V says: Quero fazer um exame e preciso de uma assinatura.

L. Cuddy says: Agora é assim? Vc não vem nem me visitar mais?

Ouvi o som do joguinho do Mario Brós quando mandei a mensagem. Ele havia acabado de receber e estava atrás da minha porta.

"Pode entrar, House."

Eu sentia tanta falta disso.

Depois de finalmente termos nos acertado, voltei a trabalhar no Princeton Plainsboro e descobri todo o plano maléfico da vigança de V.

House havia influenciado Wilson com aquele site de relacionamentos e fez com que ele o apresentasse pra mim sem perceber. Algum tempo depois ele veio até House preocupado e mandão, dizendo que ele havia me perdido pra sempre e que eu estava apaixonada por alguém que conheci na internet.

House deu uma longa gargalhada e teve que contar a ele que era o V.

Eu só não descobri como ele tinha certeza que eu iria me apaixonar por ele de novo.

V says: Vc está linda hoje, sabia?

Ele digitou a mensagem do celular enquanto olhava pra mim sem dizer nada e eu entrei no jogo.

L. Cuddy says: Obrigada, V. É uma pena que eu tenha namorado.

V says: Sério? Ele vai ficar mto bravo se eu me aproximar, te agarrar e fazer amor com vc em cima dessa sua mesa cheia de problemas?

L. Cuddy says: Talvez.. Mas ele está mto preocupado com os pacientes agora, se vc vier rápido acho que posso fazer isso por vc.

Eu me levantei e fui até ele que digitou mais uma mensagem e me segurou pela cintura. Eu abaixei meus olhos para meu celular e o segurei pela nuca com a mão direita.

V says: Rápido tipo agora?

Eu digitei a resposta e joguei me celular em cima da poltrona.

L. Cuddy says: Oh Yes! =)

House fez o mesmo depois de ler o que eu tinha dito e me empurrou para a minha mesa, me deixando sentada e se colocando entre minhas pernas.

Ele beijou me pescoço e passou sua língua molhada por toda a extensão dele. Eu amava quando V fazia isso, não tinha nada que me excitava mais do que os beijos no meu pescoço, as mãos em minha coxa e o membro dele fazendo pressão contra mim.

Ele me teve completamente e nós fizemos um amor selvagem, com força, gemidos e muito prazer.

V era deliciosamente bom nisso.

"Acho que vou ter que contar pro meu namorado sobre isso."

Disse a ele, meio ofegante, quando consegui me recuperar de um orgasmo.

"Acho que ele vai ter que provar pra você que é melhor do que eu."

House mordeu minha orelha e me apertou.

Essa vida entre V e ele estava me matando, mas quem não gostaria de morrer de prazer, afinal?