Ok. Depois de acordar ás cinco e meia da manhã não sei por que, cair da cama de susto com o despertador, dar bom dia para minha família, quase dormir em cima do meu café da manhã, escovar os dentes, tomar um banho e trocar minha linda camisola de rendinhas cor-de-rosa por uma calça preta e uma blusa listrada, quase ser atropelada por um pombo que invadiu o jardim da minha casa e bater com a cabeça na cadeira que fica no jardim, eu finalmente me lembro de que dia é hoje.

Ai Meu Deus! Hoje a noite é o Baile de Máscaras do colégio! E a Sango me disse que queria que eu arrasasse no baile, então ela comprou uma roupa que ela escolheu que na minha opinião deve ser linda, já que a Sango tem um bom gosto.

Meu nome é Kagome, curso o 3° ano do Ensino Médio e uma aluna razoável. Às vezes acho que vivo um conto de fadas, mas talvez só seja coisa da minha cabeça mesmo. E a Sango é minha melhor amiga, cursa também o 3° ano do Ensino Médio e muito boa com bumerangues, minha confidente e saco de desabafos. Ela sempre me entende como ninguém, claro que a gente briga, mas é raro.

Pego o telefone e disco o número dela, momento de suspense. Até que ouço uma voz feminina do outro lado da linha:

- Oi Kagome! – A voz dela está animada, melhor. Quando ela está animada tem mais criatividade para arrasar. Espera! Ela sabe que sou eu!

- Sango? Como sabe que sou eu? – Ela riu do outro lado da linha.

- Eu já esperava que você me ligasse, já que a sua roupa para o Baile de Máscaras está aqui! – Ela respondeu animada.

- Certo! Então, á que horas?

- Passe aqui em casa mais tarde, por volta das 17h00h! Vamos nos arrumar juntas! – Me despedi e desliguei o telefone. A hora que marcamos é perto da do baile, mas eu sei que posso confiar na Sango para me vestir.

A tarde praticamente voou. Claro, porque eu resolvi dormir de novo. Sabe, eu não acordo ás cinco e meia da manhã de um sábado sem um bom motivo para me tirar da minha maravilhosa e quentinha cama. Então, nada melhor do que despencar nela de novo para o tempo passar mais rápido!

Estou agora no quarto da Sango, esperando ela achar a maldita roupa que ela me comprou. E, é claro, que combina com a máscara preta com rendas na borda de segurar em frente aos olhos por uma vareta, igualmente preta que era da minha mãe, quando o colégio dela fez um Baile de Máscaras que mostrei a ela ontem.

- Sango, achou a roupa que você tanto fala? – Já estava ficando impaciente.

- Espere Kagome! Estou quase a achando! – Gostaria de ver se essa roupa é realmente tão boa como ela fala. Mas pelo jeito que ela a está procurando, deve ser quase uma perfeição.

- Já procurou naquela gaveta ali? – Opinei e ela se virou para olhá-la. Depois, exclamou algo sobre que esquecida que ela era, e puxou uma sacola de lá.

- Kagome, a encontrei! E é da sua loja favorita! – Ai Meus Deus. Ela sabe que qualquer coisa que saia da minha loja favorita é perfeito. E... A não. Essa é a roupa mais linda que meus pobres olhos azuis já viram! Ela é simplesmente perfeita! Sango tinha razão. Dei um sorriso de orelha a orelha para ela, que sorridente a entregou para mim.

- Sango, eu já disse que te amo? – Meus olhos brilharam como os de uma criancinha.

- Sim e agora vá logo colocar essa roupa! Eu sei que você está louca para fazer isso. - Eu não disse que a Sango me entende melhor que ninguém?

Corri me vestir, claro que tinha de me enrolar toda primeiro e ter que pedir ajuda á Sango, me maquiei e pulei na Sango que também já estava vestida. Ela é a melhor amiga que eu podia querer!

- Muito obrigada Sango! – Dei um beijinho estalado na bochecha dela.

- Que é isso Kagome, você sabe que eu quero sempre vê-la brilhar! - Sorrimos uma para outra e descemos, ouvindo a tão conhecida buzina do carro de Miroku, namorado da Sango, meu segundo melhor amigo e o maior pervertido da face da Terra. Ele sempre visita a Sango nos fins de semana, e eu também sempre venho de sábado. A mãe da Sango prepara os melhores biscoitos do mundo, e nós sempre fazemos um tipo de piquenique no jardim dela.

- Vocês estão realmente lindas, garotas! – Disse Miroku nos cumprimentando e tascando um beijo na Sango. Mas a mão que ele diz ser amaldiçoada começa a escorregar e...

- Tarado! – E logo se pode ver a marca de uma mão vermelha no rosto do Miroku. Eles são namorados, mas parece que a Sango não gosta muito que ele fique apalpando-a o traseiro.

- Bom, vamos indo? – Perguntei para descontrair o clima pesado que se instalou.

Dentro do carro a conversa foi ótima, relembrando aquele maravilhoso ano que se passou. Claro que o Miroku tinha que lembrar a vez que eu tropecei numa bolinha de gude na porta da sala, mas revidei lembrando quando a Sango exagerou no tapa e ele voou na frente da classe. Rimos, apesar de gostarmos de zoar um com o outro, éramos muito amigos. Sango, contagiada pela risada, riu também.

Logo chegamos ao local do baile. A música estava um pouco medieval, para dar mais aquele clima dos bailes de antigamente, apesar das roupas de algumas pessoas serem um pouco... Indecentes.

Uma música romântica começou a tocar e Miroku e Sango, já com as pazes feitas, foram dançar. Eu estava muito entretida observando o salão, que nem vi quando um garoto se aproximou e perguntou se eu queria dançar.

- O que? Oh, claro! – Depois fiquei sabendo que o nome dele era Houjo, e que ele dançava muito mal. Estou com pena dos meus próprios pés!

Depois, dancei com um garoto chamado Kouga, ele era um yokai lobo. Ele fora muito gentil e simpático, e dançava muito bem. Segurou-me quando eu quase caí no meio da dança, atrapalhada que eu sou. Confesso, ele era lindo, mas algo me dizia que ele era apenas um novo amigo, ao contrário do que ele achou, porque tentou me beijar não sei quantas vezes.

Demorei umas três músicas para despistá-lo, e resolvi me sentar. A noite avançava próximo á meia-noite, onde acabaria a festa. E Miroku e Sango ainda não voltaram! O que será que eles estão fazendo?

Fiquei distraída pensando em Miroku e Sango, que quando me toquei estava olhando para um garoto com a máscara da mesma cor que a minha: preta. Mas mais masculina. Ele estava olhando para mim também, e veio em minha direção. Senti meu coração começar a bater mais forte e rápido, até que ele perguntou Cortez:

- A senhorita deseja me conceder a honra de uma dança? – Juro que meu coração acelerou mais ainda, e senti que estava ficando corada. Como eu poderia recusar a tanto encanto?

- Mas é claro! – Respondi, ele me ofereceu o braço e fomos perto do meio do salão. Eu parecia hipnotizada por aqueles olhos dourados brilhando através da máscara negra. Seus cabelos prateados e as orelhas de cachorro em cima da sua cabeça revelavam que era um meio-yokai. Ele era lindo!

Um relógio antigo que colocaram em uma das paredes do salão deu as suas doze badaladas, e o DJ anunciou para tirarmos nossas máscaras e revelar quem somos.

Tirei a minha e ele a dele, e cara, ele é o garoto mais lindo que conheci. Se não me apaixonei por coração, pelos olhos é certeza. O garoto da máscara negra pareceu se encantar comigo também, pois seus olhos sorriram.

- Qual seu nome? – A dança, apesar de silenciosa tinha sido a melhor da minha vida, então eu tinha que saber o nome do meu parceiro. Ele sorriu galante antes de responder-me com uma voz de arrasar corações:

- InuYasha. -