Capítulo 7: Jane, Laila e Summer

Quando os cinco membros da família Davis se sentaram à mesa da sala para jantar, o ambiente ainda estava algo pesado. Tammara começou a falar dos locais que ela e Walker tinham visitado na sua viagem, para que o silêncio não reinasse entre eles. Porém, ainda ela ia a meio, quando Summer a interrompeu.

"Depois contas o resto, mãe. Pai, mãe, vocês ainda não conhecem os novos vizinhos, que se mudaram para cá enquanto vocês estavam a viajar." disse Summer. "Mas deviam. É que sabem, a Laila anda enrolada com um deles."

Laila lançou um olhar aborrecido à irmã mais nova, enquanto Tammara e Walker olhavam para Laila.

"O que é que a Summer quer dizer com andares enrolada com um dos vizinhos, Laila?" perguntou Walker.

"A Summer está a ser maliciosa de propósito, pai." disse Jane. "A Laila não anda a fazer nada de mal."

"Jane, não te perguntei nada a ti. Quero saber o que se passa pela tua irmã."

Laila mexeu-se na sua cadeira, parecendo desconfortável. Não esperava ter de contar tão cedo aos pais que estava, de alguma maneira, envolvida com Keith. Porém, contou de seguida aos pais como tinha conhecido Keith e como não eram namorados ainda, mas sim amigos coloridos.

"No meu tempo não havia esse tipo de coisa, de amigos coloridos. Ou se namorava ou não se namorava." disse Tammara.

"Eu quero conhecer esse rapaz." disse Walker.

"Pai, ainda é muito cedo para isso. Nós não estamos mesmo a namorar e sim a conhecermo-nos." disse Laila.

"Mas andavam enrolados aos beijos no sofá da sala aqui de casa." disse Summer. "Entretanto, mais um pouco e daqui a nove meses ainda tínhamos um novo membro na família, filho da Laila e do Kieth."

Laila e Jane lançaram olhares fulminantes a Summer, enquanto Tammara se mostrava desconfortável com aquele tipo de conversa.

"Não se passou nada, pai." disse Laila.

"Eu quero o melhor para as minhas filhas." disse Walker. "E tenho de reconhecer que os tempos mudaram, portanto, estou a tentar ser tolerante, mas tem juízo, Laila."

"Eu tenho, pai."

"E de qualquer das maneiras, quero conhecer o rapaz, nem que seja apenas como teu amigo."

Laila acabou por acenar afirmativamente, sem outra alternativa. O pai estava a ser tolerante e esperava que aprovasse Keith, caso contrário seria complicado estar com ele, com o pai contra a relação. Por seu lado, Summer sorria interiormente, pensando que o pai poderia não gostar de Keith e então haveria confusão entre o pai e Laila.

As Três Irmãs Davis

No dia seguinte, Keith apareceu na casa de Laila. Ela tinha-lhe contado, no dia anterior, pelo telefone, que a situação com Summer estava resolvida e Keith ficara aliviado que assim fosse e que Laila já não tivesse de sair da sua casa. Laila também lhe indicara que Summer revelara aos pais o que se estava a passar entre Laila e Keith e o pai de Laila queria conhecê-lo. Laila esperava que Keith dissesse que não ou inventasse alguma desculpa, mas ele dissera-lhe que no dia seguinte teria todo o gosto em conhecer o pai dela.

Quando Laila foi abrir a porta, sorriu ao ver Keith, apesar de estar bastante nervosa. O seu pai estava na sala de estar.

"Como te disse, vim então conhecer o teu pai." disse Keith.

"Vieste mesmo. Pensei que acabavas por não vir." disse Laila. "O meu pai não é nenhum tirano, nem nada assim, mas..."

"Não te preocupes. Há-de correr tudo bem, de certeza. Afinal, porque é que eu não haveria de gostar dele ou ele de mim? Nem nos conhecemos, mas temos em comum o facto de gostarmos de ti, pelo que já é um bom começo."

Laila sorriu-lhe e levou-o até à sala. O pai de Laila levantou-se do sofá e cumprimentou Keith, avaliando-o de imediato. As roupas eram normais, não tinha nem brincos, nem piercings e parecia ter maneiras. De seguida, os três sentaram-se nos sofás da sala.

"A minha filha diz-me que vocês, enfim, são amigos coloridos, usando o termo que ela usou." disse Walker. "Mas tenho de te perguntar quais são as intenções que tens a respeito dela. É só uma diversão ou vai a caminho de algo sério?"

Laila arregalou os olhos. O pai começara logo por perguntar algo bastante importante e que na maioria dos casos afastaria os rapazes num piscar de olhos. Mas Keith manteve-se firme.

"E eu e a Laila estamos a conhecermo-nos melhor. Eu gosto da sua filha e as minhas intenções, acredite, são as melhores possível. Compreendo que possa pensar que se eu digo isto, então já a devia ter pedido em namoro, mas explico-lhe porque não o fiz." disse Keith. "Acontece que nos conhecemos há muito pouco tempo. Apesar de nos termos dado logo bem e de gostarmos da companhia um do outro, seria precipitado pedi-la em namoro e ficarmos, desculpe o termo, presos um ao outro, para depois talvez virmos a descobrir que nem temos muito em comum ou que nos precipitámos. Acho melhor eu e a Laila irmo-nos conhecendo melhor e, estando completamente seguros dos nossos sentimentos, darmos então um passo na nossa relação."

Laila deixou-se ficar imóvel, mas surpreendida pelo discurso de Keith. Walker também se mostrava surpreendido. Keith falara com convicção e honestidade.

"Muito bem, compreendo os teus motivos e as tuas intenções." disse Walker. "Parece-me que será uma boa ideia se almoçares connosco hoje. O que achas?"

Keith aceitou de imediato. Depois de mais um pouco de conversa, Keith e Laila saíram para irem passear. Tammara, que só conhecera Keith quando ele e Laila já iam a sair, falou com o marido por causa do amigo da filha.

"O que achaste dele? Estou preocupada. E se ele é má influência para a Laila?" perguntou Tammara.

"Não me parece. O rapaz causou-me boa impressão, para dizer verdade." admitiu Walker. "Acho que devemos deixar a nossa filha entender-se com ele, se for isso que pretendam."

Mais tarde, ao almoço, Summer, que ficara aborrecida por o pai não se ter dado mal com Keith, tentou virar o pai contra o rapaz dizendo que ele a tinha beijado. Keith explicou prontamente que fora ao contrário. Apesar de Summer ter dito que era mentira, Walker pediu para que ela se calasse e não interferisse mais, com mentiras para estragar a felicidade da irmã, o que deixou Summer furiosa.

As Três Irmãs Davis

Brooke estava na sua casa quando bateram à porta. Foi abrir de imediato e ficou contente ao ver que do outro lado da porta estava Ryan.

"Recebi as tuas mensagens a dizer que tínhamos de falar, portanto decidir vir pessoalmente, para não termos de conversar pelo telefone." disse ele.

"Óptimo. Entra."

Brooke levou Ryan até à sala de estar e os dois sentaram-se. Brooke respirou fundo.

"Ryan, o que tenho para te dizer é que, apesar de antes eu não ter correspondido aos teus avanços, sinto bastante falta de tudo. Das tuas mensagens, dos teus presentes, da atenção que me dedicavas." admitiu Brooke. "Portanto, eu quero que vamos sair mais vezes e nos conheçamos melhor para que talvez no futuro…"

"Lamento Brooke, mas isso não é possível." disse Ryan, de modo sério.

"Porquê?"

"Eu estive muito interessado em ti. Fiz imensas coisas e não te consegui chamar a atenção. Até pedi conselhos a uma pessoa sobre qual seria a melhor maneira de te conquistar. Essa pessoa disse-me que devia agir de maneira diferente… bom, até parece que tinha razão, visto que tu agora estás interessada." disse Ryan. "Mas a situação é que neste momento eu é que já não estou interessado em ti."

"Mas…"

"Quando te disse que ia conhecer outras raparigas, estava apenas a dizer isso para te causar ciúmes, mas depois… decidi realmente sair com outra rapariga, apenas para experimentar. Mas sabes que mais? Adorei. Ela deu-me atenção, carinho, coisas que tu nunca deste em todo o tempo que andei atrás de ti." disse Ryan. "Portanto, agora estou com outra pessoa. Não me quiseste antes, portanto agora perdeste-me de vez."

Pouco depois, Ryan foi embora, enquanto Brooke ficava bastante infeliz com aquela situação.

"Eu devia ter agido de maneira diferente com o Ryan." pensou Brooke. "Agora ele já não quer saber de mim… bolas."

As Três Irmãs Davis

Nessa tarde, Jane decidiu ir novamente à escola de ténis. Jogou uma partida, em que conseguiu ganhar por muito pouco e quando estava a ver com quem iria jogar a partida seguinte, Nathan apareceu a aproximou-se dela.

"Queres jogar uma partida contra mim?" perguntou ele.

"Bom, já sei que vou perder." disse ela. "Mas tenho ouvido boas coisas de quem tem jogado contra ti."

"Óptimo. Então vamos jogar."

A partida começou e terminou rapidamente. Apesar de se ter esforçado, Jane não estava ao nível de Nathan e ele ganhou com relativa facilidade. Depois, deu alguns conselhos a Jane e pediu-lhe para falar com ela a sós. Os dois foram para dentro da escola, para uma sala que estava vazia.

"Jane, como vês, eu estou a tentar mudar o meu comportamento." disse Nathan. "Acho que tenho de te agradecer por me abrires os olhos, digamos assim. Agora as pessoas estão a começar a gostar mais de mim e não me admiram menos como jogador por não ser tão rígido."

"Obviamente que não. Fico realmente satisfeita que estejas a mudar." disse Jane. "Vejo um grande futuro à tua frente, se continuares assim. Continuarás a ser bom jogador e terás muito mais fãs e seguidores, com certeza."

Nathan abanou a cabeça em assentimento. Os dois ficaram a olhar-se em silêncio durante uns segundos e depois Nathan avançou para Jane, claramente para a tentar beijar.

"É melhor não fazeres isso." disse Jane.

Nathan parou e olhou-a.

"Porque não?"

"Porque não estou preparada para me envolver com ninguém agora." respondeu ela. "Saí de uma relação abusiva e ainda não estou preparada para isso. Além de que temos vidas muito diferentes. Eu estou aqui apenas por passatempo. Quando começarem as aulas, eu já não voltarei aqui e provavelmente nunca mais te verei."

"Não tem de ser assim."

"Desculpa Nathan, mas tem." disse Jane.

Nathan acabou por suspirar e estendeu a mão a Jane.

"Muito bem, compreendo que não tenho hipóteses contigo então. Até fiquei espantado comigo mesmo por me ter interessado por ti. Talvez porque foste das poucas pessoas que me fez frente." disse ele, sorrindo de seguida. "Mesmo que não seja como namorados, espero que possamos ser amigos… pelo tempo que durar, seja qual for."

Jane estendeu a sua mão também e apertou a mão de Nathan.

"Espero o mesmo." disse ela, sorrindo de seguida.

As Três Irmãs Davis

Os dias passaram-se rapidamente e chegou o inicio do mês de Setembro. Keith era agora uma presença assídua na casa da família Davis, o que deixava Laila feliz e Summer irritada. Summer começara a ter sessões com um psicólogo, mas não estava a prestar qualquer atenção aos conselhos que ele lhe dava ou às análises que ele fazia, para que Summer visse as coisas de maneira diferente e deixasse de odiar Laila.

Apesar de não ter voltado a tentar nada contra a irmã, Summer estava já a planear duas situações para fazerem Laila infeliz. As coisas que Laila mais gostava eram a sua família, Keith e o seu blogue. Visto que não podia fazer mal aos seus familiares, tirando Laila, Summer planeava algo para as outras duas situações.

Gray voltara a ir ver os pais para pedir mais dinheiro, mas desta vez eles tinham recusado, visto que não tinham assim tanto dinheiro para lhe estarem sempre a dar, com tanta frequência. Gray insultou-os e saiu da casa furioso, enquanto Keith se sentia satisfeito por os pais não terem cedido daquela vez.

Nathan tinha partido para um torneio de ténis muito importante e Jane tinha falado com ele antes de partir, desejando-lhe boa sorte. Brooke tentava agora esquecer Ryan e visto não ter mais nenhum pretendente no momento, dedicava-se a comer chocolate para esquecer que ele já não estava interessado nela.

Naquela manhã, Summer levantou-se cedo, decidindo que era nesse dia que iria pôr um dos seus planos em acção. Quando desceu para tomar o pequeno-almoço, viu Laila a sair e decidiu que podia comer depois de fazer o que tinha de ser feito.

Foi atrás de Laila e como esperava, ela saiu de casa e dirigiu-se de imediato à casa de Keith. Laila bateu à porta e Keith veio abrir, estando já à sua espera. Os dois deram um beijo e Summer revirou os olhos.

"Aqueles dois, tão juntinhos e felizes." pensou Summer. "Isso irrita-me profundamente. A Laila é uma lambisgóia e o Keith é um estúpido. Não merecem estar felizes, portanto, vão ter o que realmente merecem."

Summer avançou, passando pelo portão de entrada da casa de Keith e chegou até Laila e Keith, que a olharam, com algum aborrecimento nas suas expressões.

"O que estás aqui a fazer, Summer?" perguntou Keith. "O que queres?"

"Quero dizer a verdade e apenas a verdade." respondeu Summer.

Laila respirou fundo, sabendo que Summer iria dizer mais alguma coisa inapropriada para a aborrecer a ela e a Keith.

"Laila, eu e o Keith dormimos juntos e não te contámos para não te aborrecer, mas agora chegou a altura da verdade ser revelada." disse Summer, de maneira dramática.

"Isso é mentira! Eu nunca dormi contigo, Summer." disse Keith.

Laila revirou os olhos perante aquela tentativa bastante estúpida de a aborrecer e a separar de Keith.

"Summer, tu nunca dormiste com o Keith, portanto não estejas a mentir." disse Laila.

"Não é mentira!" exclamou Summer. "E há mais. Eu estou grávida dele."

Keith e Laila entreolharam-se e depois os dois começaram a rir-se, fazendo Summer ficar vermelha de fúria.

"Summer, tu és patética. Pensaste que isto me ia separar da Laila?" perguntou Keith. "Ela sabe que nunca tive nada contigo."

"Exactamente. Summer, ninguém te quer. Nenhum rapaz se aproxima de ti, porque tu afastas toda a gente com a tua personalidade. Portanto, boa sorte para essa falsa gravidez. Convida-nos depois para padrinhos, quando o bebé falso nascer. Vamos então sair Keith, apetece-me ir dar uma volta ao parque."

Keith fechou a porta atrás de si e ele e Laila afastaram-se pelo passeio da rua, enquanto Summer batia o pé no chão. Mais um plano falhado, com ela a fazer figuras estúpidas.

"Bolas, o meu plano falhou redondamente. Eles nem sequer se zangaram por um segundo que fosse e não acreditaram em nada do que eu disse." pensou Summer. "Já sabem que tudo o que digo é mentira... ok, mas isto ainda não acabou. Tenho ainda mais um plano e esse não vai falhar."

As Três Irmãs Davis

Enquanto Summer ficava para trás, a pensar no plano que lhe restava, Laila e Keith caminharam até ao parque. Ao chegarem lá, deram uma volta pelo lago, conversando animadamente e já tendo esquecido a tentativa frustrada que Summer fizera para os separar.

"Em pouco tempo as aulas vão recomeçar." disse Keith. "Para mim, vai ser uma nova escola e novos colegas. Espero que me vá adaptar."

"Com certeza que vais." disse Laila. "Mas ainda faltam uns dias para as aulas começaram, portanto vamos aproveitar o tempo."

Enquanto os dois iam caminhando e conversando, não repararam que duas pessoas se aproximavam deles.

"Olá Laila e Keith." disse uma das pessoas.

Laila e Keith viraram-se e viram que era Zachary que ali estava, acompanhado de uma rapariga baixa e magrinha, que trajava um vestido amarelo florido.

"Zachary, há algum tempo que não te via." disse Laila, que não estava muito contente por ver Zachary novamente.

"Pois é, tenho andado ocupado. Soube que a Summer te acusou de a teres tentado matar, aliás, toda a gente soube porque notícias dessas espalham-se rapidamente." disse ele. "Mas ainda bem que não foste presa ou algo assim. Deixem-me apresentar-vos a Margaret, a minha namorada."

Keith e Laila ficaram surpreendidos com aquela revelação de que Zachary tinha uma namorada. Margaret cumprimentou-os com toda a cortesia.

"Margaret, está a apetecer-me uma bebida fresca." disse Zachary. "Vai ao café comprar qualquer coisa."

"Sim meu torrão de açúcar, vou já." disse Margaret, numa voz fina e melodiosa.

Logo de seguida, Margaret afastou-se, indo em direcção ao café. Zachary pôs um ar emproado.

"A Margaret é muito dedicada a mim. É a namorada perfeita e é super rica." revelou ele. "Faz tudo o que eu mando sem hesitar. Enfim, ficou logo apanhadinha pelo meu charme e pela minha maravilhosa colecção de peúgas."

"Que bom para vocês." disse Keith, com uma ponta de sarcasmo na voz. "Espero que os dois sejam muito felizes."

"Exactamente." disse Laila. "Ainda bem que já começaste a namorar com alguém porque na verdade já estava farta de que andasses atrás de mim. Bom, adeus."

Laila e Keith afastaram-se, enquanto Zachary lhes lançava um olhar aborrecido.

"Aqueles dois nem se mostraram nada interessados no meu namoro com a Margaret. Eu a pensar que me iam perguntar como a tinha conhecido e tudo. Foi tão interessante, conhecê-la no clube de coleccionadores de peúgas." pensou Zachary. "Enfim, é melhor ir ter com a Margaret ao café. É burra que nem uma porta e ainda me traz alguma coisa quente em vez de uma bebida fria. Mas ao menos é dedicada a mim, que é o que importa."

As Três Irmãs Davis

As horas passaram e eram quase cinco da tarde quando Keith recebeu, no telemóvel, uma chamada da mãe. Keith já estava em casa e estava sentado na cama do seu quarto, a ler uma revista de desporto.

"Querido, passou-se uma coisa terrível." disse a mãe de Keith, Shandra, do outro lado da linha.

"Que coisa, mãe? Tu estás bem?" perguntou Keith, ficando subitamente preocupado.

"Eu estou, sim. O teu pai ligou-me e estou agora a ir a caminho da esquadra. O teu pai recebeu uma chamada no telemóvel dele e depois ligou para mim. Aconteceu que ao que parece o Gray tentou assaltar uma joalharia hoje." disse Shandra. "Mas o dono da joalharia conseguiu imobilizá-lo e chamou a polícia. O Gray está na esquadra e é por isso que estou a ir para lá. Queria que soubesses o que se passou."

Pouco depois, Shandra desligou a chamada. Keith abanou a cabeça, ficando pensativo.

"O Gray tentou assaltar uma joalharia." pensou ele. "Não estou surpreendido. Os pais não lhe deram dinheiro e ele preferiu ir pelos maus caminhos a seguir um caminho honesto, que seria arranjar um emprego e assim ter dinheiro para as suas necessidades. Agora, sempre quero ver se ele fica preso ou não."

As Três Irmãs Davis

Três horas depois, Gray e os pais chegaram a casa. Keith desceu as escadas e foi ter com eles, reunindo-se todos na sala de estar. O pai de Keith, Jeremy, era um homem alto e de cabelo claro. Nesse dia, parecia mesmo muito zangado e cansado também.

"Então, o que é que se passou na esquadra?" perguntou Keith.

"Tivemos de pagar uma fiança para o Gray aguardar o julgamento em liberdade." respondeu Jeremy. "Mas o que ele fez foi muito grave."

"Para quê tanto alarido? Eu nem roubei nada." disse Gray.

"Não roubaste porque o dono da loja te conseguiu tirar a arma das mãos e imobilizar-te." disse Jeremy, furioso. "Que vergonha! Ter um filho meu a ser preso por andar a fazer assaltos! Já não bastava quando foste uma vez levado à esquadra por teres batido noutro rapaz e passaste lá uma noite."

"Quero acreditar que este foi o primeiro e único assalto que fizeste, Gray." disse Shandra, olhando para o filho mais velho.

"Eu sabia que nada de bom podia vir de ti, Gray, mas sinceramente, assaltar uma joalharia? És mesmo reles." disse Keith.

Gray cerrou os punhos e olhou para os três familiares.

"Se eu fiz isto, a culpa é toda vossa! Deviam ter-me dado o dinheiro como eu pedi, mas como não o fizeram, tive de ir roubar. A culpa é vossa porque me obrigaram a isto!"

Todos ficaram imóveis durante um segundo e depois Jeremy avançou para o filho e deu-lhe uma bofetada.

"Não te atrevas a culpar-nos pelo que tu fizeste! Toda a vida eu e a tua mãe te ajudámos, fizemos-te as vontades, deixámos que tu escolhesses o que fazer da tua vida e mesmo quando não fazias nada, nós não te obrigámos a arranjar um emprego ou a ir estudar. E agora acusas-nos a nós de sermos os culpados pelas tuas acções?" perguntou Jeremy, furioso.

"Finalmente que vocês abriram os olhos para verem o verdadeiro Gray." disse Keith. "Já não era sem tempo. E desculpem, mãe, pai, mas devido a vocês não se terem imposto antes é o que o Gray é assim. Sempre foi habituado a ter tudo o que queria, sem ter de fazer nada por isso. Quando viu que já não ia ter dinheiro sem fazer nada, optou pela maneira mais fácil."

Jeremy e Shandra entreolharam-se e passado uns segundos abanaram as cabeças. Reconheciam que deviam ter tomado uma atitude antes, mas ainda não era tarde demais. Viraram-se para Gray.

"A partir de hoje, as coisas vão mudar, Gray." disse Jeremy. "Vais passar a viver aqui em casa e eu e a tua mãe vamos estar de olho em ti."

"Exactamente. Vais arranjar um emprego o mais rápido possível. Tens de começar a ser responsável." disse Shandra.

"Um emprego? Nem pensar! Eu não fui feito para trabalhar." queixou-se Gray.

"Vais fazer o que mandamos e mais nada!" exclamou Jeremy. "Se recusares, vais viver para a rua, porque a tua avó não te vai receber novamente, nem te vamos ajudar em nada. E sem um bom advogado, parece-me que ainda vais ser condenado ou então tornas-te um sem abrigo."

"Vocês não tinham coragem!" exclamou Gray. "Não me iam deixar na rua..."

"Acho que os pais estão a falar muito a sério." disse Keith. "Vais arriscar, Gray?"

Sem outra alternativa, Gray teve de aceitar as condições impostas.

As Três Irmãs Davis

Dois dias depois, Summer executou o seu plano. Tinha andado bastante tempo a tentar descobrir qual o username e password que Laila utilizava para se logar no seu blogue. Depois de várias tentativas, Summer conseguira descobrir que o username era o mail de Laila, mas a password ainda lhe era desconhecida.

Summer decidiu então revistar o quarto da irmã enquanto ela estava fora de casa e num bloco de notas encontrou algumas anotações. Depois de algumas tentativas, descobriu a combinação correcta.

"Agora é que a Laila vai ficar muito aborrecida." pensou Summer, contente. "Cá vou eu."

De seguida, Summer postou no blogue imagens pornográficas. Logo depois, deslogou-se e reportou o conteúdo do blogue.

"Perfeito." pensou ela. "Não tarda nada, esta situação é analisada, vão descobrir as imagens postadas e vão, de certeza, fechar o blogue por conteúdo impróprio."

As Três Irmãs Davis

Mais tarde, quando Laila chegou a casa, de mais um passeio com Keith, acedeu à internet e foi ao seu blogue, quando lhe surgiu uma mensagem de que o blogue estava suspenso e já não existia. Alarmada, Laila tentou aceder-lhe novamente, mas não conseguiu. Ao aceder ao seu e-mail, Laila descobriu um e-mail informando-a da suspensão do seu blogue por conteúdo impróprio e detalhes da situação.

"Não pode ser!" pensou Laila, perplexa. "Como é que isto pode ter acontecido? Eu não postei nada disto. Só se... claro, alguém postou isto por mim."

De imediato, Laila pensou na irmã mais nova e foi até ao quarto dela, mas Summer não estava lá. Laila desceu as escadas e procurou pela irmã, mas não encontrou.

"Deve ter saído." pensou Laila. "Que raiva! Ela não vai escapar impune disto. Ai não vai, não."

Alguns minutos depois, Summer chegou a casa. Tinha ido fazer umas compras com a sua mesada e estava bastante animada. Laila encarou-a.

"Summer já sei o que tu fizeste!" exclamou ela.

"Desculpa? Não sei do que é que tu estás a falar." disse Summer, fazendo-se despercebida.

"Sabes sim! Tu, de algum modo, conseguiste destruir o meu blogue. Tu sabes que eu adorava o meu blogue e mesmo assim fizeste com que o suspendessem."

"Ai o teu blogue foi suspenso? Tenho imensa pena." disse Summer. "Mas eu não fiz nada e parece-me que não tens provas para me poderes acusar."

Summer empurrou a irmã para o lado e passou por ela, deixando Laila bastante zangada. Apesar de mais tarde Laila ter feito queixas aos pais, não havia prova de que fora Summer.

"Também me parece que só pode ter sido ela." disse Jane, quando ela e Laila estavam sozinhas. "Mas o problema é que isso não é fácil de provar."

As Três Irmãs Davis

Três dias depois do blogue de Laila ter sido suspenso, ela ainda não se tinha conformado com a situação. Estava decidida a fazer com que Summer pagasse pelo que tinha feito e visto que não tinha provas contra ela, aproveitou que Summer saíra para revistar o seu quarto. Jane ajudou-a.

"Será que vamos mesmo encontrar alguma coisa? Quer dizer, a Summer não é burra, apesar de tão não ser o cúmulo da inteligência. Não ia deixar à mostra nada que a pudesse culpar do que quer que fosse." disse Jane.

"Eu sei disso, Jane, mas mesmo que não encontremos nada, pelo menos tentámos."

As duas continuaram a procurar, mas Summer não deixaram nada escrito. Ao tentarem aceder ao seu portátil, ele estava protegido por uma palavra passe que nenhuma das duas sabia qual era. Depois de terminarem as buscas no quarto, estavam ambas desapontadas por não terem encontrado nada.

"De certeza que se houver alguma coisa, está no portátil." disse Laila. "Mas não conseguimos aceder a ele por causa da palavra passe."

"Pois é. Lamento isto tudo, Laila, mas é melhor desistirmos."

Laila ficou calada e começou a formar-se uma ideia na sua cabeça. Talvez não fosse resultar, mas não perdia nada por tentar.

As Três Irmãs Davis

Quando Summer entrou em casa, viu de imediato Laila no hall de entrada, à sua espera. Laila tinha o portátil de Summer debaixo do braço.

"Summer ainda bem que chegaste. Temos de falar." disse Laila. "Consegui aceder ao teu portátil e vi os registos de entrada no meu blogue no dia em que ele foi suspenso, portanto, já tenho a prova que me faltava para mostrar aos pais que tu és a responsável pelo que aconteceu ao meu blogue."

Laila estava a mentir, tentando que a irmã se precipitasse e acabasse por falar demais. Summer foi tomada pelo pânico e avançou para Laila, tirando-lhe o portátil das mãos.

"Agora não tens nada! Eu vou apagar o histórico da minha navegação na net e os pais nunca vão saber de nada!" exclamou Summer.

Laila teve aí a sua confirmação, mas já que Summer caíra na sua armadilha, era porque no portátil havia mesmo provas, pelo que se conseguisse convencer os pais a obrigarem Summer a aceder ao portátil em frente a eles, conseguiria uma prova directa para lhes mostrar.

"Dá cá o portátil." disse Laila, tentando tirá-lo das mãos de Summer.

"Não!" gritou Summer, saindo porta fora.

Laila foi atrás da irmã e Summer correu para o passeio da rua.

"Summer, volta aqui! Não vais escapar desta vez!" gritou Laila.

"Não vais conseguir o que queres!" exclamou Summer.

Summer pensou que deveria afastar-se dali, eliminar o histórico no portátil e depois poderia voltar a casa, já sem qualquer prova do que fizera. Summer correu pela estrada, pois pretendia ir para o outro lado da rua e daí fugir para longe.

Porém, não viu que enquanto atravessava a rua a correr, um carro ia a passar a alta velocidade. O condutor não teve tempo de parar e embateu em Summer com toda força. Summer foi atirada ao ar, rebolou pela capota do carro e depois caiu na estrada. O seu portátil caiu ao chão, partindo-se em bocados. No passeio, Laila gritou. Zachary e Margaret, que iam passar na rua, viram a cena.

"Que coisa horrível." disse Zachary.

"Pois é. Tem de se chamar uma ambulância. A rapariga foi atropelada." disse Margaret, algo amedrontada.

"O que estou a dizer que é horrível é o facto do portátil se ter partido. A Summer é uma rapariga forte. Podia levar com uma manada de touros que mesmo assim não morria."

As Três Irmãs Davis

"Como é que ela está doutor? Ela vai ficar bem?" perguntou Tammara.

A família estava na sala de espera do hospital, aguardando notícias sobre o estado de Summer. Quando o médico se aproximara, todos se tinham levantado das cadeiras onde tinham estado sentados.

"Ela agora está estável." explicou o médico. "No entanto, a sua condição não é boa. O impacto foi muito violento e as pernas da Summer foram muito afectadas. Há menos de dez por cento de probabilidades de ela alguma vez voltar a andar."

Aquela notícia chocou toda a família. Tammara começou a chorar bastante, enquanto Walker a abraçava. Laila sentia-se muito triste, porque não queria que aquilo tivesse acontecido com a irmã, apesar de tudo o que ela lhe tinha feito. Enquanto Walker e Tammara foram visitar a filha ao quarto onde estava agora, Jane tentou consolar Laila.

"Não te sintas culpada pelo que aconteceu." pediu Jane.

"Mas ela estava a fugir porque eu queria ficar com o portátil dela. Se eu não lho tivesse tentado tirar..."

"Não vale a pena pensares nisso agora. A Summer é culpada por ter atravessado a estrada sem olhar e o condutor porque ia muito depressa, mas tu não és culpada de nada."

Pouco depois, foi a vez de Jane e Laila irem ver Summer, que já sabia o seu diagnóstico. Mal viu Laila entrar no quarto, Summer lançou-lhe um olhar de ódio.

"O que é que estás aqui a fazer? Vieste rir-te de mim, foi?" perguntou ela.

"Não, Summer, claro que não." respondeu Laila.

"Agora não posso andar... provavelmente vou passar o resto da minha vida presa a uma cadeira de rodas." disse Summer. "Mas não te preocupes que eu mesmo assim sou melhor que tu, Laila. Sempre fui."

"Tu não tens remédio, Summer." disse Jane. "Nem nas tuas condições actuais és capaz de pôr de lado o teu orgulho e a tua inveja. A tua vida mudou, lembra-te disso."

"Não quero saber! Eu sou mais bonita que a Laila e que tu também, Jane. E terei um óptimo futuro."

"Sabes Summer, sinto pena de ti." disse Laila, encarando a irmã. "Viveste a tua vida sempre a tentar ser melhor que os outros, mas na verdade, nunca conseguiste. Em vez de criares uma identidade só tua, viveres algo só teu, andaste sempre a tentar competir comigo. Agora, muitas coisas que podias ter vivido deixaram de ser possíveis. Espero que agora penses que deves mudar e viver a tua vida ao máximo, mesmo se estiveres numa cadeira de rodas. O tempo para competires comigo acabou e espero que aceites isso, caso contrário, prevejo que no teu futuro haja apenas solidão."

De seguida, Laila virou costas e saiu do quarto, com Jane atrás de si. Na cama, Summer cerrou os punhos, enquanto lágrimas de raiva lhe assomavam aos olhos.

"Como é que isto me pode ter acontecido?" perguntou-se ela. "A Laila agora vai ser sempre superior a mim... menos na beleza. Mas vai poder correr, subir escadas e eu... que raiva!"

As Três Irmãs Davis

No dia seguinte, Brooke decidiu ir ao hospital ver Summer, visto que ela ficara lá internada por uns dias. Entrou no quarto acompanhada de Jane. Summer, que agora gritava com toda a gente, ficou possessa ao vê-la ali.

"Sai daqui gorda miserável! Fora!" gritou Summer, a plenos pulmões.

"Summer, pára com isso." repreendeu-a Jane. "A Brooke veio ver-te e não tens de estar para aí aos gritos. Comporta-te se fazes favor. Agora passas a vida a gritar com toda a gente."

"Deixa estar, Jane." disse Brooke, aproximando-se mais da cama de Summer. "Vim apenas dizer-te que eu tinha razão. Eu avisei-te. Tu fizeste tanto mal que este é o castigo. Podemos chamar a isto o castigo divino."

"Sua estúpida! Não faças pouco de mim!" exclamou Summer.

"Tenho mesmo pena de ti. Pobre criatura. És uma sombra do que já foste e poderias ter sido. Vês, devias ter sido boa para os outros, mas assim, acredito realmente que foste castigada." disse Brooke. "Mas a vida não pára. Estares numa cadeira de rodas não é o fim, é o princípio. Espero que seja o princípio de uma mudança para ti. Uma mudança para melhor."

"Fora! Sai daqui!"

Brooke virou costas e saiu do quarto. Jane olhou para a irmã mais nova.

"Summer, tens de te acalmar." disse Jane. "E começa a ser simpática com as pessoas, sim? Caso contrário, ficas mesmo sozinha, porque ninguém é capaz de te aturar."

"Você odeiam-me todos. Estão todos felizes pelo que me aconteceu." acusou Summer.

"Não, isso é mentira. Todos temos pena, todos queríamos que tudo fosse diferente, mas não é. Agora, só tu podes mudar o teu futuro. Pensa nisso."

As Três Irmãs Davis

Passou-se um mês desde o acidente de Summer. Tinha sido comprada uma cadeira de rodas para ela e uma sala do rés-do-chão da casa tinha sido transformada no seu novo quarto, visto que ela já não podia subir escadas. Com tudo o que acontecera, Laila decidira esquecer o que Summer fizera ao seu blogue e criar um novo, começando do zero.

Summer voltara para casa e estava agora ainda pior do que anteriormente. Estava sempre aborrecida e sempre a reclamar com tudo e com todos, principalmente com Laila, que na maioria das vezes a ignorava. Os conselhos das irmãs e dos pais não faziam qualquer efeito.

"Quero água. Vai buscar-me um copo de água mãe. Estás à espera de quê?" perguntou Summer, lançando um olhar irritado à mãe.

Tammara apressou-se a sair do quarto rapidamente. Era ela que fazia as vontades todas à filha. Jane e Laila viram-na passar por elas e abanaram a cabeça.

"A Summer nunca vai mudar, pois não?" perguntou Laila.

"Acho que não, infelizmente. Temo o que o futuro lhe possa trazer."

As Três Irmãs Davis

Zachary não voltara a ser visto nem por Laila, nem por Keith e ninguém sentira muito a sua falta. O namorado dele e Margaret estava bastante sério e os dois tinham adquirido muitos novos pares de peúgas, para a colecção de ambos. Gray começara a trabalhar como pedreiro, algo que detestava, mas fora a única coisa que conseguira arranjar e os pais estavam sempre atentos e a pressioná-lo. O julgamento ainda não fora marcado, pelo que Gray aguardava, com receio de ser preso.

Nathan acabara por vencer o torneio onde participara e Jane acabara por ficar a saber que ele tinha doado o prémio monetário a uma instituição de caridade, pelo que ficara satisfeita por Nathan continuar a ajudar os outros. Brooke decidira que nesse ano iria arranjar um namorado, desse por onde desse. Quanto a Ryan, o seu namorado com a rapariga com quem começara a sair tornou-se oficial.

Elaine voltara a aparecer na casa da família Davis e quisera falar com Jane. As duas tinham ido falar para a sala de estar e Elaine tinha contado a Jane todas as novidades.

"Saí de casa e acabei tudo com o Dalton." revelara Elaine. "A minha mãe não ficou nada satisfeita, aliás, a bem dizer foi ela que me expulsou de casa, mas agora estou a viver em casa de uma tia minha. Livrei-me da minha mãe e do Dalton e, sinceramente, estou mesmo bastante feliz agora."

"Ainda bem, Elaine. Pensei que nunca mais te veria e que irias continuar a suportar maus tratos por parte do teu namorado, mas felizmente que as coisas mudaram."

"Pensei imenso no que me disseste e no que te tinha acontecido a ti. Portanto, decidi actuar. Não podia deixar a minha vida continuar a ser como era, porque estava muito infeliz. Obrigada por teres partilhado comigo a tua história, Jane."

"Não tens de agradecer. Fico mesmo contente por tudo ter corrido pelo melhor."

As Três Irmãs Davis

Naquela tarde, Laila e Keith estavam na escola, sentados em duas cadeiras, num dos pavilhões da escola e a conversarem um com o outro. As aulas tinham começado e ao contrário do que Keith receara, adaptara-se bastante bem e estava a gostar imenso.

"E então, a Summer começou a gritar que queria comer bolachas, mas não queria sair do quarto dela para as ir buscar." disse Laila. "O meu pai obrigou-a a ir buscá-las e pronto. Lá por ela estar numa cadeira de rodas, não quer dizer que não possa fazer nada. A Summer abusa."

"Não seria de esperar outra coisa, Laila. Há muita gente em cadeira de rodas que é independente, mas a Summer está a tentar aproveitar-se ao máximo para não fazer nada." disse Keith. "Enfim, o Gray também é assim. Se pudesse, não fazia nada. Mas os meus pais estão atentos e portanto ele não pode sair da linha."

Pouco depois, os dois levantaram-se e começaram a caminhar pela escola. Já tinham terminado as suas aulas, mas os dois preferiam estar ali na escola do que iriam para casa e terem de ver ou Summer ou Gray ou os dois.

"Laila, tenho algo para te perguntar." disse Keith.

"Ai sim? O quê?"

"Acho que agora já nos conhecemos bastante melhor e considerando que passamos grande parte do tempo juntos, acho que talvez esteja na altura de tornamos oficial a nossa relação."

"Isso é um pedido de namoro, Keith?"

"Sim, é isso." disse ele, parando de andar e encarando Laila. "Laila, tu aceitas namorar comigo?"

"Claro que aceito." disse ela.

De seguida, os dois beijaram-se e pouco depois, começou a chover bastante. Os dois ficaram à chuva, sem se descolarem um do outro.

"Somos oficialmente namorados, então." disse Keith.

"E não há nada que nos possa separar. Nem Zachary, nem Summer, nem nada." disse Laila.

"Exactamente. Mas é melhor sairmos da chuva, senão amanhã, em vez de estarmos contentes por estarmos a namorar, vamos mas é estar de cama."

Keith puxou Laila dali para fora e encontraram abrigo num dos edifícios de aulas, onde trocaram mais uns beijos.

Fim

E assim a história chega ao fim. Espero que tenham gostado. Até uma próxima história.