Descobertas! O quê eu sou uma princesa?

O dia amanheceu e Sophia já havia despertado há muito tempo, a garota estava andando em direção ao castelo. Ela entrou e foi em direção ao quarto que havia achado, ela entrou e viu o doce quarto de criança do mesmo jeito que havia visto no dia anterior. Ela então começou a vasculhar as gavetas na chance de encontrar alguma coisa que pudesse esclarecer todo o mistério à sua volta.

Foi ai que ela encontrou um medalhão de ouro escrito Princesa Sophia e junto achou alguns documentos e cartas. Sophia rapidamente guardou tudo em sua humilde bolsa velha e saiu em disparada para fora do castelo. Ela correu e acabou não sendo vista por ninguém das empregadas ou da realeza.

Sophia parou no meio da floresta e se sentou ela começou a mexes nos papéis e documentos encontrados. A maioria deles fala da Princesa Sophia que havia desaparecido, também havia cartas da rainha para sua filha e muitos outros começou a ligar o que estava acontecendo a sua volta com essa nova descoberta e ela chegou a uma surpreendente conclusão, ela era a princesa de Camelot.

A cabeça da jovem estava confusa e nada mais fazia sentindo, então todos esse anos ela estava vivendo em uma mentira?Mas por quê?Porque nunca lhe contaram?

A garota estava totalmente sem chão e sem rumo, o que ela iria fazer agora?Iria brigar com Susie?Com a rainha?Será que Anna também sabia de toda essa mentira?Mas a menina não pode reagir, ela sentiu a vista embaçar e tudo escurecer. Sophia havia desmaiado.

Um tempo depois nossa jovem acordou, ela abriu os olhos lentamente e tentou observar onde estava, ela estava em um cô como?

Sophia:

-Onde estou?

?:

-Calma Sophia.

Sophia se virou e deu de cara com quem menos esperava ver.

Sophia:

-Príncipe Ruan?

Ruan:

-Sim sou eu.

Sophia:

-Mas o que eu estou fazendo aqui?Que lugar é esse?E porque minha cabeça dói?

Ruan:

-Quantas perguntas!Bom vamos lá, eu te encontrei desmaiada no meio da floresta então resolvi te trazer aqui na minha casa de campo secreta e, sua cabeça dói provavelmente porque bateu ela muito forte no chão.

Sophia:

-Que sorte a minha você ter me achado!

Ruan:

-Pois é, sou seu anjo da guarda.

Sophia:

-Muito obrigada.

Ruan:

-Agora me diga, porque desmaiou?

Foi ai que Sophia paralisou, ela tinha acabado de se lembrar do que havia descoberta.

Sophia:

-É que...

Ruan:

-É...?

Sophia:

-É que eu descobri algumas coisas sobre mim!

Ruan:

-Como por exemplo?

Sophia:

-Na verdade minha mãe não é minha mãe quer dizer, ela apenas me criou.

Ruan:

-Puxa vida, mas você sabe então quem é sua verdadeira mãe?

Sophia:

-Sim...

A garota estava ainda mais decepcionada, por dentro seu coração estava quebrado.

Ruan:

-Quem é então?

Sophia:

-A rainha.

Ruan arregalou os olhos e pensou ser uma brincadeira mas logo sua cara se tornou séria quando ele viu que Sophia não estava rindo muito menos brincando.

Ruan:

-Sério?

Sophia:

-Sim.

Ruan:

-Então você é a princesa que "desapareceu"!

Sophia:

-Ao que tudo indica sim.

Ruan:

-Mas como isso é possível?

Sophia lhe mostrou todos os documentos e cartas e Ruan ficava cada vez mais surpreso e sério.

Ruan:

-Você contou isso a mais alguém?

Sophia:

-Não, só a você.

Ruan:

-Acho melhor você manter segredo, pois meu pai vem te procurando a anos!

Sophia:

-Eu sei, sei que agora estou correndo vários riscos!Tudo por causa de ser uma princesa!

Ruan:

-Mas calma eu vou te ajudar Sophia, fique tranquila.

Sophia:

-Mas e seu pai?Não vai ter como você esconder isso dele!

Ruan:

-Eu vou pensar em alguma coisa depois!Agora a prioridade é você!

Sophia:

-Mas Ruan você está pondo sua vida em risco também!

Ruan:

-Mas o mais importante é você Sophia!

A garota corou, apesar de tudo o que as pessoas falavam do Rei Malfus ela viu que Ruan era diferente dele, ele não era ruim, ele era o rapaz mais doce que já tinha conhecido.

Sophia:

-Obrigada por estar me ajudando Ruan.

Ela abriu um doce e delicado sorriso.

Sophia:

-Eu nem sei o porquê você me ajuda tanto!Não tem como eu retribuir!

Ruan:

-Eu já te disse, eu quero de ajudar!Sophia eu te amo!

Nesse momento, a doce Sophia arregalou os olhos. Ela não acreditava, será que o ouviu direito?Ele a amava?Não!Era completamente impossível!

Ruan:

-Eu sei que você vai me achar um louco!Mas Sophia eu te amo e...

Nesse momento alguém bateu na porta da pequena casa.

Ruan:

-Quem será?

O rapaz nem esperou um momento e já segurou Sophia pelo braço sussurrando em seu ouvido.

Ruan:

-Sophia fique quieta ai no armário, não faça nenhum barulho!

Sophia sem entender entrou no armário e ficou a observar por uma fresta.

Ruan:

-Olá...pai?

Rei Malfus:

-Meu filho finalmente já sei o que fazer para derrubar o reino de Camelot!

Ruan:

-Novamente esse assunto meu pai!Já estou cansado!

Rei Malfus:

-Quem não tem ambição, não tem sucesso!

Ruan:

-Isso é o que o senhor pensa!

Mas nada adiantou Ruan protestar, seu pai ficou lá por mais ou menos uma hora falando de mais um de seus planos e Ruan estava preocupado com Sophia.

Rei Malfus:

-Agora tenho que ir!Porque não vem comigo?

Ruan:

-Eu vou fazer mais algumas coisas...

Rei Malfus:

-Como preferir.

Ruan:

-Aliás pai, como é que o senhor achou minha casinha secreta?

Rei Malfus:

-Filho, você acha que eu não sei o lugar de cada coisa no meu reino?Eu tenho espiões para que?

Ruan:

-Então quer dizer que me espiona?

Rei Malfus:

-Claro que não, só quando você some o dia inteiro!

Ruan:

-Mesmo assim, não gostaria de ser seguido.

Rei Malfus:

-Mas você ainda não tem juízo meu filho, quando você tiver eu lhe livrarei dos guardas.

E antes de Ruan se manifestar o rei bateu a porta e se pôs a caminhar em direção o reino.

Ruan:

-Pode sair Sophia.

Sophia:

-Ainda bem que ele já foi eu estava ficando dolorida dentro daquele cubículo.

Ruan:

-Vejo que mesmo descobrindo que é uma princesa agora, sempre foi meio mimada.

Sophia ficou irritada com o comentário.

Sophia:

-Pois saiba que...

Ruan a interviu.

Ruan:

-Não é um momento ideal para discutirmos quem é mais preocupado com o que meu pai disse.

Sophia:

-O que?

Ruan:

-Sobre os espiões,guardas e tudo mais.

Sophia:

-Mas você está preocupado só com isso?

Ruan:

-Como só Sophia?Como vou poder te proteger se vou estar sendo seguido?

Sophia:

-Isso é verdade, mas agora eu só sei de uma coisa.

Ruan:

-O que?

Sophia:

-Quer ver minha mãe, a rainha.

Ruan:

-Você sabe que não é seguro!

Sophia:

-Por favor!

Ruan:

-Tudo bem, sei que você não irá desistir.

Sophia:

-Então me acompanha até o castelo?

Ruan:

-Mas é claro!

Sophia agora estava praticamente correndo em direção ao castelo enquanto Ruan tentava alcançá eles chegaram e Sophia parou em frente ao enorme portão.

Sophia:

-Você não vai entrar?

Ruan:

-Você sabe o quanto eu gostaria, mas não espera-la aqui fora.

Sophia:

-Sim, muito obrigada Ruan.

Sophia deu um braço em Ruan o que o fez corar.

Ruan:

-Tem certeza que quer fazer isso?

Sophia:

-Sim, eu tenho que fazer.

Assim Sophia deu uma última olhada para Ruan e entrou para ter a conversa que tanto queria. Sophia subiu as escadas do castelo e foi ao encontro da rainha, ou melhor, sua mãe. Ela a encontrou em um dos corredores.

Rainha:

-Olá Sophia.

Sophia:

-Olá Majestade ou melhor mãe.

Neste momento a rainha arregalou os olhos.

Rainha:

-O que você está dizendo?

Sophia:

-Por favor, não se faça de sínica mãe!

Rainha:

-Eu ainda não compreendo!

Sophia:

-Eu é que não compreendo!Por que nunca me contou a verdade?

Rainha:

-Não diga asneira menina!Não sei do que está falando!

Sophia:

-Sabe sim, não precisa mais fingir Majestade!

Anna estava passando por lá e parou para ver o porque de Sophia estar nervosa.

Anna:

-Tudo bem Sô?

Sophia:

-Claro!Acabei de descobrir que sou uma princesa e que toda minha vida era uma mentira!Está tudo bem sim!

Anna arregalou os olhos.

Anna:

-Você só pode estar brincando!

Sophia:

-Eu só quero saber o porquê de todos esconderem isso de mim!

Rainha:

-Acho que tenho que ter uma conversa séria com você Sophia.

Anna:

-Oh, com licença.

Anna saiu apressada e a Rainha começou a falar.

Rainha:

-Eu sei que você tem todos os motivos para odiar-me, mas deixe-me explicar antes o porquê de sua vida ser assim...

Sophia:

-Conte-me então!

Rainha:

-Você deve saber que o reino de seu pai...

Sophia:

-Por favor, chame-o de rei.

Rainha:

-Certo, o reino de Arthur sempre uma rivalidade com o reino de Malfus mas isso vem desde ser exata a mais ou menos 20 anos.

Sophia escutava tudo atentamente.

Rainha:

- Eles eram grandes amigos, mas Arthur se tornou rei, no começo Malfus ainda era seu amigo mas a inveja foi lhe tomando conta do coração e ele se afastou de Arthur.

Sophia:

-O que tudo isso tem haver comigo?

Rainha:

-Espere!Como eu ia dizendo Malfus foi tomado pela inveja e ele também queria ter poder. Seu tio havia morrido e ele quis tomar-lhe o trono. Ninguém o impediu afinal ele era um homem bom e fiel, porém com o tempo ele foi querendo mais poder e a ambição lhe subiu a cabeça. Em dois anos ele já tinha conquistado todas as terras da região menos a do meu marido. Foi ai que ele começou a travar uma violenta guerra e no meio daquilo tudo você nasceu.

Agora sim as coisas começavam a fazer sentido na cabeça da jovem, porém ela ainda tinha suas dúvidas.

Rainha:

-Eu e seu pai ficamos com medo, muito medo de ele lhe fazer ai que Nancy minha fiel serva e melhor amiga me tinha uma filha jovem chamada Susie, eu logo vi que ela poderia ser uma ótima mã deixei você com Nancy na esperança de em pouco tempo voltar para te isso não ocorreu.

Sophia:

-É, eu sei, mas porque?

Rainha:

-Malfus estava cada vez mais poderoso e ameaçava mais o reino, não só o reino na verdade mas eu e o seu pai també nós corríamos riscos você também poderia correr por isso optamos abrir mão de você para sua própria segurança.

Sophia:

-Mesmo assim, vocês poderiam ter me contado antes!Quando criança eu deveria ter tido o direito de saber!

Rainha:

-Estávamos com medo Sophia, se alguém soubesse que era poderia contar para Malfus e imediatamente ele a mataria.

Sophia:

-Mas e quando eu vim trabalhar no castelo?Você poderia ter me contado!

Rainha:

-Na verdade eu a contratei para poder ficar te vigiando, meu objetivo era me aproximar de você e quem sabe te contar...

Sophia:

-Mas eu fui mais rápida e descobri não é mesmo?

Rainha:

-Sim,e como você descobriu?

Sophia:

-Eu descobri um quarto...

Rainha:

-O seu quarto de bebe certo?

Sophia:

-Sim.

Rainha:

-Agora filha, espero que...

Sophia:

-Por favor, não me chame de filha eu não sou sua filha!Você não me criou!Apesar de tudo o que disse eu ainda estou confusa. Mesmo você ter acabado de me falar os motivos de me proteger eu ainda não acredito que mentiu para mim, você poderia ter me falado não só quando eu vim para cá, mas também aquele dia na floresta!

Rainha:

-Sophia se acalme...

Sophia:

-Eu ainda não acredito no que fez, você me abandonou!Você poderia ter ficado comigo e me protegido de toda essa guerra!Você optou pelo mais fácil, se livrar de mim!

Rainha:

-Não diga isso!

Sophia:

-A minha vida inteira sempre foi uma mentira!A minha vida inteira!

Rainha:

-Não!O meu amor por você sempre foi verdadeiro!O de Susie também!

Sophia:

-Não!Eu não quero ouvir mais nada!O que eu vim conversar já foi conversado!Adeus!

Sophia correu para fora do castelo o mais rápido que pode, seus olhos cheios de ódio e lágrimas encontraram uma forma na frente do castelo, Ruan.

Ela correu mais ainda e o abraçou bem forte.

Ruan:

-Calma Sophia.

Sophia:

-Vamos, eu não quero ficar aqui!

Ruan:

-Tudo bem.

Ruan deu um beijo doce e rápido em Sophia e começou a andar com a menina em direção à chorando muito conta a Ruan toda a conversa com a mã sem saber o que dizer para consola-la a abraça.

Sophia:

-Obrigada por estar comigo agora Ruan.

Ruan:

-Não precisa me agradecer, eu vou sempre estar assim ao se lado meu anjo.

O clima romântico entre Sophia e Ruan foi estragado pela aparição de Anna.

Anna:

-Sophia o que aconteceu?Eu te vi correndo e chorando.

Sophia:

-Você não vai acreditar quando eu te falar.

Anna:

-Vamos, me conte!

Sophia:

-Eu sou uma princesa!

Anna:

-Você?Que brincadeira é essa?

Sophia:

-É sério, eu sou uma princesa e todos esconderam isso de mim para minha proteção.

Anna:

-Como assim, me explique direito!

Sophia explicou tudo para Anna, sua amiga ficava cada vez mais surpresa.

Anna:

-Eu estou chocada!

Sophia:

-Eu também fiquei mas graças ao Ruan eu já estou melhor.

Sophia olhou de uma maneira terna e doce para seu amado.

Ruan:

-Agora tenho que ir Sophia, meu pai logo colocará alguém para me procurar se eu não voltar para o castelo.

Sophia:

-Tudo bem, muito obrigada de novo.

Ruan:

-Até amanhã.

Ruan um pouco incomodado com a presença de Anna apenas deu um beijo na bochecha de Sophia.

Ruan:

-Espero que cuide dela Anna.

Anna apenas assentiu com a cabeção Ruan entrou floresta a dentro e desapareceu do olhar das duas jovens.

Anna:

-Sophia, não me diga que você e ele...

Sophia:

-Sim, eu e ele sim.

Anna:

-Mas Sophia!

Sophia:

-Eu sei o que você vai falar, eu e ele não podemos e blábláblá!

Anna:

-Sophia você já parou para pensar que ele pode estar te usando?Você sabe que o pai dele...

Sophia:

-Eu sei, o pai dele quer por as mãos em mim!Ele quer tomar o reino de Arthur!

Anna:

-Então Sophia!Como é que você ainda fica com ele?

Sophia:

-Ele é diferente do pai!Eu vejo em seus olhos a humildade.

Anna:

-E a ambição!

Sophia:

-Ele não é quem você está pensando que é!

Anna:

-Talvez você esteja enganada!

Sophia:

-Eu não quero discutir com você Anna. Eu amo Ruan e ele me ama, ponto final nisso!

Anna:

-Você quem sabe!

Sophia:

-Só quero uma coisa Anna.

Anna:

-O que?

Sophia:

-Faça de tudo o que lhe contei hoje segredo.

Anna:

-Mas é claro, sou sua amiga. (N/A Que cara de pau, vocês vai saber por que ao decorrer da história)

Sophia:

-Puxa está ficando meio tarde, ainda tenho que resolver esse problema com a minha mãe, vamos Anna.

Sophia e Anna caminharam até suas casas e Anna se despediu. Sophia entrou meio desanimada e ainda magoada.

Sophia encontrou sua mãe na cozinha fazendo um bolo.

Susie:

-Aonde você foi?Espero que não tenha ido ao castelo!

Sophia:

-Precisamos conversar.

Susie percebeu que Sophia não estava com o habitual tom de voz doce, mas sim com um tom de voz preocupado e indiferente.

Susie:

-Sente-se, o que quer conversar?

Sophia:

-Talvez sobre a mentira que eu vivi todos esses anos!

Susie:

-O que?

Sophia:

-Talvez sobre eu ser uma princesa, você não ser minha mãe e tudo mais!

Susie parou de cozinhar e olhou seriamente para Sophia.

Susie:

-O que você está dizendo?

Sophia:

-Eu sei de tudo.

Susie:

-De onde tirou essa loucura?Você está com febre?

Sophia:

-Para!Chega!Não quero mais mentiras!Não quero!Por que não confessa de uma vez que tudo o que vivi foi uma mentira?Que só aceitou ficar comigo por dó!

Susie:

-Sophia se acalme, tudo isso tem uma explicação.

Sophia:

-Eu sei, a rainha me contou.

Susie:

-Então você esteve com ela?

Sophia:

-Sim, e se quer saber tudo o que ela me falou não justifica o fato de todos mentirem para mim, inclusive você!

Susie:

-Não é assim, eu só queria te proteger!

Sophia:

-Mentindo para mim?

Susie:

-Saiba que nem tudo foi mentira, o meu amor por você é real.

Sophia:

-Não me venha com isso agora, eu estou confusa!

Susie:

-Sophia, vamos conversar melhor.

Mas Sophia entrou em seu quarto correndo e chorando e se trancou. Para ela o mais difícil era a pessoa que mais amava ter mentido para ela. Apesar de tudo o que havia ocorrido em seu turbulento dia ela ainda teve um motivo para sorrir, o seu motivo era Ruan.

Longe dali mais uma pessoa havia descoberto o passado de Sophia, Rei Malfus.

Malfus:

-Então quer dizer a filhinha de Arthur está viva!Isso é bom!Agora é o melhor momento para haver uma breve Arthur implorará por piedade.