Eu o via ali caí grande poça de sangue lhe cabeça girou.

O que estava acontecendo?

Eu não sabia de nada,e aquilo aumentava minha afliçã deveria tê-lo impedido de entrar em quadra hoje,ele estava passando mal,mas era tão malditamente teimoso que nem ouviu...

Meus joelhos se comecei a andar e depois tipo estranho de vontade chega através de precisava chegar até coração pulsou quando consegui chegar á seu pernas sederam e ajoelhei-me no chão sem importar realmente o líquido escarlate.

Olhei seu alguma forma aquilo fez meu corpo ficar estava tão sereno,que mão foi parar em seu cabelo,logo descendo para a pele pálida da fria,sua temperatura caía.

Os murmúrios estavam se não ligava para todo aquele povo ao redor,somente Kuroko estendido algum geito,me lembrei de verificar o batimento cardí não tinha coragem suficiente.E se eu não o ouvisse?

Lembranças passaram como um brigando com Tetsuya,nós dois jogando basquete juntos,os momentos em que tivemos.O primeiro conseguia me lembrar lábios tocaram os meus quentes e algum modo,eu conseguia entender nossa conexã o começo,não éramos simples companheiros de haveria algo mais.

Nossa primeira dia,eu pude ver um lado de Kuroko que eu nunca havia tão era um amante cama se soltava,fazíamos loucuras,mas ninguém ávamos cada vez mais um do outro...

Minha cabeça se aconchegou em seu os assustei,quando não ouvia lágrimas desceram,mas tentava segurá-las á todo gritar,e foi o que rugido gutural escapou da garganta,um soneto de tristeza e aflição.A dor saindo,e eu o puxando mais para meu corpo.O segurava com tanta força,um abraço apertado,mas no fundo eu sabia,ele não estava mais ali.

Sem conseguir me controlar,chamava seu nome repetidas sabe assim ele não acordaria?Quem sabe eu não despertasse,se fosse um pesadelo tudo aquilo?Porém,não era.

Meu peito subia e descia,a procura de ar.Não havia me dado conta mas parara de respirar no momento.

—Kuroko,acorda...Kuroko...amor,abre os olhos...esses malditos olhos azu-is q-que sempre m-me olharam!Por...f-avor.—Eu sabia,estava lamentável,nem me implorava para que o impossível um pedaço de mim dolorido!Minha sombra se fora.

Uma mão envolveu meu ombro e virei o rosto na direçã Kyoshi que me olhava com compaixão e pena,além de lá olhavam estava de pé,com o celular na mã olhos molhados pelo choro e sua boca repuxava tentando conter os soluços.

—Treinadora,faça alguma coisa...ele não respira e seu coração não bate.—Ela encarou o chão antes de voltar a me tinha plena conciência de que ela não podia fazer nada,mas eu ainda pedi.

—Desculpe.—Murmurou e seu choro veio mais á abraçou.

Seirin estava em volta de mim e Tetsuya quando algumas pessoas de jaleco abriram caminho.

Médicos.

De algum jeito,conseguiram tirar-me tão sem forças que nem pude havia sido a última vez que o foi a última vez que beijei seus lábios tão doce.A última em que acariciei seu cabelo que tanto amava e a última que pude sussurrar "Eu te amo!" em seu ouvido.