Vanity

Capitulo 4


"Sakura…" Syaoran fez uma pausa para observa-la. Enquanto ela se virava, o seu cabelo voava um pouco com o vento, ficando colado á sua cara. "O que fazes aqui?" Perguntou com um sorriso grande nos lábios.

"Hm.. Olá Syaoran!" Respondeu Sakura um pouco atrapalhada, olhando para todo o lado, menos para ele. "Eu… eu estava a espera da Tomoyo! Sim! É isso! Eu estou á espera da Tomoyo!" E deu um sorriso um pouco forçado!

Ele deu dois passos na direcção dela, um pouco com nervosismo. Ainda se lembrava daquela noite quente que ambos tiveram. E também se lembrava muito bem da vontade que ele tinha de lhe ter ligado. E neste momento, o seu único desejo era agarrar nela e ir embora com ela para qualquer sitio onde pudessem ficar os dois sozinhos, onde pudessem conversar, fazer um pouco de flirt e quem sabe, repetir aquela noite, aquela maravilhosa noite.

"Queres companhia? Eu sai agora do trabalho," disse, apontando para o edifício atras de si. "e nao tenho muito para fazer." Coçou a cabeça, nervoso. Estava com medo que ela dissesse que não, já que ele nunca lhe chegou a ligar.

"hm…." Sakura estava atrapalhada. Sabia que ele não lhe tinha ligado depois daquela noite devido a algo relacionado com o outro homem que estava no elevador, só que apesar disso, ele nao tinha feito nenhum esforço para comunicar com ela, nada. "Eu vou ligar para ela… Começo a descontar que ela venha!" Sakura afastou-se um pouco dele, agarrou no telemovel e ligou para a sua melhor amiga.

"Tomoyo! Que faço? O Syaoran apanhou-me a sair do edifício e ele é da empresa Li, o presidente da empresa Li! e por alguma razão ele nao pode estar comigo! Um homem qualquer disse-lhe que era impossível nao sei porque! Eu disse-lhe que ia ter contigo, so que…"

"OHOHOHOHOHOOH! Sakura! Aproveita e vai com ele! Diz-lhe que eu toou com o Eriol e que não me vou despachar tao cedo! Nem que peças boleia para casa! Mas faz isso! E tenta descobrir porque que ele nao te telefonou! Boa sorte!"

E Tomoyo desligou na cara da amiga. Esta olhava para o cera, incrédula, sem saber ao exacto o que acontecera… Tomoyo estava sem duvidas a empurra-la para as maos de Syaoran! Não que ela nao quisesse, claro.. ela adorava que aquelas maos grandes lhe tocassem por todo o seu corpo! E que lhe fizessem sentir o mesmo da outra noite… Porque verdade seja dita, ela nunca se sentira tao bem como naquela noite!

"Sakura? Entao?" Syaoran tirou-a dos seus pensamentos. Esta virou-se pra ele, a sorrir.

"Bem… Ela está com o Eriol.. e bem…" Sakura corou um bocado.

"Oh! OH! A Daidoudji e o Hiraguizawa estão… pois! Bem…" Syaoran começou a olhar a sua volta ate que reparou que tinha na sua mao as chaves do seu carro. Deu um pequeno sorriso. "Já sei então." Agarrou na mao dela e começou a andar na direcção do estacionamento. Ela estava um pouco surpreendida com o acto dele. Por um lado, Sakura queria parar e ir na direcção contraria dele. Mas por outro, queria ir e entregar-se novamente a ele. O que seria este sentimento? Desejo? Paixão? Sem duvida, que só poderia ser desejo! E um desejo que ela nunca sentira antes! Estava disposta a fazer tudo e mais alguma coisa com ele! O que era estranho, porque nunca, mas nunca ela pensara nisso. Nunca se entregara por completo a alguém como estava a faze-lo com Syaoran.

"Para onde vamos?" Perguntou Sakura quando chegaram ao carro.

"Entra! Vou levar-te a jantar!" Syaoran sorriu e entrou no carro. Ela fez o mesmo, como se as palavras dele fossem ordens e ela uma criada que cumpria sempre o que lhe diziam.

Quando saíram do estacionamento, no visor do carro marcavam 18:41. Nenhum dos dois dissera uma palavra. Sakura olhava para a rua através da janela ao seu lado e Syaoran estava concentrado a olhar para a estrada. Tinham saído da cidade e estavam a ir na direcção da zona litoral. Ela não tinha coragem de perguntar para onde iam. Ela nem tinha coragem para dizer q ele estava bonito ou sensual ou que a gravata desbotoada lhe ficava a matar! O que ela queria dizer era que lhe queria saltar para cima, ali mesmo, no meio do nada. Como é que tinha ficado assim mesmo? Fora apenas uma excelente noite de sexo que a deixara assim? Seria isso possível? Ela já não sabia de nada!

"Hm… Está tudo bem?" Syaoran estava um pouco preocupado, pois ela só olhava pela janela e fazia caras, que por muito mais engraçadas fossem, o deixavam demasiado preocupado. O que estaria a passar pela cabeça dela? Ela mostrava um sorriso com as bochechas coradas e no momento a seguir abanava a cabeça como se quisesse tirar o pensamento da sua cabeça. Aquela mulher o deixava tonto, doido, louco. Sakura olhou para ele e sorriu.

"Sim. Apenas um pouco pensativa!" Sorriu para ele e ele teve de se aguentar para nao encostar o carro na borda da estrada e agarrar nela e beija-la. Alias! Por ele tinham ido para o apartamento dele, só que isso estava fora de questão. Sabia que Takahashi saberia mais tarde que tinha saído com uma pessoa que não podia. "hm…" Sakura tirou-o dos seus pensamentos. "Estamos a ir para onde?"

Syaoran deu um sorriso grande. "Para a minha casa secreta!" Olhou para ela com um sorriso ainda maior. Ela ficou um pouco assustada. Para a casa dele? Oh. Meu. Deus. Eles iam fazer sexo! Corou no momento em que a palavra 'sexo' passou na sua mente. Estaria ela mesmo com tanta vontade assim que aquela noite se repetisse? SIM. CLARO QUE SIM. Sem duvidas! A resposta veio demasiado rápido. "Para a tua casa secreta?" Ela ainda olhava para ele um pouco preocupada e excitada ao mesmo tempo.

"Mais ao menos… Eu tenho alguem que me controla muito e por isso arranjei um sitio onde pudesse ir e relaxar sempre que quisesse. Não é bem uma casa, é mais um pequeno restaurante típico á beira mar. Os donos tratam-me como se fosse filho deles, já que eu vou lá desde que voltei para o Japão."

Sakura sorriu para ele, na opinião de Syaoran, um sorriso dos anjos. Ele corou. "Bem, já estamos perto!" Ao longe, já se viam umas luzinhas ao longo da costa. Era uma vila pequena. Syaoran estacionou o carro e saiu. Abriu a porta a Sakura e deu-lhe a mão. Ela aceitou e deixou-se ir. Passearam pela marginal da vila. Não se via muita gente nas ruas e o cheiro a maresia era relaxante. Compreendia porque Syaoran gostava de ir ali. Apertou a mão de Syaoran sem perceber. Este olhou e viu como ela estava feliz. "Vamos!" Disse-lhe e ela acompanhou-o, ainda de mãos dadas com ele.

Entraram num restaurante pequeno e um pouco escuro. Parecia uma taberna antiga, onde os pescadores e baleeiros comiam enquanto esperavam que as tempestades passassem. Sentaram-se numa mesa para dois, num canto ao lado da janela que dava para a marginal. Um empregado que mais parecia um cliente veio dar os menus e deixou-os para escolherem o que comer.

"Hm… Eu não sei bem o que é isto tudo, portanto, o que me aconselhas a comer?" Sakura olhou para ele com um leve sorriso, enquanto fechava o menu. Este apenas olhou para ela por cima do seu menu e voltou a olhar para o menu. Deu um pequeno sorriso e chamou o empregado, enquanto fechava o menu.

"O que irá ser?" Perguntou o empregado, com uma caneta e um bloco de notas da mão.

"Queremos dois especiais. E uma garrafa de vinho tinto, do melhor que tiver! E para entrada, poderia ser uma salada de polvo e uma de camarão, se faz favor." Syaoran entregou-lhe os menus e sorriu. O empregado agarrou nestes e foi embora.

"Especial? O que inclui esse menu?" Sakura olhava para ele atenta. Ele riu um pouco. "Depois vês." E Syaoran sorriu.

Logo o empregado chegou com as entradas e uma garrafa de vinho tinto. Pousou os pequenos pratos das saladas e encheu o copo de cada um com vinho, deixou a garrafa na mesa e saiu. Sakura deu um gole no seu copo, estudando Syaoran. Este petiscava as saladas com gosto, garfadas grandes, com bocados grandes de polvo e camarão. Ela estava tão concentrada nele que nem reparou que ele tinha parado de comer e que era ele quem a observava agora.

"Princesa, experimenta isto." Syaoran estendeu-lhe o seu garfo para Sakura provar o polvo. Ela olhou do polvo para ele, a corar, enquanto que ele apenas sorria. Experimentou o polvo e viu que estava mesmo muito bom. Com o seu próprio garfo, começou a comer a salada. "É muito bom!" Bebeu mais um gole de vinho e pousou o copo e o garfo. Olhou para ele.

"Tenho uma pergunta para ti." Syaoran pousou o garfo. "Diz." Ele deu um gole do vinho.

"Porque é que nunca me ligaste depois daquela noite?" Ela olhava para os olhos dele, bem pra o fundo deles. A sua cara mostrava seriedade e talvez um pouco de irritação. "Eu sei que só tivemos aquela noite, mas foi-" Ele interropeu-a. "Se te tivesse ligado, nunca mais poderia ver-te. É uma situação complicada." Ele observou como a cara dela foi de séria para um pouco triste e desapontada. "Não entendas de maneira errada. Quero muito estar contigo e aquela noite! Aquela noite! Meu Deus! Eu nunca me tinha sentido assim! Sakura, foi das noites com mais prazer que tive em toda a minha vida!" Ela corou levemente. Só que apesar de tudo aquilo, ela nao queria algo em meio termo. Queria ter algo com ele, admitia-o a si própria, mas não queria que fosse ás escondidas. Ela desviou os olhos dela dos dele e olhou para o seu lado, observando o outro lado da janela, o escuro mar. Quando ele lhe agarrou na sua mão, a sua cara virou da janela para ele muito rápido. Sentira arrepios pelo seu corpo todo, memórias daquela noite. Quem ela queria enganar? Ela desejava-o tanto ou mais que ele desejava a ela. E ela sabia o quanto ele a desejava. Conseguia ver os seus pelos dos braços todos eriçados com o seu toque. Ele desejava-a nos seus braços. "Eu quero-te muito mesmo, Sakura. Como nunca quis ninguém antes na minha vida."

Foram enterrompidos pelo empregado, que chegou com dois pratos com peixe fresco no forno acompanhado de pimento vermelho, cebola e batatas. Parecia delicioso, mas depois daquela conversa que nem acabara bem nem mal, não estava com muita vontade de comer. Comeu na mesma, pois ela odiava desperdiçar comida.

Durante 20 minutos, nenhum deles falara. Apenas comiam e bebiam. Primeiro acabou Syaoran o seu peixe, e ela notara que ele tinha adorado, pois tinha limpo o prato! Ela acabou um pouco depois. O peixe estava tao saboroso que comera tudo, até ao final, e só deixara as espinhas. Sorriu. A comida boa deixara-a de bom humor.

"Estava bom?" Syaoran perguntou. "Ótimo. Acho que na cidade nunca comi um peixe tão bom como este. Estava delicioso! Muito bom mesmo!" Ela olhou para ele e sorriu. "Adoraria voltar aqui um dia!" Sakura corara depois de perceber o que dissera. "Não que seja contigo ou com outra pessoa, apesar de que também gostaria de voltar aqui outra vez contigo, só nós os dois! Mas também adorava trazer Tomoyo e Eriol um dia!" Syaoran ria-se, ela estava tão atrapalhada que era tão bonito de se ver. Como ele adoraria te-la todos os dias na sua vida! Sorriu enquanto olhava para ela. Não sabia como, mas aquele pensamento deixou-o tão feliz. Se ele tivesse Sakura na sua vida, todos os dias, como ele seria feliz. "Queres sobremesa?" Syaoran perguntou ainda a sorrir para ela. Ela corou. "Não é necessário." Ela sorriu para ele também.

Syaoran então levantou-se e foi até ao balcão. Sakura apenas observava o que o homem que entrara na sua vida tão depressa falar com uma mulher já de idade. Como quero os braços deles á minha volta todos os dias da minha vida… Corou com o seu pensamento. Syaoran estava a vir para a mesa e então ela bebeu um pequeno gole do seu vinho.

"Vamos embora?" Perguntou Syaoran. "Mas e não pagamos?" Syaoran riu para ela. "Já tratei disso." Sakura suspirou e levantou-se. Ele dirigia-se para a porta e ela seguiu-o.

Na rua, havia uma leve aragem que não estava presente quando eles chegaram, ela encolheu-se um pouco devido a isso. Syaoran notou que ela tinha frio, sorriu e pôs o seu braço nos seus ombros, puxando-a mais para si. Sakura corou com o acto dele, mas não disse nada ou afastou-se. Deixou-se levar por aqueles braços fortes.

Já estavam na sua porta e Syaoran acompanhou Sakura até á sua porta de entrada. O prédio era velho e não havia ninguém na rua. A noite estava escura e fria. Nenhum dos dois disse uma palavra, apenas olhavam-se nos olhos um do outro. Podia não haver uma palavra se quer, mas ambos sabiam que não se queriam separar ali. Syaoran não queria voltar para o carro sozinho e Sakura não queria entrar em casa sozinha. Syaoran estava tão concentrado nos olhos esmeralda brilhantes de Sakura e nos seus pequenos lábios rosa meio entre-abertos que não reparou no seu gesto rápido. Aproximara a sua mão da face desta, acariciando-a com o polegar na bochecha. Rapidamente puxou-a para si e beijou-a nos lábios. Sentiu o sabor do vinho tinto e aprofundou o beijo. As suas línguas dançavam uma com a outra. Nenhum dos dois queria parar, mas tinham. Syaoran afastou-se e reparou que Sakura estava bastante corada, muito vermelha nas bochechas. E os seus olhos verdes estavam molhados, quase a chorar.

"Syaoran! Eu não quero isto assim!" Ele olhava para ela preocupado, enquanto via as suas lágrimas a cair pela sua bela face. "Eu não quero que brinques comigo, que me uses só para o prazer, que te aproveites de mim!" Syaoran ia dizer algo, mas Sakura não o deixou. "Quero que da próxima vez que me beijes, seja a sério! Com intenções sérias! E quero que me ligues e quero romance e quero mais jantares destes!" As lágrimas de Sakura não paravam. Syaoran estava sem palavras. "Não te quero perder, Syaoran! Não quero mesmo!" Ela começou a ir para a porta dela enquanto tirava as chaves da sua mala. As lágrimas ainda caiam pela sua face. Enfiou a chave na porta e olhou para trás. Syaoran ainda estava a olhar para ela, com os olhos surpreendidos. Ela olhou para a porta, respirou fundo e abriu a porta.

Ele correu e abraçou-a por trás. "Eu também nao te quero perder." Beijaram-se e Syaoran empurrou a porta, enquanto os dois entravam.

~ Fim do capitulo 4 ~


Olá! (: Obrigada a todas as pessoas que me deixaram uma review e ás que leram. Desculpem não ter publicado este capitulo mais cedo, tive uns assuntos e estava sem inspiração para escrever. Eu sabia o que ia escrever (pelo menos o inicio) mas nao sabia bem como ainda, mas ontem comecei a escrever e veio tudo. Acabei hoje e publiquei logo! Espero que gostem!

E digam-me o que acham! (:

Beijinhos,

Aggie.

P.S.- Vou tentar publicar o capitulo 5 antes do final do mês de Outubro, o mais tardar no inicio do mês de Novembro!