banais, mas sempre saberiam fazer as pazes, pois construíram seu relacionamento sabendo lidar com os defeitos um do outro e descobrindo as qualidades a cada ato de amor.