Cansado de lutar contra pensamentos que insistiam em ocupar sua mente, ele decidiu esquecê-la.

O hospital estava um caos, emergências por toda a parte, casos para a equipe de diagnósticos e House não atendia seu telefone. Cuddy estava prestes a ter um ataque de nervos com tantos problemas, a equipe dele estava em sua sala reclamando.

Foreman queria ficar responsável pelos casos até ele aparecer, alegando que os diagnósticos deveriam ser feitos sem ele, já que ele estava sumido há uma semana e nem Wilson sabia do paradeiro dele.

Chase brigava com Foreman querendo ser responsável também, nunca tinha entendido porque Foreman se sentia o substituto natural de House.

Taub estava cansado da discussão de poder e brigava com os dois, mandando mensagens para Wilson aparecer imediatamente.

Thirteen só observava Cuddy esperando ela gritar com alguém conforme seu rosto ia ficando cada vez mais vermelho.

Wilson chegou no meio da confusão segurando seu celular, nervoso em saber que eles estavam discutindo sobre House enquanto tinha uma emergência médica lá fora.

"Houve um engavetamento de três carros, ambulâncias não param de chegar e vocês estão discutindo por um assunto que não vai levar à nada?"

Todos pararam de falar imediatamente. Cuddy suspirou aliviada, ela estava preocupada com o sumiço de House mas naquele momento nada poderiam fazer.

"Foreman e Chase, vão ajudar na emergência e cuidem juntos dos casos do House, quando as coisas estiverem mais calmas nós fazemos uma outra reunião para decidir o futuro do departamento. Thirteen e Taub, ajudem também."

Assim que eles saíram, Wilson perguntou à ela se estava tudo bem.

"Como você acha que ta tudo bem? Eu estou cheia de coisas pra resolver, não tem médicos suficientes para ajudar nesse desastre e eles vem aqui me lembrar que o House desapareceu e ninguém consegue achá-lo. A minha cabeça vai explodir."

Ela inspirou e expirou bem devagar pra ficar mais calma, além de todos os problemas ela não conseguia deixar de se preocupar com ele. Wilson disse para ela não se preocupar com isso, pelo menos agora, logo achariam House e estaria tudo bem com ele.

"Você acredita mesmo nisso?"

"Não, mas eu preciso acreditar."

Wilson saiu da sala e deixou Cuddy sozinha para não atrapalhar mais.

A equipe de House passou a tarde toda resolvendo aquela emergência e se reencontrou no final da noite no escritório dele. Na mesa principal estavam quatro cartas endereçadas a eles.

Wilson estava em sua sala, se recuperando do choque pelo que acabara de ler. Pegou sua carta e saiu imediatamente para a sala de Cuddy.

Foreman abriu sua carta e começou a ler incrédulo, assim como Taub, Chase e Thirteen. House podia ser insano, mas isso ultrapassava a loucura.

Ao abrir a porta, Wilson percebeu que Cuddy estava calma, ela não devia saber ainda.

"Aconteceu alguma coisa? Você ta pálido."

"Você recebeu alguma carta do Hospital de Nova Jersey?"

Cuddy se assustou com reação de Wilson e procurou a carta na bagunça de sua mesa. Tinham várias correspondências ali, ela não teve tempo de ler nenhuma aquele dia.

"Está aqui, eu ainda não li. Por quê?"

Wilson se aproximou de uma cadeira e pediu que ela lesse.

"É importante."

Cuddy abriu a carta apreensiva, o jeito de Wilson a estava assustando.

Prezada Doutora Lisa Cuddy,

Venho por meio dessa comunicá-la que nós, da equipe neurológica do Hospital Internacional de Nova Jersey, comandada pelo Doutor Mark Wikison, apagamos da memória do Doutor Gregory House qualquer lembrança sua. Fizemos um tratamento delicado que envolve alguns dias de recuperação e pode causar danos cerebrais caso tente ser revertido. Portanto, pedimos para que não tente lembrá-lo de nada, uma lembrança forçada poderá causar a perda total de memória. Todas as pessoas que se relacionam com ele e participam de sua vida receberão uma carta com o mesmo pedido.

Esteja ciente de que ele se livrou de qualquer evidência de sua presença, como cartões, fotos, música ou qualquer outra coisa que pudesse lembrá-lo do relacionamento que tiveram. Ele estará pronto para voltar ao trabalho na terça-feira, dia 14 de Julho e não se lembrará de ter participado deste procedimento.

"Feliz é a inocente vestal, esquecendo o mundo e sendo por ele esquecida. Brilho eterno de uma mente sem lembranças. Toda prece é ouvida, toda graça se alcança."

Pope, Alexander.

Atenciosamente,

Hospital Internacional de Nova Jersey

Cuddy tremia mesmo antes de terminar de ler a carta, Wilson segurava em suas mãos para tentar confortá-la. Ela não sabia o que fazer, apenas tentava entender o que tudo aquilo significava, seu coração doía e ela sentia calafrios por seu estômago. House tinha apagado mais de vinte anos de lembranças, ela seria apenas uma estranha na vida dele.