Marjory Jones olhava compenetrada pela janela da sala, sua mãe Caroline tentou discretamente sem muito sucesso chegar por trás da filha.

- O que tem de bom nessa janela? – perguntou fazendo Marjory se virar séria e dar de ombros. Carol se colocou a observar todo o jardim ainda desconfiada. Se sentou ao lado da filha no sofá. – Alguma hora irá aparecer o motivo.

Como um trasgo peludo seu corpo vai mexer

O "rock and roll" vai aprender

Gire como um elfo maluquinho

dançando sozinho

Como um unicórnio você vai dançar

Até o sol nascer, sem parar

As mãos para o alto levantando

Como um ogro que não está nem ligando.

- Mãe não tem motivo – Carol revirou os olhos.

- Eu te conheço dês que você nasceu espirrando na cara do seu pai – Méia deu um sorriso.

Carol enrolou os cabelos negros da filha com o dedo esperando, ela convocou uma travessa de sorvete para cada uma e ficaram olhando pela janela.

Você consegue dançar como um hipogrifo?

mamama, mamama, mamama

Atirando-se de um penhasco

mamama, mamama, mamama

Precipitando-se sobre o chão

mamama, mamama, mamama

Voando em círculos por todo lugar

mamama, mamama, mamama

Imite um fantasma assustador

Aterrorizante como ele só

- Casa de doidos SHAUSHAUHSAU – disse Nick Jones ao entrar na sala e ver a cena.

- Você mora na casa – lembrou Caroline ao neto.

- Por isso que digo – ele se sentou no outro lado da Marjory esperando. – O que estamos esperando?

- Não sei – Marjory sorriu ouvindo os comentários dos dois ainda em silencio.

- Chegou à hora – disse depois de duas horas quando já começava a ficar de tardezinha.

Os outros dois se inclinaram para a janela tentando ver o que tinham esperado a tarde toda.

Chacoalhe como um bicho-papão em dor

Outra vez e outra vez e outra vez

Aja como um fantasma raivoso

Que veio para pegá-lo

Bata os pés como um leprechaun

Manda ver! Manda ver!

Vitor Jones, irmão mais velho de Marjory e seu constante companheiro de idéias apareceu com alguém que parecia muito…

- Aquele não é o seu ex que seu pai expulsou daqui com feitiços? – perguntou Caroline.

- É – Marjory se inclinou mais pela janela. – Eu não preciso do papai para me defender.

- SHAUSHAUHSUA – Nick começou a rir no lado. – O que você fez com ele?

- Hora do show – ela pulou do sofá e os dois a imitaram descendo correndo atrás.

Você consegue dançar como um hipogrifo?

mamama, mamama, mamama

Atirando-se de um penhasco

mamama, mamama, mamama

Precipitando-se sobre o chão

mamama, mamama, mamama

Voando em círculos por todo lugar

mamama, mamama, mamama

- Quando eu preciso eu acabo os assuntos – disse Marjory dispensando Vitor com a frase que se colocou do lado dos outros dois.

- Oi Marjory – falou o garoto olhando para os lados em busca de uma fuga.

- Eu vou fazer você entender quem é Marjory Jones – ele voou nem sabendo o que havia o levado.

Carol arregalou os olhos, Vitor sorriu orgulhoso e Nick riu alto. Uma pessoa passou correndo por eles, Adla.

Você consegue dançar como um hipogrifo?

mamama, mamama, mamama

Atirando-se de um penhasco

mamama, mamama, mamama

Precipitando-se sobre o chão

mamama, mamama, mamama

- Cah – falou reprovadora quando conseguiu proteger o garoto das maldições de Marjory.

- Ela só estava se divertindo – justificou e chamou os dois filhos com os braços apertando em um abraço enquanto iam à direção da casa.

Os três sorriam marotamente enquanto iam para o quarto da mãe onde ela convocou varias guloseimas.

- Eu me orgulho tanto dos dois – disse com os olhos brilhando. Essa era a verdade, a família simplesmente é feita de quem se amam e Carol sempre se orgulharia dos dois.

Voando em círculos por todo lado

Vamos lá!

Yeah

Você consegue dançar como um hipogrifo?